Triagem de autismo em crianças: 82% dos testes positivos são falsos

A triagem do autismo em crianças provavelmente resulta em um grande número de falsos positivos.

0
572

Desde 2007, a Academia Americana de Pediatria tem recomendado a triagem do autismo em crianças pequenas, apesar da falta de provas de melhores resultados em crianças triadas. Agora, um novo estudo revelou que a triagem do autismo em crianças pequenas tem um valor preditivo incrivelmente baixo e provavelmente resulta em um grande número de falsos positivos.

/var/folders/68/_dpr2j6d4ld4w6h18ghwk7540000gp/T/com.microsoft.Word/WebArchiveCopyPasteTempFiles/child-and-autism-screening.jpg

O estudo, liderado por Paul S. Carbone e publicado em Pediatrics, descobriu que a medida de triagem Modified Checklist for Autism in Toddlers (M-CHAT) tem um valor preditivo positivo de 17,8%.

Isso significa que, para cada 100 crianças pequenas que fazem uma triagem positiva para um transtorno do espectro do autismo (ASD), apenas cerca de 18 delas continuarão a receber um diagnóstico. Os outros 82 bebês serão encaminhados para uma avaliação mais detalhada, informados de que “podem” ter ASD, e potencialmente expostos a drogas como antipsicóticos (frequentemente usados para controle comportamental em crianças com autismo), tudo isso sem mesmo atender aos critérios para um diagnóstico de ASD.

Além disso, o estudo concluiu que a sensibilidade da M-CHAT era de 33,1%. Isso significa que no subgrupo de bebês que irão receber um diagnóstico de ASD, o teste foi capaz de identificar corretamente 33 de cada 100. Os outros 67% são falsos negativos – crianças que fazem uma triagem negativa, mas que cumprem os critérios para um diagnóstico de ASD.

Portanto, se seu filho apresenta ser positivo para ASD no M-CHAT, a grande probabilidade é que ele não atenda realmente os critérios para ASD (82%). Além disso, se seu filho realmente tiver um diagnóstico de ASD, a grande probabilidade é que ele faça uma triagem negativa para ASD no M-CHAT (67%).

Apesar disso, os autores insistem que a triagem do autismo é útil. “As crianças que apresentaram resultados positivos tinham mais chances de serem diagnosticadas com autismo e foram diagnosticadas mais cedo”, escreve Carbone e seus coautores.

Naturalmente, isto é tautológico: crianças que foram identificadas por um teste como tendo autismo tinham mais probabilidade de serem diagnosticadas com ASD. Mas isso poderia ser prejudicial se esses diagnósticos fossem também falsos positivos – crianças que não deveriam ter recebido o diagnóstico, mas que o receberam de qualquer forma porque o teste o sugeriu erroneamente.

No estudo atual, Carbone e seus coautores examinaram os dados de triagem de 20 clínicas. Um total de 36.233 crianças fizeram parte do estudo. Os médicos examinaram 73% das crianças, e 1,4% mais tarde receberam um diagnóstico de ASD.

A triagem de crianças para distúrbios psiquiátricos pode ter efeitos nocivos. Por exemplo, muitos dos critérios para distúrbios psiquiátricos são bastante subjetivos, e se uma criança faz uma triagem positiva (mesmo que o teste esteja errado), um clínico pode tomar uma decisão errada ao fornecer um diagnóstico para a criança ao se deparar com resultados ambíguos.

Os perigos do sobrediagnóstico devido à triagem da depressão em crianças foram relatados por pesquisadores em vários outros casos. Por exemplo, isso pode levar as crianças a serem desnecessariamente expostas aos danos de medicamentos psiquiátricos.

De acordo com pesquisadores que escreveram em JAMA no início deste ano, ser informado falsamente que se tem um transtorno psiquiátrico pode levar a angústia e ansiedade emocional, os efeitos adversos de tratamentos desnecessários, e a custos excessivos com novos testes e visitas ao médico.

De fato, esses pesquisadores argumentaram que “o desvio de recursos e atenção à saúde para tratar aqueles com doenças leves está ameaçando a viabilidade dos sistemas de saúde em todo o mundo”.

****

Carbone PS, Campbell K, Wilkes J, et al. (2020). Primary care autism screening and later autism diagnosis. Pediatrics, 146 (2), e20192314 (Link)