Pesquisadores propõem um modelo para lidar com o trauma coletivo na Palestina

O modelo olha para além das conceituações psiquiátricas redutoras para abordar na Palestina as causas profundas do sofrimento psíquico e suas formas de manifestação.

0
322

[Nota do Editor. A problemática dos “traumas” na população palestina, e como abordar em saúde mental, provavelmente tem a ver com o que se passa na sociedade brasileira. Muito em particular, nesses tempos de pandemia e como o Estado brasileiro vem agindo. O que há que aprender com a experiência do povo palestino, em décadas de história?]

A medicina ocidental fica muito aquém da compreensão das doenças induzidas por traumatismos de forma culturalmente apropriada às comunidades marginalizadas. Um estudo de caso sobre o trauma coletivo dos palestinos e os seus efeitos transgeracionais, realizado pelo epidemiologista Joshua Yudkin e os seus colegas, apoia o desenvolvimento do modelo abrangente de intervenção traumática comunitária (CCTIM). O seu artigo esboça um modelo, ao nível populacional, para o tratamento de traumas em comunidades vulneráveis em todo o mundo.

“As ‘melhores práticas’ do Ocidente que orientam o trabalho das equipes internacionais muitas vezes escapam às capacidades e táticas tradicionais, individuais e comunitárias,” escrevem Yudkin e os seus coautores. “Como resultado, existe a necessidade de se empregar uma abordagem orientada para uma equidade na investigação e trabalho em comunidades marginalizadas, de modo que os membros destas comunidades possam ter uma voz e ajudar para influenciar o processo de estabelecimento de prioridades.”

Work was created as part of a trauma therapy program following the seven-week conflict of 2014. (Palestine Museum US)

Saúde Mental Global tem sido rotineiramente criticada pela forma como uma informação é transmitida de países ocidentais centrados no indivíduo para culturas no Sul Global, onde tal informação pode não falar de forma significativa para o novo contexto. Instrumentos de diagnóstico e intervenções terapêuticas, incluindo as que se referem ao estresse pós-traumático, são tipicamente criados e validados nos países ocidentais e depois aplicados de forma aleatória noutros locais.

Os críticos têm levantado preocupações éticas em todo o panorama da saúde mental, argumentando que a insensibilidade cultural desta abordagem ameaça o sucesso das intervenções e pode mesmo prejudicar ativamente aqueles que mais necessitam de apoio. Especialmente considerando outras intervenções mais simples, como o apoio econômico, não está claro se estes pressupostos coloniais podem ser desvinculados do projeto global de saúde mental.

Yudkin, um investigador do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas, com colegas nos Estados Unidos e no território palestino, desenvolveu uma abordagem transdisciplinar a partir de um estudo de caso de trauma palestino que explora a relação entre o diagnóstico formal do Transtorno do Estresse Pós-Traumático (TEPT) e o contexto cultural. O seu artigo, publicado no Community Mental Health Journal, introduz um quadro teórico, o modelo abrangente de intervenção do trauma comunitário (CCTIM), para avaliar e curar o trauma ao nível coletivo na comunidade Palestina.

Os investigadores explicam que os palestinos lutam para afirmar a sua identidade e curar o seu “karamah” ferido, ou “dignidade”. São individual e coletivamente vítimas de uma história partilhada, discriminação e múltiplas formas de perseguição. Estas ocorrem a um nível comunitário. Por esta razão, enquanto coletivo, os palestinos mostram níveis crescentes do que é conceituado na prática psiquiátrica ocidental como TEPT.

No que respeita especificamente aos diagnósticos relacionados com o trauma, os investigadores da saúde global e a liderança médica Palestina negam a utilidade e aplicação do TEPT fora dos contextos culturais ocidentais. Os investigadores e prestadores de serviço palestinos confiam cada vez mais em medidas de bem-estar social e indicadores de qualidade de vida com relação aos diagnósticos psiquiátricos, utilizando um espectro de “condições favoráveis à doença” sobre o qual recai a maioria dos palestinos.

Para abordar a doença induzida por trauma, tanto o trauma quanto o contexto sociopolítico devem ser abordados num quadro de saúde pública. O modelo introduzido, CCTIM, tem uma base empírica e visa abordar o trauma comunitário em muitos níveis, proporcionando vantagens a curto e a longo prazo.

A CCTIM fornece três pontos de partida num modelo triangular: (1) abordar a causa raiz do trauma coletivo, (2) desenvolver parcerias estratégicas baseadas na investigação, e (3) implementar modificações no sistema de saúde. Permite a cura individual, mas concentra-se na população todo.

No que diz respeito à causa raiz do trauma, os autores argumentam que “ao abordar o trauma político ascendente, a incidência desta questão específica diminuiria significativamente, e os profissionais de saúde pública poderiam finalmente dar prioridade aos esforços de cura tanto ao nível coletivo como ao individual.”

As parcerias baseadas na investigação são outro pilar do modelo. Os autores escrevem que estas devem ser desenvolvidas entre instituições da população marginalizada e instituições ocidentais. No entanto, estas parcerias devem ser cultivadas sem recomendações prescritivas. Em vez disso, deve ser dada prioridade a dar agência e voz aos interessados locais que estão mais aptos a articular, como o estilo e as nuances locais, as necessidades dos seus ambientes de trabalho. Algumas delas já foram bem sucedidas em território palestino. Os investigadores sugerem que os conhecimentos adquiridos podem aplicar-se ou acelerar a disseminação de práticas úteis noutras comunidades marginalizadas.

Finalmente, os sistemas de saúde estão frequentemente entre as primeiras instituições a falhar durante um conflito. Normalmente não estão preparados para fornecer os serviços necessários para doenças induzidas por traumatismos em primeiro lugar. São necessárias modificações como política, prestação de cuidados de saúde, coordenação, e serviços centrados no doente para os palestinos cujo sistema limitado está agora com poucos recursos, dependente da OMS e da ajuda externa, assim como dominado pelo ‘modus operandi’ biomédico ocidental.

Orientado para a reabilitação na era da globalização, o quadro CCTIM emprega uma abordagem orientada para uma equidade, de modo a dar agência à liderança local de comunidades marginalizadas. O modelo promete recalibrar o equilíbrio de poder, incluindo e fortalecendo as vozes das comunidades marginalizadas. As intervenções holísticas podem proporcionar o acesso à cura através da narração de histórias, mostrando as limitações da compreensão ocidental da patologia, e colocando os responsáveis políticos e os sistemas de saúde em melhores posições para abordar as causas profundas do trauma.

****

Yudkin, J. S., Bakshi, P., Craker, K., & Taha, S. (2021). The Comprehensive Communal   Trauma Intervention Model (CCTIM), an Innovative Transdisciplinary Population-Level Model for Treating Trauma-Induced Illness and Mental Health in Global Vulnerable Communities: Palestine, a Case Study. Community Mental Health Journal. https://doi.org/10.1007/s10597-021-00822-9