“Miopia da Psiquiatria:” Como a Psiquiatria Contribui para os Resultados Psiquiátricos

0
626

Em um artigo de opinião publicado em JAMA Psiquiatria, os investigadores colocam a culpa pelo agravamento dos resultados da saúde mental aos pés da psiquiatria clínica.

Constatam que os resultados para as pessoas com “doença mental grave” pioraram nos últimos 50 anos e que as pessoas com esquizofrenia continuam a morrer até 25 anos mais novas do que os seus pares. Reconhecem múltiplas razões para esta disparidade crescente. No entanto, o seu artigo centra-se naquilo a que chamam a “miopia” da psiquiatria clínica:

“Sugerimos que as crenças e práticas quotidianas da psiquiatria clínica, tomadas como certas, sobre a doença e o tratamento psiquiátrico, têm estreitado a visão clínica, deixando os clínicos incapazes de apreender aspectos fundamentais das experiências dos pacientes”.

O artigo foi escrito por Joel T. Braslow e Jeremy Levenson da UCLA e John S. Brekke da USC.

Os autores começam por notar que ao longo da história da psiquiatria, os investigadores – e o público que atendem – têm exortado o campo a considerar mais do que apenas a suposta (e ainda não provada) base biomédica para “doença mental”. Por exemplo, eles citam um artigo de 1998 que elucidava a diferença da psiquiatria em relação a outras especialidades médicas: “Ao contrário dos cardiologistas, os psiquiatras são incapazes de passar diretamente da estrutura molecular de um órgão corporal para os resultados funcionais da ação desse órgão”.

A concentração avassaladora da psiquiatria em tentar compreender os fundamentos biológicos da “doença mental” (a sua “miopia”, nas palavras dos autores) desviou a atenção das causas conhecidas, bem pesquisadas e óbvias da “doença mental grave”. Por exemplo, enquanto os testes genéticos ainda não demonstraram qualquer utilidade clínica para classificar ou prever “doença mental”, experiências de vida como trauma, abuso, privação, pobreza, e dor são muito melhores para prever se se vai receber um diagnóstico psiquiátrico.

Os investigadores escrevem: “Ao confundir as partes com o todo, a psiquiatria clínica tem ajudado e incentivado a alienação social; o abandono social, médico e psiquiátrico; e a negligência infligida àqueles com doença mental séria durante o último meio século”.

Quixotesticamente, os autores sugerem então que a psiquiatria está muito bem encaminhada: “Nada inerente ao paradigma biomédico impede um entendimento tão amplo”, escrevem eles – apesar da própria palavra “biomédico” (“relativo tanto à biologia como à medicina”) excluir os níveis sociais e societários de entendimento. Ele podem ter tido a intenção de afirmar que o “paradigma da saúde pública” pode ser consistente com as mudanças sociais e societárias.

Braslow, Brekke, e Levenson não têm respostas concretas para este paradoxo, mas propõem um ideal pelo qual lutar:

“Uma abordagem empiricamente baseada e integradora dará aos clínicos a justificação científica e o imperativo ético de insistir que os desabrigados e o encarceramento são inaceitáveis, quer como locais para alegados tratamentos, quer como resultados para aqueles com Doença Mental Severa”.

Não é claro o que é essa “abordagem empírica e integradora”; os autores não especificam. Acrescentam eles:

“Um olhar clínico mais amplo irá lembrar-nos que um tratamento responsável requer mais do que a prescrição de uma única modalidade, como um fármaco psicotrópico, mas que, em vez disso, aborda múltiplos níveis de fatores que interagem, incluindo famílias, situações de vida, redes sociais, e o que torna a vida dos pacientes significativa”.

Também não é claro como é que os psiquiatras podem abordar o problema dos sem-abrigo, a pobreza, a vida familiar, e as redes sociais. Braslow, Brekke, e Levenson não fornecem indicações concretas para tal. Mas como uma declaração visionária de valores, isto pode ser considerado uma mudança de paradigma para o campo.

****

Braslow, J. T., Brekke, J. S., & Levenson, J. (2020). Psychiatry’s myopia—Reclaiming the social, cultural, and psychological in the psychiatric gaze. JAMA Psychiatry. Published Online: September 9, 2020. DOI: 10.1001/jamapsychiatry.2020.2722 (Link)