Antidepressivos ainda associados ao aumento do risco de suicídio

Vieses e conflitos financeiros nas pesquisas com antidepressivos "contribuem para a subestimação sistemática do risco na literatura publicada".

0
141

Uma nova metanálise de estudos observacionais, incluindo 1,45 milhões de indivíduos, descobriu que os antidepressivos ainda estão associados ao aumento do suicídio. Embora isto tenha sido em grande parte motivado por descobertas de antidepressivos não-ISRS como a venlafaxina, bupropiona, e mirtazapina, os investigadores descobriram que o enviesamento de publicações e pesquisas com um conflito de interesses financeiro (fCOI) também contribuem provavelmente para a subestimação dos estudos de risco e ISRS são especialmente propensos a estes enviesamentos.

“A exposição a antidepressivos da nova geração está associada a um maior risco de suicídio em pacientes adultos com depressão e com outras indicações de tratamento. O viés de publicação e o fCOI provavelmente contribuem para a subestimação sistemática do risco na literatura publicada”, escrevem eles.

O estudo foi conduzido por Michael Hengartner, Simone Amendola, Jakob Kaminski, Simone Kindler, Tom Bschor, e Martin Plöderl e publicado no Journal of Epidemiology and Community Health.

Public Domain

Os defensores do uso de antidepressivos sugerem que uma das suas principais funções é a de proteger contra o suicídio. Se as drogas pudessem salvar vidas, isso seria um argumento substancial a seu favor. Contudo, as provas são, na melhor das hipóteses, pouco claras. Estudos têm encontrado resultados inconsistentes, sendo que muitos sugerem que as drogas aumentam efetivamente o suicídio, especialmente em crianças e jovens adultos. Contudo, alguns estudos encontraram resultados pouco claros, sugerindo que os fármacos podem não aumentar ou diminuir o suicídio.

Em um outro estudo recente, Simone Amendola, Martin Plöderl e Michael Hengartner analisaram as taxas de suicídio a longo prazo em vários países. Verificaram que as alterações na taxa de suicídio não correspondiam às épocas em que grande número de pessoas começou a usar antidepressivos.

Contudo, a maioria destes estudos foram limitados por serem ensaios controlados aleatoriamente (RCTs), que muitas vezes excluem deliberadamente pessoas que já experimentaram suicídio e pessoas com outras condições com comorbidades, tais como o uso de substâncias. Assim, alguns investigadores argumentam que estes estudos não representam com precisão os pacientes realmente vistos na prática da vida real.

Devido a isto, estudos observacionais podem fornecer melhores provas sobre se os antidepressivos reduzem – ou aumentam – o risco de suicídio na vida real. Os estudos deste tipo são grandes e incluem pessoas observadas na prática clínica real, o que os torna importantes para testar a validade dos resultados dos RCTs.

De acordo com Hengartner et al., a última metanálise que incluiu estudos observacionais foi publicada em 2009, incluiu apenas oito estudos com cerca de 200.000 participantes, e não incluiu antidepressivos não-ISRS como venlafaxina, bupropion e mirtazapina. Este estudo também não conseguiu controlar o enviesamento de publicações e o enviesamento de estudos financiados pela indústria farmacêutica (fCOI).

Esse estudo de 2009 concluiu que o risco de suicídio era quase o dobro nos adolescentes que tomavam ISRSs, mas que as drogas reduzem efetivamente o risco de suicídio em adultos. No entanto, esse estudo foi limitado por um tamanho menor, não controlando os vieses, e não incluindo todos os medicamentos que são considerados antidepressivos.

Agora Hengartner et al. atualizaram esse estudo, incluindo 27 estudos com 1,45 milhões de participantes, entre os quais antidepressivos não-ISRS e antidepressivos utilizados para outras indicações que não a depressão, e controlando enviesamentos como publicações seletivas e estudos patrocinados pela indústria farmacêutica.

Descobriram que os antidepressivos estavam associados ao aumento do risco de suicídio em adultos, bem como em adolescentes. Além disso, mesmo considerando apenas os ISRSs estes não reduziram o risco de suicídio – na melhor das hipóteses, o risco de suicídio permaneceu o mesmo.

“Ao contrário de afirmações de pessoas com destaque, não encontramos provas fiáveis de que os antidepressivos protejam contra o suicídio. Pelo contrário, parece que o uso de antidepressivos pode mesmo aumentar o risco de suicídio”.

Hengartner et al. também foram capazes de avaliar o efeito do viés de publicação e do fCOI nos resultados. Quando controlaram para estes enviesamentos, os resultados foram ainda mais fortes, e mesmo os ISRSs foram significativamente associados ao aumento do suicídio. Os estudos financiados pela indústria farmacêutica tinham muito mais probabilidades de encontrar taxas de suicídio mais baixas do que os estudos realizados por investigadores independentes. Os estudos que fazem com que os antidepressivos pareçam pobres têm muito menos probabilidades de serem publicados.

Eles escrevem: “Encontrámos ainda provas empíricas de enviesamento de publicação. Vários estudos com provas de maior risco de suicídio com antidepressivos de nova geração provavelmente permanecem inéditos. Assim, descobrimos que os estudos com fCOI referem estimativas de risco significativamente mais baixas do que os estudos sem fCOI”.

Uma prova fácil de identificar para este efeito é que, em média, estudos financiados pela indústria farmacêutica descobriram que os antidepressivos não tiveram qualquer impacto no risco de suicídio (razão de risco 0.96). Em contraste, estudos realizados por investigadores independentes descobriram que os antidepressivos duplicaram o risco de suicídio (razão de risco 2,02).

Em suma, eles escrevem que os seus resultados verificam o conjunto substancial de investigações que constatam que os antidepressivos aumentam o suicídio:

“Os nossos resultados são, portanto, consistentes com várias análises de sumários de segurança da FDA para ensaios sobre depressão aguda que revelaram um aumento do risco de suicídio com antidepressivos de nova geração como grupo relativo ao placebo. Um risco significativamente maior de eventos suicidas foi também demonstrado meta-analiticamente com ISRS em geral e especificamente com paroxetina em ensaios a curto prazo controlados por placebo. Os nossos resultados também correspondem a duas metanálises de ensaios de depressão a longo prazo, que constataram um aumento do risco de suicídio com qualquer antidepressivo”.

****

Hengartner, M. P., Amendola, S., Kaminski, J. A., Kindler, S., Bschor, T., & Plöderl, M. (2021). Suicide risk with selective serotonin reuptake inhibitors and other new-generation antidepressants in adults: a systematic review and meta-analysis of observational studies. J Epidemiol Community Health, Epub ahead of print doi:10.1136/jech-2020-214611 (Link)