Quase todo mundo atende aos critérios de ‘Doença mental’

Um estudo que acompanha mais de mil pessoas em 45 anos mostra que quase nove em cada dez pessoas atendem aos critérios para uma doença mental em algum momento de suas vidas.

0
349

Um novo estudo constata que 86% das pessoas já cumpriram os critérios para um diagnóstico psiquiátrico aos 45 anos de idade e 85% delas cumpriram os critérios para pelo menos dois diagnósticos. Exatamente metade (50%) da população terá cumprido os critérios para um “distúrbio” aos 18 anos.

Segundo os pesquisadores, quase nove em cada dez pessoas atenderão aos critérios de “doença mental” em algum momento de suas vidas.

Essa taxa chocantemente alta de “doença mental” não é o ponto focal do estudo. Em vez disso, os pesquisadores escrevem que “essas descobertas sugerem que as histórias de vida dos transtornos mentais mudam entre diferentes transtornos sucessivos”. Ou seja, a implicação de seu estudo, segundo os pesquisadores, é que pessoas com “doença mental” podem ter vários diagnósticos diferentes.

A pesquisa foi liderada por Avshalom Caspi na Duke University e publicada na JAMA Network Open.

Caspi e co-autores usaram dados do Dunedin Study, um estudo representativo da população que acompanhou 1013 pessoas nascidas em Dunedin, Nova Zelândia, em 1972-1973. Profissionais de saúde treinados realizaram entrevistas em profundidade quando os participantes tinham 11, 13, 15, 18, 21, 26, 32, 38 e 45 anos para avaliar se os participantes preenchiam os critérios para qualquer diagnóstico psiquiátrico. Os pesquisadores não especificam se esse processo de diagnóstico poderia ter superdiagnosticado “doença mental”.

Ainda mais surpreendente, os pesquisadores relatam que 17 pessoas relataram receber tratamento de saúde mental, mas não foram capturadas como tendo doença mental pelas entrevistas; uma dessas pessoas morreu de suicídio.

Os pesquisadores descobriram que quase quatro vezes mais indivíduos atendiam aos critérios para esquizofrenia do que o geralmente estimado em uma população (3,7% versus 1%); 15% dos participantes preencheram os critérios para transtorno obsessivo-compulsivo (geralmente estimado em uma prevalência populacional de 2-3%).

Os pesquisadores também escrevem que “testaram a hipótese de que as histórias de vida dos transtornos mentais, resumidas pelo fator p, refletem a função cerebral comprometida”. A comparação é incomum, já que quase todo mundo no estudo teve um “transtorno mental” em algum momento, mas eles realizaram um grande número de testes estatísticos, dividindo as pessoas com “transtornos mentais” em grupos como aqueles com “externalização” versus ” sintomas de internalização ”ou aqueles com mais diagnósticos versus aqueles com menos. Eles também usaram medidas de supostas “idades cerebrais”, apesar das perguntas sobre a validade dessa medida.

Todos os resultados foram “estatisticamente significativos”, mas explicaram muito pouco. Por exemplo, veja o gráfico de dispersão abaixo:

/var/folders/68/_dpr2j6d4ld4w6h18ghwk7540000gp/T/com.microsoft.Word/WebArchiveCopyPasteTempFiles/mental-illness-scatterplot-brain-age.jpg

Em um gráfico como este, o impacto de uma descoberta é demonstrado pela força com que os pontos (cada ponto representando um participante da pesquisa) se agrupam em torno da linha. Nesse caso, os pontos estão espalhados amplamente e a correlação é minúscula. Algumas pessoas com “idade cerebral” aos seus 70 anos, por exemplo, ainda tinham os fatores p mais baixos (probabilidade de maior comprometimento por problemas psiquiátricos), enquanto algumas pessoas com “idade cerebral” aos 30 anos apresentavam os fatores p mais altos. No entanto, esses dados são relatados como achados estatisticamente significativos.

Os pesquisadores não abordam a possibilidade de sobrediagnóstico ou de como o alargamento das categorias de diagnóstico em cada edição sucessiva do DSM poderia levar à patologização de experiências cada vez mais normais.

Em vez disso, eles sugerem que sua análise é mais precisa do que a maioria das estimativas, pois foram capazes de acompanhar toda uma população representativa desde o nascimento e suas entrevistas detalhadas capturaram populações que geralmente são perdidas, como pessoas sem-teto e pessoas que não recebem tratamento em saúde mental.

Em vez disso, eles sugerem que sua análise é mais precisa do que a maioria das estimativas, pois foram capazes de acompanhar toda uma população representativa desde o nascimento e suas entrevistas detalhadas capturaram populações que geralmente são perdidas, como pessoas sem-teto e pessoas que não recebem tratamento em saúde mental.

****

Caspi, A., Houts, R. M., Ambler, A., Danese, A., Elliott, M. L., Hariri, A., . . . & Moffitt, T. E. (2020). Longitudinal assessment of mental health disorders and comorbidities across 4 decades among participants in the Dunedin birth cohort study. JAMA Netw Open, 3(4), e203221. DOI: 10.1001/jamanetworkopen.2020.3221 (Link)