O poder de cura dos jardins: Oliver Sacks diz da sua experiência clínica

0
1426

De Brain Pickings: “Eu trabalho como um jardineiro”, escreveu o grande pintor Joan Miró em sua meditação sobre o ritmo adequado para o trabalho criativo. Não é por acaso que Virginia Woolf teve sua epifania eletrizante sobre o que significa ser um artista enquanto caminhava em meio aos canteiros de flores no jardim de St. Ives. De fato, jardinagem – mesmo que seja apenas para estar em um jardim – é nada menos que um triunfo de resistência contra a corrida impiedosa da vida moderna, tão compulsivamente focado na produtividade à custa da criatividade, da lucidez, da sanidade; um lembrete de que somos criaturas enredadas com a grande teia do ser, na qual, como o grande naturalista John Muir observou há muito tempo atrás, “quando tentamos descobrir qualquer coisa por si só, achamos que ela se atrelou a tudo o mais no universo”; um retorno ao que é mais nobre, o que significa mais natural em nós.

Essas recompensas incomparáveis, tanto psicológicas quanto fisiológicas, são o que o amado neurologista e escritor Oliver Sacks (9 de julho de 1933 a 30 de agosto de 2015) explora em um pequeno ensaio intitulado “Por que precisamos de jardins”, encontrado em Everything in Its Place: First Loves and Last Tales (public library) – a maravilhosa coleção póstuma que nos deu Sacks sobre o poder das bibliotecas para alterar as vidas. Ele escreve:

Como escritor, considero os jardins essenciais para o processo criativo; como médico, levo meus pacientes a jardins sempre que possível. Todos nós tivemos a experiência de vagar por um exuberante jardim ou por um deserto atemporal, andando junto a um rio ou oceano, ou escalando uma montanha e nos achando simultaneamente acalmados e revigorados, engajados na mente, refrescados em corpo e espírito. A importância desses estados fisiológicos na saúde individual e comunitária é fundamental e abrangente. Em quarenta anos de prática médica, descobri que apenas dois tipos de “terapia” não-farmacêutica são de vital importância para pacientes com doenças neurológicas crônicas: música e jardins.

Tendo vivido e trabalhado em Nova York por meio século – uma cidade ‘às vezes suportável … apenas por seus jardins’ – Sacks relata os efeitos tônicos da natureza em seus pacientes neurologicamente debilitados: um homem com síndrome de Tourette, afligido por severas ticos verbais e gestuais no meio urbano, passa a ficar completamente livre de sintomas enquanto caminha no deserto; uma mulher idosa com doença de Parkinson, que muitas vezes se encontrava congelada em um lugar imaginário, pode não apenas recuperou facilmente os movimento no jardim, mas também passou a subir e a descer as rochas sem ajuda; várias pessoas com demência avançada e doença de Alzheimer, que não sabem como realizar operações básicas da civilização como amarrar os sapatos, sabem exatamente o que fazer quando apanham mudas e colocam-nas diante de um canteiro de flores. Sacks reflete:

Não posso dizer exatamente como a natureza exerce seus efeitos calmantes e organizadores em nossos cérebros, mas tenho visto em meus pacientes os poderes reparadores e curativos da natureza e dos jardins, mesmo para aqueles que são profundamente deficientes neurologicamente. Em muitos casos, os jardins e a natureza são mais poderosos do que qualquer medicamento.

Mais de meio século depois, a grande bióloga marinha e pioneira do meio ambiente, Rachel Carson, afirmou que “existe em nós uma resposta profundamente assentada ao universo natural, que é parte de nossa humanidade“, acrescenta Sacks:

Claramente, a natureza chama para algo muito profundo em nós. A biofilia, o amor pela natureza e pelos seres vivos, é uma parte essencial da condição humana. A hortofilia, o desejo de interagir, gerenciar e cuidar da natureza, também é profundamente incutida em nós. O papel que a natureza desempenha na saúde e na cura torna-se ainda mais crítico para pessoas que trabalham longos dias em escritórios sem janelas, para aqueles que moram em bairros sem acesso a espaços verdes, para crianças em escolas da cidade ou para instituições institucionais, como lares de idosos. Os efeitos das qualidades da natureza na saúde não são apenas espirituais e emocionais, mas físicas e neurológicas. Não tenho dúvidas de que eles refletem mudanças profundas na fisiologia do cérebro e talvez até mesmo na sua estrutura”.

Artigo →