Circle Time: Criando espaços de compartilhamento na Malásia

Aprendendo com experiências do OUTRO

0
121

É da maior importância se entrar em contato com outros povos. Como é o povo da Malásia. Como lá são enfrentados os problemas com a saúde mental?

Assim como ocorre entre nós, o povo de Malásia é submetido à opressão do modelo ‘biomédico’ da Psiquiatria.

Os companheiros de madinasia.org trazem para os brasileiros seu testemunho: como enfrentar o modelo de doença da Psiquiatria?

“Esses sistemas de atenção silenciaram muitas vezes as vozes de pessoas com deficiências psicossociais, construíndo-as como usuários passivos do sistema médico. No entanto, pessoas com deficiências psicossociais em todos os lugares estão reivindicando seu direito de ter voz no sistema e determinar os contornos do cuidado. Na Mad na Ásia-Pacífico, pretendemos destacar os esforços na região da Ásia e Pacífico de assistência e apoiar iniciativas lideradas por pessoas com deficiências psicossociais.”

É importante que se tenha conhecimento dessa iniciativa do Mental Illness Awareness & Support Association (MIASA), com suas bases em Selangor, Malaysia. Assim como os hospitais psiquiátricos têm a tendência a serem universalmente “manicômios”, igualmente a Psiquiatria enquanto tal, mesmo fora dos ‘hospitais psiquiátricos”, tem a tendência a ser universalmente a mesma. Nos Estados Unidos, no Reino Unido, no Brasil, na Malásia, aonde for que a Psiquiatria biomédica está, o mesmo ocorre. As bases que sustentam a Psiquiatria são universalmente as mesmas: diagnóstico psiquiátrico e tratamento psicofarmacológico. Independente que o hospital psiquiátrico esteja ou não na retaguarda do exercício do poder psiquiátrico enquanto corporação, a opressão da Psiquiatria tende a ser a mesma.

“A iniciativa em foco faz parte do programa Circle Time da MIASA. Circle Time oferece um espaço para ‘pacientes e cuidadores compartilharem sua história, suas lutas, procurar ajuda, ver esperança, motivar e capacitar o eu e os outros e, mais importante, não se sentirem sozinhos nessa luta”.

 

Deixe uma resposta