Terapia Psicodinâmica (psicanálise) de Curto Prazo Eficaz para Bipolar e Depressão

A Psicoterapia Dinâmica Intensiva de Curto Prazo foi considerada eficaz no tratamento de grandes depressões, distúrbios bipolares e os chamados distúrbios afetivos resistentes ao tratamento.

0
196

Uma publicação recente do Journal of Affective Disorders forneceu provas da eficácia da terapia psicodinâmica. Mais especificamente, o estudo investigou se a Psicoterapia Dinâmica Intensiva de Curto Prazo (PDICP) reduziu efetivamente os sintomas associados ao “Grande Transtorno Depressivo” e ao “Transtorno Bipolar”.

“Os resultados dos estudos incluídos sugerem que o PDICP é eficaz para o tratamento dos transtornos de humor”, escrevem os pesquisadores, liderados por Alice Caldiroli na Itália. “Estas descobertas preliminares estão de acordo com a crescente evidência da eficácia da Psicoterapia Psicodinâmica de Curto Prazo para transtornos depressivos”.

Creative Commons

A eficiência e a eficácia das terapias cognitivas-comportamentais (TCC) foram amplamente pesquisadas em comparação com outras modalidades psicoterapêuticas. Como resultado, a TCC tem sido considerada (quase exclusivamente) a prática baseada em evidências a ser utilizada pelos psicoterapeutas nos Estados Unidos.

Mais recentemente, houve um aumento das pesquisas sobre os resultados terapêuticos das terapias psicodinâmicas. Em geral, as terapias psicodinâmicas são tão eficazes quanto a TCC. Quando elementos da TCC e das terapias psicodinâmicas são integrados, a sua eficácia melhora.

Existem diferentes formas de terapia psicodinâmica. A PDICP se concentra nas emoções e sentimentos que estão sendo evitados e nas maneiras pelas quais as pessoas evitam esses sentimentos (defesas). Ao evitar sentimentos e experiências desconfortáveis, as pessoas ficam sem consciência ou inconscientes dos padrões de pensamento, sentimento e ação com os quais se engajam regularmente.

A  PDICP foi desenvolvida nos anos 70 e modificada para o tratamento da depressão nos anos 80. Através da PDICP, conseguir tolerar a ansiedade sobre estas emoções evitadas é aumentada através do desenvolvimento de capacidades.

Os sentimentos são geralmente explorados através de experiências ou sensações corporais, incluindo (mas não limitado a) dores de estômago, dores de cabeça, cerramento do punho e confusão. A relação terapêutica permite às pessoas identificar as emoções e como evitá-las, experimentá-las e expressá-las, e tolerar cada vez mais estes sentimentos, que são as características-chave da eficácia deste tratamento.

O objetivo do estudo era rever os resultados disponíveis sobre a eficácia do PDICP no tratamento da ‘Grande Depressão’ e do ‘Transtorno Bipolar’.

Os pesquisadores descobriram que cinco sessões de PIDCP poderiam ajudar a reduzir os sintomas depressivos em pacientes diagnosticados com transtorno (distúrbio) bipolar e reduzir o uso do tempo dispensado na assistência em saúde mental. Eles também descobriram que 14 sessões de PIDCP reduzira  os sintomas depressivos, distímicos  e hipomaníacos.

Quando avaliados 14 meses após o tratamento, seus sintomas diminuíram ainda mais, fornecendo evidências de eficácia a longo prazo. Pacientes com transtornos afetivos “resistentes ao tratamento” não apenas se beneficiaram do tratamento, mas mais da metade deles também reduziram o uso de medicamentos após oito semanas de tratamento e eram mais ativos no trabalho e reduziram o uso do sistema de assistência.

Isso fornece mais evidências contra o problemático rótulo “resistente ao tratamento” (usado principalmente para rotular pacientes cujos sintomas não são reduzidos por meio de medicamentos), à medida que os pacientes melhoram com a experiência em psicoterapia. A PIDCP também foi eficaz em pacientes que foram medicados simultaneamente para o seu transtorno de humor e naqueles que não foram.

Este estudo contribui para as evidências emergentes sobre a eficácia da terapia psicodinâmica. O estudo desafia a noção de transtornos “resistentes ao tratamento”, pois os pacientes que foram submetidos a um tratamento combinado de PIDCP e medicamentos experimentaram uma redução dos sintomas. Outros pacientes reduziram o uso de drogas durante a terapia, mantendo a saúde psicológica.

****

Caldiroli, A., Capuzzi, E., Riva, I., Russo, S., Clerici, M., Roustaya, C., Abbass, A. & Buoli, M. (2020).   Efficacy of Intensive Short-Term Dynamic Psychotherapy in Mood Disorders: A Critical Review.     Journal of Affective Disorders, 273(1), p.375-379 (Link)

Artigo anteriorA Loucura de Jair Bolsonaro
Próximo artigoA cultura medicalizante e os processos transgeracionais
José G. Luiggi-Hernández
José G. Luiggi-Hernández José G. Luiggi-Hernández é doutorando em Psicologia Clínica na Universidade de Duquesne, com formação em saúde pública. Suas pesquisas e interesses clínicos atuais envolvem a compreensão da experiência vivida da colonização usando estruturas fenomenológicas, psicanalíticas e descoloniais. Ele já trabalhou em pesquisas relacionadas a questões LGBTQ, comportamentos de saúde, atenção à dor crônica, TCC para diabetes e depressão, entre outros projetos.