Repensar a Prevenção de Suicídios: Entrevista com Jennifer White sobre Estudos Críticos de Suicídios

0
269

Jennifer White é uma dos fundadores da Critical Suicidology Network, uma rede internacional em expansão de estudiosos interessados em explorar alternativas às abordagens biomédicas para a prevenção do suicídio. A Critical Suicidology reúne pessoas com experiência de vida, profissionais da saúde mental, investigadores e ativistas “para repensar o que significa estudar o suicídio e estabelecer práticas de prevenção do suicídio de formas mais diversas e criativas, menos psico-cêntricas e menos despolitizadas“.

Ela é professora na Escola de Cuidados Infantis e Juvenis da Universidade de Victoria, em British Columbia, Canadá. Tem trabalhado como conselheira, educadora, investigadora e advogada. White serviu durante sete anos como diretora do Centro de Prevenção de Suicídios no Departamento de Psiquiatria da Universidade de British Columbia.

Escreveu numerosos artigos e capítulos de livros sobre suicídio e automutilação e foi coautora de dois livros: Cuidados com crianças e jovens: Perspectivas críticas sobre pedagogia, prática e política (2011), e Suicidologia Crítica: Transformar a investigação e a prevenção do suicídio para o século XXI (2016). A sua investigação atual centra-se no discurso contemporâneo da prevenção do suicídio dos jovens, procurando alternativas a abordagens de modelo único.

Está neste momento a liderar um projeto Wise Practices for Life Promotion financiado pela First Nations and Inuit Health Branch (FNIHB) of Health Canada. Este projeto procura tratar de uma série de práticas sensatas para a promoção da vida baseadas no que já está a funcionar e/ou a mostrar ser promissor nas comunidades das First Nations em todo o país. Está também a realizar um estudo com conselheiros familiares para aprender mais sobre os desafios e oportunidades que enfrentam na prevenção do suicídio de jovens e as condições organizacionais que os apoiam para serem mais eficazes no seu trabalho.

Transcrevemos alguns trechos da entrevista que consideramos que ajudam a melhor compreender o seu conteúdo.

Samantha Lilly: Os jovens com experiência concreta de suicídio são frequentemente ignorados ou tratados como se os seus pensamentos fossem tolos ou impróprios para a sua situação. Você pode falar-me dos estudos sobre suicídio juvenil tal como existem no âmbito dos entendimentos gerais da suicidologia juvenil?

Jennifer White: Penso que herdámos um quadro adulto para pensar no suicídio em geral, que aplicamos aos jovens. Isso baseia-se frequentemente, como se diz, na ideia de que os jovens são frágeis e não podem tomar decisões em seu próprio nome. Muitas vezes, as nossas intervenções podem tornar-se bastante paternalistas. Existe uma ligação entre esta dinâmica e a tendência para aplicar um quadro mais colonial quando se pensa no suicídio indígena.

Tenho estado certamente empenhada em esforços de prevenção de suicídios de jovens como este. Logo no início da minha carreira – provavelmente há 30 anos – íamos às salas de aula e entregávamos um pacote muito estilo ´standard´: aqui estão os sinais de aviso, aqui estão os fatores de risco etc. Memorizem estas coisas.

Havia um sentido muito bem delineado do que era permitido dizer, do que não era permitido expressar, e dos tipos de perguntas que eram permitidas. Havia uma narrativa muito clara: “Se você é suicida, você não quer realmente morrer”. Precisa de obter ajuda de um adulto de confiança, e este adulto de confiança irá conectá-lo com um profissional ou um perito que irá então intervir”.

Em alguns casos, isso é provavelmente a salvação de vidas para alguns jovens. Nunca fui de dizer que essas coisas não funcionam para ninguém. Mas aquilo com que tenho tido  problema é a sugestão de que essas são as únicas formas de oferecer ajuda. Sabemos que muitos jovens não recorrem aos serviços formais de saúde mental. Mesmo que apareçam e obtenham ajuda, não ficam por conosco por muito tempo. Por isso, penso que é importante que tenhamos toda uma série de coisas para oferecer, um mapa sobre as necessidades do jovem na hora e o seu próprio sentido do que vai ser útil, sem que nós o pré-determinemos.

 

Lilly: Que danos surgem quando um modelo de dimensão única é aplicado aos jovens?

White: A prevenção do suicídio está muito enraizada num paradigma de risco. Todas as pessoas costumam lidar com este registro de risco e patologia. Vemos isso na forma como falamos de fatores de risco e “riscos baixos, médios e altos”, e há certos protocolos a seguir quando as pessoas se enquadram nestas categorias de risco. Mas, é claro, as pessoas são muito mais do que fatores de risco.

De certa forma, estas abordagens podem desumanizar as pessoas e criar distância em relação às próprias pessoas que poderiam ser de maior ajuda. Devido a todo o medo e ansiedade ligados ao tema do suicídio, os adultos bem intencionados sentem muitas vezes medo quando o assunto é abordado na conversa. Depois recebemos este tipo de mensagem: “Se alguma vez se preocupar com alguém, ligue para o 911. Ou vá para o hospital”.

Assim, penso que alguns dos seus limites são que estes scripts – jovens como pacotes de fatores de risco que precisam de ser tratados por outro. Tornam-se objetos sobre os quais se deve agir ou sobre os quais se deve intervir.

Penso que se arrisca a própria possibilidade de criar uma união relacional onde se pode ter uma conversa honesta e aberta sobre o que está a levar alguém a sentir que não quer viver mais.

O que está a acontecer? Vamos tentar compreender isso. Mas colocamos essa categoria em alguém, e depois passamos ao modo de gestão de crises, e por vezes essas estratégias podem ser bastante coercivas. As pessoas não querem estar num hospital. As pessoas não querem que as suas liberdades lhes sejam retiradas em alguns casos.

 

Lilly: Parece que este formato único serve a todos os jovens suicidas através de um sistema, e o funil pode não lhes servir. Poderíamos estar a empurrar pessoas – empurrando uma chave redonda para um buraco quadrado. Como um dos líderes em Estudos Críticos de Suicídio, pode falar um pouco sobre como este pensamento crítico sobre suicídio e a susceptibilidade ao suicídio pode alterar aquele funil ou torná-lo adequado a mais pessoas?

White: Penso que a sua metáfora do funil é uma boa imagem.

Penso que é isso que acontece porque há tanta ansiedade sobre o tema e como as pessoas são profissionalmente treinadas para lidar com ele que existe esta ilusão de controle, que nós sabemos o que fazer. Sentimo-nos como: “OK, alguém é suicida…eu sei o que fazer”. Sei que os avalio como sendo de alto risco, e depois nós enviamo-los para outro profissional ou para um tipo mais intensivo de contexto de tratamento”.

Em estudos críticos de suicídio, estamos a tentar interromper o pensamento sobre as pessoas em termos do seu risco para as vermos como mais do que os seus fatores de risco. Isto faz parte do que se está a passar.

Trata-se também de situar a sua angústia num contexto. O que a principal ênfase da suicidologia frequentemente abraça é o contexto da experiência da angústia e do sofrimento. Ela anula a sua interioridade – os seus sentimentos, as suas histórias, e as suas intenções.

Nós, na população em geral, temos muito cuidado em perguntar: “você está pensando em suicídio? Há quanto tempo pensa sobre isso? Como é que se vai suicidar”? Temos todas estas técnicas que aprendemos para avaliar o risco, que ignoram toda uma parte da humanidade e da experiência de uma pessoa. Por vezes, isso pode levar as pessoas a sentirem-se inauditas e incompreendidas.

Por outro lado, não quero nunca sugerir que estas coisas não possam ser úteis. Mas para algumas pessoas, para alguns jovens, parece que é um encerramento de possibilidades – de formas de ser humano. Porque, de certa forma, indica que as pessoas não querem falar de suicídio. Matar-se não é uma opção, e não há coisas que não possamos sequer explorar juntos sobre essa opção. Temos de estar constantemente a redirecioná-lo para a vida, para que viva.

Muitas pessoas estão a escrever sobre isto. Há esta exortação a viver e este requisito de viver que muitas vezes também não questionamos na prevenção do suicídio. Pensamos, sim, que todos devem viver. Penso que é bom interromper isso e perguntar: “queremos começar a partir daí, ou queremos começar por outro lado? Será o suicídio uma parte da vida?”

Outras coisas externas à pessoa podem estar a contribuir para a angústia. Por vezes, quando se reanima ou se repensam o que está a causar a pressão ou a angústia, as pessoas podem sentir que há coisas que estão a enfrentar que não são da sua própria autoria. Isso pode, por vezes, ser bastante útil. Pode dar-lhe um pouco de espaço para pensar: “Oh, não sou eu, necessariamente, esse é o problema”. Eu sou apenas uma parte deste problema”.

Há aqui todo um contexto! Dá espaço para práticas de solidariedade, para o envolvimento de outras comunidades, para o ver como um local de resistência contra a injustiça.

Há muitas formas de pensar o suicídio, para além de ser uma forma de patologia. Pode ser uma questão. Pode ser uma recusa. “Recuso-me a viver sob estas circunstâncias”. Há muitas formas de pensarmos no suicídio que o caracterizam como uma condição psicopatológica.

 

Lilly: Muitas pessoas em casa podem pensar, por uma boa razão: “Não queremos dar aos nossos jovens a ideia errada, de que o suicídio é um ato de protesto”. Talvez uma das questões-chave da suicidologia crítica seja: E se eles fossem “doentes mentais”? E se eles estivessem apenas deprimidos? Não poderão ser salvos? Como se responde a este tipo de perguntas?

White: Fico contente por você ter perguntado porque penso que ajuda a reforçar que não quero chegar a uma situação em que seja isto ou aquilo. O suicídio é múltiplo. É constituído com os nossos contatos, as nossas relações com outras pessoas, e as nossas histórias.

Não quero entrar num padrão em que dizemos: “Bem, a grande maioria da suicidologia pensa desta forma, e nós temos a resposta”. Ou: “Se estivéssemos apenas a pensar desta forma, resolveríamos o problema”.

Penso que o que estamos a tentar fazer é criar mais possibilidades e mais espaço para formas criativas de compreender o suicídio, para que haja toda uma infinidade de formas que possamos pensar sobre isso.

Os jovens com sintomas de depressão são encorajados a obter ajuda numa clínica de saúde mental. Eles obtêm ajuda através de Terapia Cognitivo-Comportamental ou Terapia Behaviorista, que são frequentemente pensados como práticas baseadas em provas, e beneficiam. Não tenho qualquer problema com isso. Penso que isso é ótimo! É ótimo que as pessoas estejam a receber ajuda, e isso é satisfazer as suas necessidades. Mas penso que há muitas pessoas para quem essas práticas não funcionam, e elas não se sentem como se isso fosse um bom ajuste.

Vou dar-lhe um exemplo de alguém com quem falei recentemente e que fazia parte de um grupo, e ela continuava a dizer: “Quero mais da vida do que apenas estar em segurança”. Havia um foco constante no seu “plano de segurança”.  Era-lhe constantemente pedido que criasse um plano de segurança para assegurar às pessoas que estava “segura”. E, dizia ela, “há mais na vida do que apenas uma vida segura”. Este é um exemplo em que algumas das nossas ferramentas e instrumentos que pensamos estarem a ajudar as pessoas a permanecerem vivas, para ela, é como eles estivessem a diminuir a ideia do que é possível para a vida que ela queria levar.

Para responder à sua pergunta, podemos continuar a pensar em possibilidades que expandam as nossas noções do que conta como uma vida habitável. Podemos continuar a envolver os jovens em conversas significativas sobre isso.

Penso que também podemos dizer que o que temos estado a fazer até agora não está claramente a funcionar. As taxas de suicídio estão a subir em muitos lugares, incluindo nos estados onde anteriormente se encontravam estáveis. Não vemos declínios significativos, apesar de todos os esforços que temos feito em matéria de prevenção. Penso que também abre possibilidades de pensar de forma diferente sobre o suicídio

.

Lilly: Estou-lhe grato por ter mencionado este tipo de criação de uma nova imagem ou expansão de como a prevenção do suicídio pode parecer e como o nosso pensamento sobre o suicídio pode mudar. Relativamente à Rede de Estudos Críticos sobre Suicídios, você pode dar-nos uma breve visão geral de algum do trabalho que você e os seus colegas estão a fazer em todo o mundo?

White: Há estudiosos em todo o mundo que estão desencantados com a abordagem dominante da prevenção do suicídio, e estão à procura de alternativas. Penso que uma das coisas de que não temos falado muito, mas é importante mencionar é a inclusão de pessoas com experiência de vida.

Isso é algo em que os Estudos Críticos de Suicídios estão empenhados, e queremos ter cuidado ao pensar nas pessoas em termos destas categorias de identidade. Podemos entrar nesta armadilha de pensar, “bem, eles são profissionais, e são investigadores, e são conselheiros etc.”. As pessoas podem ter múltiplas identidades.

Saímos também com uma declaração de ética que queríamos fazer circular para receber contribuições numa conferência que devíamos ter aqui em Vancouver em junho (foi cancelada devido à pandemia da COVID-19). Perguntava-se, o que significa a ética nos estudos críticos de suicídio? Como é que queremos trabalhar?

Temos muito em conta o contexto político das pessoas, as formas de opressão e as identidades interseccionais. Reconhecemos explicitamente que algumas pessoas, apesar do desejo de outras de estarem vivas, continuarão a escolher a morte. Escrevemos esse direito na declaração ética, o que me parece importante.

Quanto aos meus colegas, há muitos exemplos de pessoas que fazem um trabalho incrível nesta área, quer se trate de suicídio de jovens homossexuais, suicídios severos, ou de críticas psicocêntricas ao suicídio.

No meu próprio trabalho, neste momento, estou a fazer um estudo onde estou a entrevistar conselheiros que trabalham com jovens que têm acesso a serviços de saúde mental por causa do suicídio. Estou a tentar obter as narrativas dos conselheiros sobre a abordagem padrão que a sua organização e instituição esperam deles.  Então, perguntando, que outros métodos estão eles também a utilizar ao mesmo tempo?

Cada um deles tem esta forma de falar sobre a sua prática: “Bem, aqui está o padrão, o que é suposto eu fazer, e depois há esta outra coisa que estou a fazer”. Estes passos adicionais são menos formais, menos públicos, e tinham uma espécie de qualidade crítica para eles. Trabalhavam com os jovens de formas que desafiavam algumas destas normas em torno do que conta como uma vida que vale a pena, por exemplo.

Eles estavam a respeitar as normas e a fazer o que é necessário – cumprindo as normas de cuidado de uma forma boa e ética – mas há outro nível de prática onde eles estão a trabalhar, penso eu, de uma forma que está a chegar a algumas destas conversas críticas com os jovens. Fazem diferentes tipos de perguntas que não posicionam os jovens como pessoas frágeis e desacreditadas, mas sim como pessoas capazes. E os conselheiros descobrem que existem lugares de solidariedade que podem relacionar-se com eles. É uma forma de reelaborar artisticamente as conversas, convidando os jovens para uma conversa em vez de agir sobre eles.

 

Lilly: Quais são alguns exemplos destas questões que convidam à autonomia do jovem que estes clínicos e conselheiros perguntam?

White: Como os jovens estão a chegar para aconselhamento, eles são capazes de ver que há uma parte deles que está a querer obter ajuda. Por vezes é que querem os seus pais fora das suas costas, por isso estão dispostos a vir. Os conselheiros trabalham arduamente para compreender quais são os seus objetivos para e compreender que tipo de vida gostariam de viver.

Parte disto resulta de muita terapia narrativa onde se pode fazer perguntas como: “Com a sua tentativa de suicídio, o que é que está a tomar uma posição contrária? Aqui, se está fazendo uma pergunta relacionada com valores. Pode revelar que eles se preocupam com algo neste mundo em que estão a viver neste momento que não está para vir. Abre a possibilidade de um tipo diferente de conversa quando se faz essa pergunta em vez de: “Quando tentou matar-se pela última vez?” ou “Como tentou matar-se pela última vez?”.

Mais uma vez, não estou a dizer que este tipo de perguntas não seja útil. Mas elas podem tornar-se bastante previsíveis para os jovens. Estão um pouco fora de moda porque já lhes perguntaram muitas vezes se tinham consultado os conselheiros. É a linha padrão de interrogatório.

Muitos jovens dirão: “temos de passar por essas perguntas novamente?”. Podemos simplesmente continuar com elas?”. Algumas dessas conversas precisam de ser novas e oferecer uma maneira diferente de pensar sobre si próprios e sobre o mundo.

 

Lilly: Como aconselharia os pais a falar com os seus filhos sobre suicídio se o seu próprio filho é suicida, ou se estão a perguntar sobre suicídio e o que significa isso? Se houvesse um suicídio no seu grupo de amigos ou na escola, como aconselharia um dos pais a abordar o suicídio de uma forma que encoraje a compreensão do contexto e reduza a natureza “obsoleta” da conversa?

White: Estou sempre interessado neste tipo de conversas que são motivadas pela curiosidade e pelo questionamento honesto sobre o que se passa com alguém sem deixar a ansiedade tomar conta do assunto. Penso que isso é o mais difícil para os pais e para as pessoas que se preocupam com os jovens, porque o seu medo e ansiedade levam vantagens sobre eles.

Por vezes o medo fecha a possibilidade de curiosidade e de uma conversa gerada de forma colaborativa. Quando os jovens sentem que “isto é alguém com quem eu posso realmente ter esta conversa aberta”, é quando alguém pode reconhecer que o suicídio é uma possibilidade e que faz parte da nossa existência humana ter pensamentos de morte e suicídio.

Muitas pessoas suicidas dirão que através de conversas e reflexões com outra pessoa, chegam por vezes ao desejo de viver novamente. Não é uma técnica. É que, por vezes, quando nos é dada permissão para expressar honestamente o que estamos a sentir, podemos chegar a alguns entendimentos diferentes para nós próprios.

 

Lilly: Pode compartilhar o seu pensamento atual sobre os debates sobre se o suicídio é um problema?

White: Penso que o meu próprio pensamento evoluiu tanto ao longo da minha carreira. Há mais de 30 anos que trabalho na prevenção do suicídio. Comecei de uma forma muito tradicional, fazendo coisas pelo livro, produzindo documentos baseados em evidências, e transmitindo conhecimentos a partir deste “lugar de especialista”. Já o fiz.

O meu próprio questionamento surgiu através do meu trabalho com os jovens, vendo que nem sempre foi isto que me parecia útil. Nem sempre me senti como se fosse uma conversa útil. De certa forma, posicionava-os de uma forma que eu não me sentia bem – eu era o perito, e dizia-lhes o que deviam e não deviam fazer.

Assim, aceitei a ideia de que, sim, todos os suicídios deveriam ser evitados. Aceitei que o suicídio era um problema que devia ser impedido, e não tenho a certeza de ter deixado de pensar que é uma preocupação.

Penso que o sofrimento com que estou preocupado está ligado ao suicídio. Pergunto-me se existe uma resposta diferente que possamos dar a este sofrimento que pode ser diferente da prevenção. A prevenção tem esta qualidade de parar, desautorizar, intervir, e talvez haja outras formas de a enquadrar.

Se pensarmos em responder ao suicídio como um convite, como uma abertura à possibilidade, então, quando as pessoas fazem uma tentativa de suicídio, somos chamados a responder com curiosidade, a envolvermo-nos em algum tipo de criação conjunta de sentido sobre o seu significado. Não posso assumir que sei o que significa, e não vou inseri-lo numa categoria pré-determinada.

Estes gestos dirigem-se ao tipo de mundo do qual quero fazer parte, em que reconhecemos a humanidade uns dos outros, e nos vemos uns aos outros. Não vamos colocar as pessoas em categorias, assumindo que sei quem são, sem sequer ter uma conversa com vocês. Trata-se também de mudar as estruturas e o contexto e as formas de violência colonial, racismo e transmisoginia – todas as coisas que sabemos que levam muitas pessoas a sentir-se angustiadas e a sofrer.  Temos de trabalhar em todos esses ângulos.

 

Lilly: O que é que os Estudos Críticos de Suicídios têm para oferecer sobre o momento cultural atual no que se refere ao suicídio?

White: Penso que é importante dizer que os Estudos de Suicídios Críticos devem virar o olhar crítico para nós próprios. Temos de ser constantemente reflexivos sobre o que estamos a fazer e os efeitos do nosso trabalho.

Escrevi recentemente algo sobre a necessidade de incluir pessoas do Sul Global e pessoas Negras e Indígenas nestas conversas. É um passo importante que temos de dar para que não continuemos a replicar um eurocentrismo ocidentalizado neste trabalho – muitos dos recursos teóricos utilizados pelos estudiosos dos Estudos Críticos do Suicídio são de estudiosos ocidentais.

Penso que temos trabalho a fazer. Penso que temos de estar constantemente a problematizar para onde precisamos de ir e como precisamos de ser responsáveis. Não é definitivamente um arranjo perfeito, e penso que precisamos de estar constantemente em movimento e a pensar sobre o que precisamos de fazer para sermos responsáveis.

[Originalmente publicado no MIA. Trad. e edição de Fernando Freitas]

Artigo anteriorO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SOB ATAQUE: A REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRA NO FRONT
Próximo artigo“Miopia da Psiquiatria:” Como a Psiquiatria Contribui para os Resultados Psiquiátricos
Samantha Lilly
Samantha Lilly traz a sua formação em filosofia, bioética e justiça social para o seu trabalho como suicidóloga crítica, com a crença de que a suicidologia, no seu melhor, é um trabalho de justiça social. Antes de iniciar um doutoramento em Saúde em Ciências Sociais na Universidade de Edimburgo, Sam recebeu uma bolsa Thomas J. Watson Fellowship. O seu projecto, "Understanding Suicidality Across Cultures", deu-lhe o privilégio de trabalhar ao lado de especialistas em ética, académicos e defensores dos direitos nos países da Benelux, Lituânia, Argentina, Aotearoa, e Indonésia. A investigação actual da Sam dedica-se a trazer metodologias feministas e descoloniais para a prevenção do suicídio.