No Dia Mundial da Saúde: sobre os esforços de prevenção ao suicídio

No Dia Mundial da Saúde Mental, especialista da ONU Dainius Puras exige uma mudança longe de soluções médicas em direção a uma abordagem baseada nos direitos para tornar a vida “mais habitável.”

0
57

A prevenção do suicídio não deve ser tratada pelo aumento da prescrição de medicamentos, diz Dainius Pūras, relator especial da ONU sobre o direito à saúde. Em um comunicado à imprensa sobre prevenção de suicídio para o Dia Mundial da Saúde Mental, em 10 de outubro, ele declarou:

“A dor emocional vem frequentemente da pessoa ser vítima de violência, discriminação ou exclusão. Visar a química cerebral dos indivíduos geralmente exacerba o estigma e a exclusão social, agrava a solidão e o desamparo e falha em reduzir o risco de suicídio.

A alta incidência e o ônus econômico das condições de saúde mental também podem ser vistos como efeitos de trauma e de outras adversidades, incluindo violência interpessoal e de gênero, além de abuso e negligência de crianças.

Patologizar a diversidade das respostas individuais às adversidades como se fossem condições médicas desestimula os indivíduos e perpetua a exclusão social e o estigma.

Devemos buscar novas rotas para a prevenção do suicídio que invistam no fortalecimento de relacionamentos saudáveis, respeitosos e confiantes, que também incluem a conexão de pessoas em suas comunidades.

A prevenção do suicídio deve abordar os fatores estruturais que tornam a vida impossível de viver e examinar como a angústia surge nos desequilíbrios de poder; também deve abordar problemas de relacionamento e reduzir a violência interpessoal. ”

O Relator Especial diz que uma resposta individualizada e direcionada a cada situação permanece vital na prevenção do suicídio, mas alerta contra o uso excessivo de medicamentos e contra a coerção e o isolamento.

“Para garantir que as pessoas permaneçam vivas e desenvolvam as habilidades necessárias para prosperar, é necessário haver cuidados comunitários contínuos em robustos sistemas de suporte que possam alcançar adequadamente as pessoas onde vivem, trabalham, aprendem e se divertem”, disse ele.

“Para prevenir o suicídio, os Estados devem adotar estratégias com uma abordagem baseada em direitos que evite a medicalização excessiva e lide com os determinantes da sociedade, promovendo autonomia e resiliência por meio de conexão social, tolerância, justiça e relacionamentos saudáveis.”

Leia a declaração completa no site da ONU clicando aqui.

O Dr. Dainius Pūras é médico da Lituânia, com notável experiência em saúde mental e saúde infantil; ele assumiu suas funções como relator especial da ONU em 1º de agosto de 2014. Dainius Pūras é diretor do instituto de monitoramento de direitos humanos em Vilnius, na Lituânia, professor de psiquiatria infantil e adolescente e saúde mental pública na Universidade de Vilnius e leciona nas faculdades de medicina e filosofia da mesma universidade.

Os relatores especiais fazem parte do que é conhecido como Procedimentos Especiais do Conselho de Direitos Humanos. Procedimentos Especiais, o maior corpo de especialistas independentes no sistema de Direitos Humanos da ONU, é o nome geral dos mecanismos independentes de pesquisa e monitoramento do Conselho que abordam situações específicas de países ou questões temáticas em todas as partes do mundo. Especialistas em procedimentos especiais trabalham voluntariamente; eles não são funcionários da ONU e não recebem salário por seu trabalho. Eles são independentes de qualquer governo ou organização e servem em sua capacidade individual.

Deixe uma resposta