É oficial: os antidepressivos viciam, criam dependência química

0
194

Na Inglaterra, o Royal College of Psychiatry publica um livreto informativo sobre antidepressivos, relatando os riscos associados à descontinuação do medicamento e as diretrizes para sua descontinuação segura.

As informações relatadas contrastam com as comumente fornecidas por muitos psiquiatras, que subestimam o vício gerado pelas drogas e confundem crises de abstinência com recaídas.

James Davies, psicólogo britânico co-fundador do Conselho de Psiquiatria Baseada em Evidências (CEP UK) e secretário do Grupo Parlamentar de Todos os Partidos para Dependência de Drogas Prescritas, anuncia hoje que o Royal College of Psychiatry está publicando seu novo livreto de informações ao paciente, intitulado “Parando Antidepressivos “.

O livreto informativo sobre medicamentos antidepressivos, fruto de anos de trabalho de pesquisadores, ativistas e comunidades de pessoas afetadas por antidepressivos, está em desacordo com as descrições dos efeitos de abstinência dos antidepressivos vistos como uma experiência relativamente positiva para a maioria das pessoas até a data recente.

O novo livreto informativo segue as diretrizes NICE atualizadas, reconhecendo que, embora os sintomas de abstinência, ao parar de fazer uso de antidepressivos, possam ser leves e de vida relativamente curta para alguns, para muitos outros podem ser graves e prolongados, por semanas, meses ou além.

O livreto informativo também reconhece que não é possível, antes do uso, prever quem terá efeitos graves de abstinência, portanto, todos devem ser informados, antes de iniciar o tratamento, que podem ter esses sintomas.

Comunicar esse risco por meio do consentimento informado é muito importante, pois a porcentagem de pessoas que apresentam vários graus de sintomas é alta, afetando de um terço à metade das pessoas que tomam antidepressivos.

O novo livreto informativo também indica que a abstinência da droga pode ser confundida com recaída, especialmente porque as reações de abstinência (como aumento da ansiedade ou depressão) podem refletir as mesmas experiências que levaram muitas pessoas a aceitar a prescrição de antidepressivos para a recaída.

O livreto informativo oferece algumas dicas úteis para distinguir abstinência de recaída, mas mais importante, reconhece que essas não se trata de ciências exatas, o que, Davies argumenta, implica que os médicos devem ouvir e respeitar as opiniões de seus pacientes sobre o significado de sintomas que experimentam durante a abstinência.

No novo livreto informativo, a depressão não é mais descrita como sendo causada por um desequilíbrio químico que os antidepressivos de alguma forma corrigem (modelo organicista ou biomédico).

O livreto reconhece cautelosamente, entretanto, que os antidepressivos causam um aumento nos níveis de certos neurotransmissores, como a serotonina e a noradrenalina, e que o cérebro se adapta lentamente aos novos níveis com o tempo.

A consequência disso é que, se um antidepressivo for retirado rapidamente, o cérebro precisará de tempo para se ajustar à sua ausência. Este período de reajuste, presume-se, é o que determina a reação de retirada.

Portanto, o livreto sugere que a suspensão do medicamento deve ocorrer de forma gradativa e em ritmo de acordo com as necessidades e vivências da pessoa, algo que os ativistas há muito solicitam. Ele também oferece alguns protocolos de suspensão como um guia inicial.

As informações contidas no novo livreto de informações sobre os riscos potenciais associados à interrupção dos antidepressivos contrasta significativamente com as fornecidas por muitos psiquiatras estabelecidos até alguns anos atrás.

Davies acredita que essa importante conquista também é o resultado do compromisso dos membros do CEP, por meio de suas pesquisas e publicações relevantes, o início da revisão recente da Public Health England sobre a dependência e a descontinuação de medicamentos prescritos, e o seu trabalho como consultor especialista na revisão, colaborando com o NICE na obtenção de diretrizes de descontinuação atualizadas e feedback dado ao Royal College com relação às questões espinhosas relacionadas à retirada de antidepressivos em geral.

Finalmente, continua Davies, grande parte do crédito vai acima de tudo para usuários de serviços psiquiátricos, instituições que dão suporte para o abandono das drogas, membros de fóruns de apoio online, membros de comunidades de vítimas de drogas que vem lutando com coragem sobre esta questão e “Nossos maiores agradecimentos a eles e por eles todos devemos continuar a luta por um apoio adequado e nacional para a suspensão dos psicotrópicos”.

Veja o artigo na íntegra ⇒

[Publicado originalmente em Mad in Italy. ]