Alternativas com o Mínimo de Medicamentos Necessários para a Psicose

Os pesquisadores questionam o uso de antipsicóticos a longo prazo e sugerem maior pesquisa e investimento em intervenções psicossociais.

0
333

Em um novo artigo de opinião em Psicose, a psicóloga Ruth Cooper da Universidade de Greenwich e seus colegas argumentam contra o uso a longo prazo de medicamentos antipsicóticos para psicose e esquizofrenia. Eles avançam então sua posição de que, dada a evidência atual, o Reino Unido deve explorar intervenções psicossociais e abordagens de medicação mínima para os pacientes.

Os medicamentos antipsicóticos são a primeira linha de tratamento nos EUA e no Reino Unido. As críticas acompanham o assunto ao longo da história e, mais recentemente, se tornaram mais fortes. Pesquisas recentes mostraram que as pessoas que deixam de tomar antipsicóticos tendem a se sair melhor a longo prazo e têm maior probabilidade de recuperação. Outras se concentraram nos numerosos efeitos adversos dos medicamentos, especialmente seus efeitos a longo prazo. Mais perturbador ainda, os antipsicóticos têm sido associados à atrofia cerebral em crianças e causam diminuição da espessura cortical em adultos.

Outras críticas vieram de pesquisas sobre a experiência das pessoas com os antipsicóticos. Os pacientes descrevem alguns benefícios, mas também um senso reduzido de auto-estima e de agência. A maior pesquisa até o momento observou que a maioria dos pacientes relatou consequências negativas de estar sob esses medicamentos. Consequentemente, houve um impulso para se desenvolver diretrizes sobre a retirada segura de medicamentos psiquiátricos, já que os efeitos da retirada de medicamentos antipsicóticos podem ser debilitantes.

Cooper e seus colegas começam citando as constatações da OMS de 1979 de que, quando se trata de psicose, as pessoas dos países mais pobres com menos acesso a medicamentos se saíram melhor do que as das nações ricas. Embora os antipsicóticos ajudem a reduzir os sintomas para alguns pacientes, eles podem ser ineficazes em outros e ter efeitos adversos significativos. Novas pesquisas sugerem que para cada 6 pessoas tratadas com antipsicóticos, 1 pessoa teve melhores resultados benéficos.

Há também inúmeras razões pelas quais os pacientes deixam de tomar os antipsicóticos. Os efeitos adversos podem incluir “aumento de peso significativo, diabetes, doenças cardíacas, distúrbios de movimento e mudanças estruturais no cérebro, incluindo redução do volume cerebral… sedação, letargia, embotamento emocional e disfunção sexual que podem ter um impacto adverso na qualidade de vida.”

Os pacientes podem ser coagidos ao tratamento, o que pode impedir a relação entre eles e o sistema de saúde mental, fechando as oportunidades de tratamentos psicológicos. Os autores escrevem que as diretrizes do NICE (National Institute for Health and Care Excellence) do Reino Unido apoiam a tomada de decisões compartilhadas entre os profissionais da saúde mental e os pacientes. Como a maioria dos pacientes mantém sua capacidade de decisão, eles têm o direito de escolher tratamentos alternativos se desejarem. Os autores escrevem:

“Dados os efeitos adversos dos antipsicóticos, a ineficácia para algumas pessoas e outros motivos para parar que estão descritos acima, os pedidos para parar ou não tomar esses medicamentos devem ser vistos como uma escolha legítima e não, como alguns clínicos podem supor, como ‘falta de discernimento'”.

Os autores também observam que os antipsicóticos se tornaram populares porque se pensava que reduziam as recaídas. Estudos também mostraram que parar os antipsicóticos de repente pode provocar psicoses espontâneas. Entretanto, embora isto tenha sido confundido anteriormente com recaída, agora se faz a hipótese de que é resultado da retirada da droga causada pela supersensibilidade à dopamina.

Assim, muitos pacientes querem deixar de tomar seus medicamentos, mas têm pouca orientação ou ajuda. Dada a ausência de diretrizes nacionais e a pressão sobre os profissionais da saúde mental para dar alta às pessoas, os profissionais muitas vezes não têm certeza sobre intervenções alternativas.

Sob a pressão dos usuários de serviços que desenvolveram seus próprios recursos para sair de drogas psiquiátricas, tais como “The Harm Reduction Guide To Coming Off Drugs” e “The Inner Compass Initiative”, a NICE pediu mais pesquisas sobre intervenções psicossociais. Mais recentemente, o Royal College of Psychiatry também publicou um conjunto de recursos e diretrizes para se retirar os antidepressivos, sinalizando um apoio construtivo para o movimento de desprescrição.

Os autores exploram a literatura em torno de abordagens de medicação mínima para psicose em todo o mundo. Historicamente, tem havido numerosos lugares onde abordagens de medicamentos mínimos e tratamentos psicossociais têm sido tentados – Soteria House nos EUA e Suíça, Kingsley Hall e Villa 21 no Reino Unido, e atualmente Open Dialogue na Finlândia (tratamento imediato às necessidades).

Estes locais ou não utilizaram antipsicóticos, ou minimizaram seu uso (atrasando-os por 6 semanas), ou utilizaram benzodiazepinas por um curto período. Eles se concentram em fornecer apoio emocional e prático e às vezes no processo e na experiência de psicose.

Cooper e seus colegas escrevem que há duas grandes revisões sistemáticas destas abordagens, primeiro por Calton e colegas em 2008 e outro por Cooper e Laxhman em 2020. Revendo 9 tratamentos psicossociais em 2.250 pacientes, a análise constatou que a maioria dos tratamentos, quando comparados ao grupo de controle antipsicótico, foram pelo menos tão eficazes quanto o grupo de controle – tanto na redução dos sintomas quanto na melhoria do funcionamento. Isto foi conseguido através de muito menos uso de antipsicóticos e sem evidência de maiores danos nos pacientes minimamente medicados. Entretanto, há muitas limitações com estes estudos promissores, como a ausência de pesquisa de alta qualidade, pequenas amostras e a exclusão de pacientes de alto risco.

Recentemente, um estudo australiano comparou, entre pacientes com psicose do primeiro episódio, um grupo antipsicótico com outro grupo que recebeu tratamento psicossocial intensivo (coordenação de cuidados, TCC, psicoeducação, intervenção familiar e monitoramento). Após 6 meses, e depois de 1 e 2 anos, nenhuma diferença foi encontrada entre os grupos. As taxas de desistência foram altas em ambos os grupos. Cooper e colegas escrevem:

“Apesar disso, o estudo fornece evidências preliminares de que um pacote intensivo de tratamento psicossocial, semelhante ao que já pode estar disponível nos serviços de intervenção precoce, poderia ser para alguns uma alternativa potencial para os antipsicóticos. Certamente se justifica um estudo mais amplo deste pacote de tratamento.”

Sob pressão dos usuários dos serviços, atualmente, em Vermont e em partes da Noruega, as instituições estabeleceram abordagens de medicamentos mínimos. A avaliação formal dessas iniciativas ainda não foi publicada.

Os autores observam que existem várias abordagens para alternativas a medicamentos (ou com o mínimo de medicamentos) que podem ser oferecidas aos pacientes que as preferem.

Primeiro, podem ser utilizados diferentes categorias de intervenções psicossociais, tais como “apoio emocional e prático, terapias da palavra e psicoeducação… ‘estar com’ pessoas que são ativamente psicóticas, de forma não intrusiva, atividades práticas, sociais e criativas, tais como exercícios, arte e terapia com animais, e apoio de pares de pessoas com experiência de vida.”

Em segundo lugar, alternativas como O Movimento dos Ouvidores de Vozes permitem que as pessoas vejam suas vozes como significativas e ajudam a incorporá-las em sua experiência de vida, trabalhando com as vozes.

Em terceiro lugar, é importante construir um melhor relacionamento com os membros da família e amigos que muitas vezes estão preocupados com recaídas; isto envolve incluí-los em compromissos e dar-lhes boas informações. Eles podem fornecer apoio essencial, e se não, então locais como a Soteria que proporcionam alívio de difíceis circunstâncias familiares. O uso a curto prazo de benzodiazepinas (menos de 1 mês devido às suas propriedades viciantes) pode aliviar alguma ansiedade.

Alguns podem se beneficiar de parar completamente o uso das drogas, enquanto outros podem se beneficiar mantendo doses mínimas. Boas informações sobre sintomas de abstinência, o reconhecimento e tratamento dos mesmos devem ser dadas aos pacientes e suas famílias.

Os autores concluem observando:

“Temos agora uma oportunidade de ouvir e responder aos usuários dos serviços e, como na Noruega e Vermont, os governos poderiam incentivar a provisão e a pesquisa de serviços com o mínimo de medicamentos para proporcionar às pessoas uma escolha genuína sobre seu tratamento. É necessária uma maior discussão, em consulta com os usuários do serviço, sobre os elementos-chave que tais serviços devem incluir.”

….

Cooper, R.E., Mason, J.P., Calton, T., Richardson, J. & Joanna Moncrieff (2021) Opinion Piece: The case for establishing a minimal medication alternative for psychosis and schizophrenia, Psychosis, DOI: 10.1080/17522439.2021.1930119 (Link)

Artigo anterior
Próximo artigoPesquisadores alertam sobre “Atrofia Cerebral” em crianças prescritas com Antipsicóticos
Equipe de Notícias da MIA Research: Ayurdhi Dhar é professora de psicologia na University of West Georgia, onde também concluiu seu Ph.D. em Consciência e Sociedade em 2017. Ela é autora de Loucura e Subjetividade: Um Exame Intercultural de Psicose no Ocidente e na Índia (a ser lançado em setembro de 2019). Seus interesses de pesquisa incluem a relação entre esquizofrenia e imigração, práticas discursivas que sustentam o conceito de doença mental e críticas de formas de conhecimento contextuais e a-históricas.