Neoliberalismo e a “Cultura do Eu” destroem O Bem-estar Mental e a Dignidade Humana

Prilleltensky argumenta que o individualismo e o neoliberalismo minam os componentes chave de uma sociedade saudável e pioram a saúde mental.

0
248

Um novo artigo, publicado no American Journal of Community Psychology, discute como elementos do neoliberalismo e do hiperIndividualismo corroem os princípios fundamentais de uma sociedade saudável, prejudicando o nosso bem-estar pessoal e social.

Isaac Prilleltensky, psicólogo comunitário da Universidade de Miami, emprega uma exploração filosófica do que significa “ter importância” e afirma que temos de mudar as estruturas e ambientes que atualmente dão prioridade ao “eu” em detrimento do “nós”. Se não o fizermos, os Estados Unidos continuarão a assistir a um declínio na saúde mental e no bem-estar. Prilleltensky escreve:

“Se queremos que todos sejam importantes, devemos fomentar uma Cultura do Nós e rejeitar políticas que usem e abusem da importância em si próprio… devemos abraçar movimentos que procurem equilibrar o sentimento valorizado com a adição de valor a si próprio e à comunidade”. 

Previamente os investigadores relacionaram medidas de individualismo, pressões para o sucesso, e desigualdade relativa à diminuição da saúde mental e do bem-estar, especialmente para os jovens. Prilleltensky, no seu último artigo, intitulado “Mattering at the Intersection of Psychology, Philosophy, and Politics”, explica, filosoficamente, como isso que chamamos de “Cultura do Eu“, enraizado no neoliberalismo, corrói a saúde mental.

Em contraste, Prilleltensky explora como a Cultura do Nós é mais benéfica para a nossa saúde mental. Em suma, uma “Cultura do Nós” procura assegurar que todos têm “importância”. Ou seja, que todos possam acrescentar valor e sentir-se valorizados. Diferentemente, a nossa atual “Cultura do Eu”, permite apenas que alguns acrescentem valor, apenas alguns se sintam valorizados, e apenas uma população selecionada se sinta valorizada e se sinta valorizada.

Sentir-se reconhecido é uma necessidade humana fundamental; a experiência do reconhecimento promove tanto a saúde como a felicidade. Para que alguém se sinta importante para a sua comunidade e para si próprio, deve saber que pode acrescentar valor à vida dos outros e sentir-se valorizado pelas pessoas à sua volta.

Prilleltensky emprega argumentação filosófica para afirmar que o individualismo e a Cultura do Eu prejudicam a nossa saúde mental.

  • Primeiro, ele afirma que o reconhecimento é uma necessidade que consiste em sentir-se valorizado e em acrescentar valor.
  • Em seguida, argumenta que a necessidade de se sentir valorizado deriva de três motivos: sobrevivência, social, e, mais importante ainda, existencial.
  • Em seguida, argumenta que a necessidade existencial de se sentir valorizado está ligada à dignidade humana. O que é outra forma de dizer que “a dignidade é a espinha dorsal do reconhecimento”. Sem dignidade, não nos podemos sentir humanos.
  • Em seguida, afirma que não podemos experimentar a dignidade sem justiça.

Tanto a “Cultura do Eu” como o neoliberalismo dependem da desigualdade e da injustiça para existirem. Por outras palavras, a desigualdade e a injustiça são condições necessárias para o neoliberalismo e para a “Cultura do Eu”. É esta injustiça que infringe a nossa humanidade e a nossa dignidade, perturbando a nossa capacidade de nos sentirmos valorizados. Quando não podemos e não nos sentimos valorizados, não podemos dar importância ao que prejudica a nossa saúde mental e o nosso bem-estar. Prilleltensky elabora:

“A exposição constante à desigualdade social, numa cultura que exalta o sucesso material, é uma séria ameaça à dignidade. É um lembrete de que outras pessoas valem mais do que eu”. Estas comparações sociais ascendentes, como a investigação demonstra, são especialmente perniciosas para as pessoas pobres. Estão sempre prontos a pensar que não estão à altura porque não têm a educação, língua, casas, carros, relógios, roupas, ou engenhocas que outras pessoas têm. As pistas sociais estão em todo o lado, desde anúncios televisivos às redes das mídias sociais…”

Em contraste, uma “Cultura do Nós” dá prioridade e salvaguarda a nossa dignidade e valor. A “Cultura do Nós” dá ênfase ao empoderamento, à equidade e à igualdade. A “Cultura do Nós” investe mais nas comunidades através da redistribuição de riqueza e oportunidades, demonstrando uma priorização da dignidade humana e justiça – criando um ambiente onde todos podem e importam.

Prilleltensky faz uma argumentação convincente de que a desigualdade social, injustiça e individualismo prejudicam a nossa saúde mental e o nosso bem-estar como sociedade e comunidade. Ele sugere que, para atingir o objetivo de um país mais saudável, devemos enfrentar as questões sociais e a desigualdade, bem como as questões emocionais e comportamentais pessoais.

****

Prilleltensky, I. (2020). Mattering at the intersection of psychology, philosophy, and politics. American Journal of Community Psychology, 65(1-2), 16-34. (Link)

Artigo anteriorTriagem de autismo em crianças: 82% dos testes positivos são falsos
Próximo artigoO Cientificismo da Depressão na Infância e entre os Adolescentes
Samantha Lilly
Samantha Lilly traz a sua formação em filosofia, bioética e justiça social para o seu trabalho como suicidóloga crítica, com a crença de que a suicidologia, no seu melhor, é um trabalho de justiça social. Antes de iniciar um doutoramento em Saúde em Ciências Sociais na Universidade de Edimburgo, Sam recebeu uma bolsa Thomas J. Watson Fellowship. O seu projecto, "Understanding Suicidality Across Cultures", deu-lhe o privilégio de trabalhar ao lado de especialistas em ética, académicos e defensores dos direitos nos países da Benelux, Lituânia, Argentina, Aotearoa, e Indonésia. A investigação actual da Sam dedica-se a trazer metodologias feministas e descoloniais para a prevenção do suicídio.