Apoio às ideias capitalistas neoliberais está relacionado a solidão e a redução do bem-estar

0
449

Novas investigações abordaram a questão de saber se a ideologia neoliberal afeta o bem-estar dos indivíduos. Acrescentando à literatura que tem documentado os efeitos sociais e econômicos negativos da política neoliberal, Julia Becker, Lea Hartwich, e S. Alexander Haslam realizaram uma série de estudos para examinar se a saúde dos indivíduos é afetada de forma semelhante:

” Nós exploramos o argumento de que o neoliberalismo com a sua ênfase na responsabilidade pessoal e a sua desvalorização do apoio social e da solidariedade pode levar a sentimentos de solidão e de estar sozinho num sistema altamente competitivo.”

O seu artigo, publicado no British Journal of Social Psychology, representa a primeira investigação experimental, que examinou como a política neoliberal influencia o sentimento de desconexão social, solidão, competitividade, e bem-estar dos indivíduos. Resumem as suas conclusões:

“Apesar das sugestões de que esta filosofia política pode promover o bem-estar individual porque encoraja as pessoas a lutar pelo crescimento pessoal, descobrimos que, na realidade, parece ser prejudicial para a saúde porque pode criar uma sensação de desconexão dos outros, bem como estar em competição com eles, de forma a alimentar sentimentos de solidão e isolamento social.”

Becker e colegas identificam o neoliberalismo como uma ideologia predominante em numerosas partes do mundo. A característica central da ideologia neoliberal é a ênfase na organização das economias e sociedades em torno dos princípios do mercado livre, restringindo assim uma intervenção governamental e estatal. Estes princípios incluem a liberdade empresarial individual, responsabilidade, propriedade e comércio livre.

A afirmação de que os princípios do mercado livre são propícios ao progresso social e ao bem-estar dos indivíduos, um pressuposto central da ideologia neoliberal, tem sido debatida. Embora alguns estudiosos tenham argumentado que o neoliberalismo encoraja o crescimento e o esforço de autoatualização e felicidade, outros assinalaram que o neoliberalismo mina estes objetivos e corrói o sentido securitário e solidariedade das pessoas ao promover a concorrência.

Os investigadores reviram brevemente as formas como a desigualdade social é exacerbada pela ideologia neoliberal:

“Sob o neoliberalismo, as disparidades econômicas são vistas como reflexos precisos das diferenças no trabalho árduo e na meritocracia, e a era neoliberal tem visto um aumento correspondente da desigualdade.”

Os autores continuam:

De fato, tem sido argumentado que a desigualdade não é um resultado não intencional, mas ela própria uma característica importante da política neoliberal porque é suposto servir como mecanismo para aumentar a concorrência e a produtividade.”

O novo artigo de Becker e colegas complementa as provas existentes de que o neoliberalismo é prejudicial à vida comunitária ao comprometer a confiança e a coesão social, divorciando os indivíduos dos atributos de melhoria da saúde associados. Além disso, a sua investigação associa conclusões que sugerem que a competição interpessoal e a solidão podem aumentar as experiências de insegurança, ansiedade, stress e depressão das pessoas com o neoliberalismo:

“Por exemplo”, escrevem os autores, “a investigação demonstrou que uma concepção neoliberal da dívida pessoal como fracasso está associada ao aumento da ansiedade, depressão e pressão sanguínea.”

Becker e a sua equipe realizaram uma série de quatro estudos abrangentes, utilizando participantes da Alemanha, do Reino Unido e dos EUA, para explorar os efeitos da ideologia neoliberal sobre a saúde:

“…tanto quanto sabemos, os efeitos da ideologia neoliberal sobre variáveis como o isolamento social, a solidão e o bem-estar ainda têm de ser estudados. A presente investigação preenche esta lacuna ao tentar explorar se a ideologia neoliberal pode aumentar a solidão e os problemas de saúde associados.”

Em primeiro lugar, no estudo 1, examinaram dados populacionais num momento específico para explorar uma possível relação entre o neoliberalismo percebido e o bem-estar. Utilizaram várias medidas para avaliar as correlações entre o neoliberalismo percebido e a solidão, bem-estar e orientação política.

Os resultados obtidos permitiram-lhes sustentar a sua hipótese: o neoliberalismo gerou sentimentos de solidão que, por sua vez, afetaram negativamente o bem-estar dos indivíduos. Estes efeitos não foram explicados pela orientação política ou pela classe social dos indivíduos.

Em seguida, foi utilizado o seguinte desenho de investigação nos restantes três estudos que realizaram. Exercícios guiados pela imaginação testaram se uma exposição à ideologia neoliberal poderia causar estes efeitos psicológicos. Pediram aos participantes que visionassem uma sociedade futura com base numa descrição escrita fornecida.

Num grupo de participantes, a descrição articulou uma sociedade futura baseada em princípios neoliberais. No segundo grupo, a sociedade descrita baseou-se nos princípios da igualdade social. No grupo de controle, não foi fornecida qualquer descrição. Em vez disso, os participantes no grupo de controle foram instruídos a imaginar livremente uma sociedade futura.

Os estudos 2 e 3 examinaram o impacto da ideologia neoliberal na solidão e depois no bem-estar, respectivamente. Verificaram que os participantes na condição neoliberal relataram sentir-se mais sós do que os que se encontravam nas condições de igualdade social ou de controle, fornecendo “a primeira prova causal de que a ideologia neoliberal pode engendrar um sentimento de solidão”, afirmam Becker e a equipe. No estudo 3, descobriram que os participantes na condição neoliberal também endossaram um bem-estar inferior.

Além disso, observaram que os participantes que se identificaram como de esquerda tinham mais probabilidades de experimentar uma maior sensação de solidão devido ao neoliberalismo quando comparados com os participantes de direita. Os investigadores explicam por que estavam interessados em examinar a orientação política e a classe social:

“Isto porque é concebível que os efeitos do neoliberalismo são particularmente predominantes para aqueles que são de esquerda (porque rejeitam os sistemas neoliberais) e pessoas de classes sociais mais baixas (porque estão mais expostas ao impacto de uma sociedade de mercado livre em que não existe segurança social)”.

Finalmente, na quarta parte, os investigadores examinaram a concorrência e a desconexão social em relação à exposição à ideologia neoliberal. Verificaram que as pessoas na condição neoliberal relatavam níveis mais elevados de solidão, competição e desconexão social do que as que se encontravam em condições de igualdade social e controle. Estes indivíduos também apresentaram níveis de bem-estar significativamente mais baixos. Em contraste, estes indicadores de saúde não diferiam entre as condições de igualdade social e de controle.

Becker e colegas resumiram que a exposição ao neoliberalismo previa competição e desconexão. Por sua vez, a desconexão gerou a solidão e a solidão prognosticou um bem-estar inferior. Eles escrevem:

“Isto está de acordo com a nossa hipótese de que o neoliberalismo pode aumentar a solidão e os problemas de saúde, colocando os indivíduos uns contra os outros num ambiente competitivo e corroendo os laços sociais entre eles”.

Importante, em relação à orientação política, o neoliberalismo previu uma diminuição do bem-estar dos liberais, mas não dos conservadores. No entanto, os efeitos do neoliberalismo na solidão, explicados pelo aumento da concorrência e da desconexão social, foram endossados por todos.

Becker e colegas identificaram três grandes implicações das suas descobertas. Em primeiro lugar, esta obra acrescenta à literatura sobre determinantes sociais da saúde, demonstrando que a ideologia neoliberal representa um risco para a saúde dos indivíduos. Em segundo lugar, estas descobertas corroboram como o estar socialmente ligado pode ter efeitos curativos e protetores sobre a saúde das pessoas. Em terceiro lugar, estas novas descobertas “juntam estas duas linhas de investigação“, argumentam elas:

“…num mundo em que as pessoas estão cada vez mais conscientes dos custos relacionados com a saúde de uma crescente ‘epidemia de solidão’, pode ser tempo de alargar o nosso olhar crítico e refletir sobre até que ponto isto também é uma consequência do neoliberalismo”.

“No mínimo, ao tentarmos enfrentar esta epidemia, temos de estar atentos ao fato de que as suas causas podem ser tanto políticas como sociais e psicológicas”.

****

Becker, J. C., Hartwich, L., & Haslam, S. A. Neoliberalism can reduce well‐being by promoting a sense of social disconnection, competition, and loneliness. British Journal of Social Psychologyhttps://doi.org/10.1111/bjso.12438