Como Compreender as Mortes por Desespero Pode Mudar a Psiquiatria

Em JAMA Psychiatry, investigadores argumentam que um quadro de "mortes por desespero" requer um passo para além do diagnóstico psiquiátrico tradicional.

0
191

Dois investigadores internacionais, Lilly Shanahan da Universidade de Zurique na Suíça e William Copeland da Universidade de Vermont, publicaram recentemente um artigo de opinião na JAMA Psychiatry sobre a compreensão da psiquiatria em relação às “mortes por desespero”.

O termo “mortes por desespero” provém de uma hipótese publicada em 2015, segundo a qual o aumento da taxa de mortalidade prematura em indivíduos brancos de meia-idade, não hispânicos e com baixa educação, devido a suicídio, intoxicação por drogas e doença do fígado por alcoolismo, era uma manifestação de desespero em relação a circunstâncias sociais e econômicas desafiadoras.

Este quadro resultou em investigação em várias áreas diferentes, que revelou outras descobertas: há também uma mortalidade prematura crescente noutras populações demográficas; há outras causas de mortalidade prematura, tais como hipertensão ou diabetes; as causas de morte implicadas em mortes por desespero nem sempre levam à mortalidade prematura, e as tendências diferem consoante a região e o sexo. Isto complicou o quadro proposto.

Tem havido uma escassez de investigação sobre mortes por desespero dentro da psiquiatria, apesar do estudo de uma série de fenômenos semelhantes dentro do campo. Os autores propõem que as “mortes por desespero” têm-se tornado um problema cada vez mais omnipresente para as mortes relacionadas com estagnação econômica, desespero, dependência, capitalismo, e outras doenças relacionadas.

Sugerem a psiquiatria como uma disciplina ideal para estudar as mortes por desespero, embora isso exigisse ir além dos quadros tradicionais do diagnóstico psiquiátrico. Por exemplo, oferecem que a irritabilidade e o comportamento suicida poderiam ser estudados não apenas como sintomas de transtornos psiquiátricos, mas como síndromes dignas de consideração por si só.

Flickr

Para testar o quadro de morte por desespero, tomaram dados do Estudo Great Smoky Mountains, que sugere uma escala de desespero. A escala foi construída com base nas definições do DSM de transtorno disfórico, depressão grave, e sintomas isolados de desespero. Havia baixas taxas de mortalidade no estudo, por causa disso mediram os pensamentos e comportamentos suicidas e os problemas de drogas/álcool, que são hipóteses precursoras de mortes por desespero.

Encontraram uma associação entre o desespero e pensamentos e comportamentos suicidas posteriores, bem como o consumo ilícito de drogas, mas não o transtorno relacionado com o consumo de álcool. Mais amplamente, isto e a investigação psiquiátrica sugerem uma explicação mais complexa e com várias camadas da mortalidade e morbilidade psiquiátrica. Entretanto, as mortes por desespero são uma explicação muito estreita e uni-causal para a morte prematura, ignorando caminhos mais complexos para fenômenos mais complexos como as ECA, problemas de saúde física, vulnerabilidade neurobiológica, e políticas a nível macroeconômico que regulam estes processos.

Desenredar estes processos seria demorado e dispendioso, exigindo estudos longitudinais e uma cuidadosa consideração de como os fatores culturais, sociológicos e econômicos interagem com os fatores biológicos. Isto ajudará a ir além das abordagens reducionistas às mortes por desespero que a psiquiatria parece ansiosa por empreender. Também ajudará a abordar a realidade de que a morbilidade, a incapacidade e a mortalidade psiquiátricas são consideravelmente subestimadas, proporcionando à psiquiatria uma colaboração mais interdisciplinar e uma melhor compreensão do vasto fardo das doenças psiquiátricas.

“As mortes por desespero têm sido importantes para dar destaque à inversão dos ganhos na esperança de vida”, concluem os autores.

“A psiquiatria pode aperfeiçoar este quadro definindo e medindo a noção de desespero, ordenando as cadeias causais que o rodeiam, e infundindo as mortes de uma visão causal limitada do desespero com perspectivas biológicas. Ou no que lhe concerne, a psiquiatria beneficiaria com o aumento do seu foco nas tendências sociais para identificar grupos de risco e causas ao nível macro que poderiam ser alvo de intervenção e com o desenvolvimento de novos métodos para avaliar como a carga psiquiátrica se reflete com precisão nas estatísticas de deficiência e mortalidade. Uma integração de modelos psiquiátricos e populacionais proporcionaria uma oportunidade de enriquecer a psiquiatria muito para além das mortes por desespero e salientaria a necessidade de modelos conceituais que captem a complexa interação dos percursos sociais e biológicos para o suicídio e o uso problemático de drogas e álcool.”

****

Shanahan, L., Copeland, W.E. (2021). Psychiatry and Deaths of Despair. JAMA Psychiatry.Published online March 31, 2021. DOI: 10.1001/jamapsychiatry.2021.0256 (Link)