A Linguagem Estigmatizante nos Registros Médicos Impacta o Atendimento ao Paciente

Um novo estudo explora o uso de linguagem positiva e negativa por parte dos médicos nos prontuários médicos e as implicações para o atendimento ao paciente.

0
133

Um novo estudo publicado na JAMA Network Open explora a linguagem utilizada pelos médicos nos prontuários médicos dos pacientes. Os pesquisadores examinam como a linguagem tanto positiva quanto negativa nos prontuários médicos pode afetar a forma como os pacientes são tratados pelos profissionais médicos.

Eles encorajam uma maior consciência da linguagem estigmatizante nos prontuários médicos para reduzir as atitudes negativas em relação aos pacientes e aumentar os cuidados informativos e competentes. Os autores, liderados por Mary Catherine Breach, MD, MPH, da Universidade Johns Hopkins, escrevem:

“Os pacientes não são tratados igualmente em nosso sistema de saúde: alguns recebem uma qualidade de atendimento inferior a outros com base em sua identidade racial/étnica, independente da classe social. Outros, como adultos idosos e indivíduos com baixa alfabetização em saúde, obesidade e transtornos relacionados ao uso de substâncias, também podem ser vistos negativamente pelos profissionais de saúde de uma forma que impacta negativamente a qualidade de seus cuidados de saúde. O preconceito implícito entre os médicos é um fator que perpetua essas disparidades. O viés implícito é a ativação automática de estereótipos, que pode anular o pensamento deliberado e influenciar o julgamento de uma pessoa de forma não intencional e não reconhecida, e pode afetar as decisões de tratamento”.

Flickr

O preconceito implícito pode ser refletido através da linguagem utilizada pelos médicos, o que é preocupante, considerando que a linguagem tendenciosa tem mostrado afetar negativamente a qualidade do atendimento.

Por exemplo, em um estudo que investigou a linguagem estigmatizante versus neutra sobre um paciente hipotético com doença falciforme, os pesquisadores descobriram que a linguagem estigmatizante levou a atitudes negativas em relação ao paciente, o que, por sua vez, resultou no fornecimento de menos analgésicos ao paciente, apesar de suas informações clínicas serem as mesmas que as do paciente que foi introduzido de forma neutra.

Os pesquisadores conduziram uma análise qualitativa de 600 notas de encontro selecionadas aleatoriamente de um ambiente de medicina interna ambulatorial em um centro médico acadêmico urbano no estudo atual. Aproximadamente 507 pacientes foram escritos nas anotações, com os pacientes sendo predominantemente mulheres negras (80%) (69%).

Os pesquisadores examinaram a linguagem utilizada pelos médicos nas anotações, identificando tanto a linguagem positiva quanto a negativa como temas principais.

A linguagem negativa utilizada pelos médicos foi separada em 5 categorias: questionamento da credibilidade do paciente, desaprovação, estereótipo, paciente difícil, e tomada de decisão unilateral.

Os pesquisadores descobriram que os médicos questionavam a credibilidade de seus pacientes, quer implicando que eles sentiam que o paciente não era suficientemente competente para lembrar quer fornecendo informações precisas e duvidando da genuinidade de seus pacientes. Eles descreveram como “marcadores de dúvida”, tais como “supostamente”, ” alegações” ou “insiste”, e citações dos pacientes usadas em citações de medo foram empregadas pelos médicos como uma forma de indicar a incerteza sobre a credibilidade de seus pacientes.

A linguagem que indica desaprovação enfatizava o que os médicos percebiam como “raciocínio, tomada de decisões e comportamentos deficientes dos pacientes”. Os médicos transmitiram a desaprovação através de uma linguagem que utilizava qualificadores negativos como “infelizmente” e uma linguagem que implicava que eles tinham que se repetir repetidamente para o paciente, como, por exemplo, afirmando: “Eu expliquei novamente”. . .”

A linguagem negativa usada pelos médicos foi além do implícito e explícita quando os médicos estereotiparam pacientes com base na identidade racial ou classe social através do uso de citações de gramática incorreta ou do inglês afro-americano vernacular nas anotações dos pacientes. O preconceito racial demonstrou ter grandes implicações para o diagnóstico e tratamento de pessoas de cor.

Os médicos também retrataram seus pacientes como “difíceis”, por exemplo, apresentando-os como temperamentais ou ignorantes e expressando a frustração dos médicos. Além disso, os médicos usaram linguagem condescendente e emocional e citações para retratar seus pacientes de uma forma negativa.

Os pesquisadores forneceram exemplos do tema do “paciente difícil”, como por exemplo: “isto parece pacificá-lo”, e “ela não vai considerar tomá-lo porque ‘meu coração está bem, não quero que todos vocês mexam com meu coração'”.

Em sua discussão da categoria “tomada de decisão unilateral”, os pesquisadores destacam como a dinâmica de poder médico-paciente foi enfatizada neste tipo de linguagem, pois o paciente foi retratado como ignorante e infantil. Em contraste, o médico se retratou de forma paternalista ou com autoridade, usando uma linguagem como: “Eu a instruí…”. .”

Descobriu-se também que os médicos usavam uma linguagem positiva para descrever seus encontros com os pacientes. Os pesquisadores categorizaram a linguagem positiva em 6 grupos: elogios, aprovação, auto-divulgação, minimização de culpas, personalização e tomada de decisão colaborativa.

Os elogios incluíram o uso de adjetivos positivos, como “inspirador” ou “bondoso”, para descrever os pacientes e estavam freqüentemente no início das anotações.

Os médicos normalmente demonstravam aprovação dos pacientes em relação a suas dificuldades de superação ou sua participação ativa em seus cuidados.

Emoções positivas sobre os pacientes eram por vezes reveladas pelos médicos, como por exemplo, através de uma linguagem como “A paciente expressou sua gratidão pelos cuidados prestados nos últimos anos e expressou seus agradecimentos”. Eu… expressei minha gratidão também por ser uma paciente inspiradora”.

Em algumas notas, os médicos tentaram minimizar a crítica contra os pacientes por não seguirem seus planos de tratamento, promovendo a compreensão através da ênfase em desafios particulares ou barreiras que podem estar impedindo o paciente de se envolver plenamente em seus cuidados.

Tentativas de humanizar o paciente fornecendo detalhes pessoais sobre a vida do paciente da perspectiva do paciente, tais como hobbies ou entes queridos importantes, foram incluídas em algumas das notas de encontro.

A categoria final de linguagem positiva foi identificada como “tomada de decisão colaborativa”, o que contrasta com a categoria de tomada de decisão unilateral que se enquadrava no tema da linguagem negativa do médico. Enquanto a categoria de decisão unilateral indicava um médico paternalista tomando decisões de tratamento em nome de seu paciente, a linguagem na categoria de decisão colaborativa indicava que as decisões de tratamento eram tomadas em conjunto pelo médico e pelo paciente.

A psiquiatria demonstrou lutar para implementar decisões compartilhadas alimentada pela crença equivocada de que os pacientes não são suficientemente competentes para participar do processo de tomada de decisão.

A consciência da linguagem utilizada nos prontuários médicos é crítica. Com o surgimento dos prontuários eletrônicos de saúde nos Estados Unidos, que tornam os prontuários médicos disponíveis em todos os ambientes de saúde, a forma como as anotações são redigidas pode influenciar como outros profissionais médicos que lêem as anotações percebem como tratam seus pacientes.

Além de impactar negativamente a forma como os médicos percebem e tratam seus pacientes, a linguagem estigmatizante pode afetar negativamente a disposição dos pacientes para participar do tratamento. Se os pacientes têm interações negativas com os clínicos devido à linguagem estigmatizada utilizada em suas anotações, isso pode resultar em um ciclo de profecia auto-cumprida onde o paciente é percebido como “difícil” ou desengajado e tratado por profissionais médicos como tal, o que aumenta os sentimentos negativos do paciente, que então transfere experiências passadas negativas para outros clínicos.

Além disso, ambulatórios de medicina interna tendem a ser ambientes de alta tensão, o que pode levar a um viés implícito de ativação, frustração e burnout, o que, por sua vez, pode resultar no uso de linguagem negativa nas anotações do paciente como uma forma de os profissionais médicos desabafarem suas frustrações.

Os pesquisadores sugerem que abordar o estresse e a frustração inerentes a tais ambientes é fundamental para melhorar a linguagem usada nos prontuários médicos, além de trabalhar para tornar os médicos mais conscientes da linguagem que estão usando em suas anotações.

Os pesquisadores descreveram ter dificuldade em chegar a um consenso sobre se parte da linguagem usada nas anotações era negativa ou positiva – em parte devido a algumas das declarações serem percebidas como normais para a profissão médica. Eles deram o exemplo de como os médicos são frequentemente ensinados a escrever usando as próprias palavras dos pacientes em suas anotações, mas que na prática, citações de pacientes tendem a ser usadas como citações assustadoras, que são usadas para retratar uma atitude negativa, nos registros.

Elas também destacam as complexidades da linguagem positiva usada pelos médicos, particularmente elogios e louvores, pois o uso de qualquer linguagem emocional poderia levar a maiores disparidades no tratamento de pacientes, o que leva ao argumento de que os prontuários médicos devem usar apenas linguagem neutra. Além disso, elogios usados para grupos marginalizados como pessoas de cor podem refletir atitudes racistas que implicam que não se espera que pessoas de cor exibam traços como serem “agradáveis”.

Apesar das questões associadas ao uso de elogios e louvores nos prontuários dos pacientes, minimizar a culpa, a personalização e a tomada de decisão colaborativa são formas positivas de os profissionais médicos se engajarem em cuidados e atitudes centradas no paciente que promovam a dignidade e o respeito do paciente.

Uma grande limitação deste estudo foi que embora os pacientes pudessem acessar seus prontuários eletrônicos durante o tempo em que as anotações foram escritas, a maioria ainda não tinha se envolvido com o sistema eletrônico, indicando que a maioria dos médicos não tinha escrito as anotações com o entendimento de que os pacientes poderiam lê-las. Outra limitação foi que as anotações foram coletadas de um ambulatório de medicina interna em um centro médico acadêmico urbano, de modo que os resultados podem não ser generalizados para outros ambientes médicos. Além disso, não havia informações sobre a composição demográfica dos médicos, como idade, raça/etnia, etc., o que pode ter influenciado a forma como a linguagem era usada em suas anotações. Finalmente, os pesquisadores apontam para a natureza excepcional de seu trabalho, pois não puderam conhecer as atitudes dos médicos enquanto escreviam as anotações ou como os leitores as interpretavam.

Em sua conclusão, Breach e colegas enfatizam que o aumento da percepção e consciência de como os profissionais escrevem e lêem as anotações médicas é crucial para reduzir as disparidades de tratamento e aumentar o tratamento respeitoso dos pacientes. Eles sugerem que a pesquisa deve ser conduzida para explorar mais profundamente a freqüência com que a linguagem estigmatizante é usada, como ela muda dependendo do paciente e do clínico, ou a relação entre médico e paciente, assim como como a linguagem estigmatizante afeta os resultados gerais do tratamento.

****

Park, J., Saha, S., Chee, B., Taylor, J., & Beach, M. C. (2021). Physician use of stigmatizing language in patient medical records. JAMA Network Open, 4(7), 1-11. doi:10.1001/jamanetworkopen.2021.17052 (Link)

Artigo anteriorDrogas psiquiátricas Podem Reduzir as Capacidades Sociais e Emocionais
Próximo artigoPsicodélicos – A Nova Loucura Psiquiátrica
Ashley Bobak, MS Ashley Bobak é uma estudante de Doutorado em Psicologia Clínica Comunitária na Point Park University e possui um mestrado em Psicologia de Aconselhamento. Ela está interessada nas interseções de filosofia, história e psicologia e está usando essa interseção como uma lente para examinar a dependência química. Ela espera desenvolver e promover abordagens alternativas para conceituar e tratar a psicopatologia que mantenham e dignifiquem a dignidade humana.