Psicodélicos – A Nova Loucura Psiquiátrica

0
308

Os psicodélicos estão cada vez mais na moda, mas será que são algo diferente do que uma poderosa forma de óleo de cobra, ou diferente de uma experiência recreativa? Eles têm algum benefício objetivo para a saúde? Podemos ter certeza de que eles são seguros? Estas perguntas precisam ser respondidas urgentemente, pois o número de pessoas sendo seduzidas ou persuadidas a ter estes medicamentos está aumentando. Aqui eu chamo a atenção para algumas das questões levantadas pela popularidade atual dessas drogas.

Os psicodélicos originais incluem a psilocibina, o princípio ativo dos ‘cogumelos mágicos’ e a dietilamida do ácido lisérgico, popularmente conhecida como LSD. As drogas recreativas MDMA (ecstasy) e cetamina têm alguns efeitos semelhantes aos psicodélicos, na medida em que há uma qualidade do tipo “viagem” para o estado alterado que elas produzem.

Fotografia da face inferior do homem com um comprimido na língua

Os psicodélicos estão agora sendo recomendados para tratar uma lista cada vez maior de problemas, incluindo depressão, ansiedade, dependência, transtorno do estresse pós-traumático, dor crônica e angústia associada a ter uma doença terminal. Livros sobre eles se tornaram best-sellers e várias fundações estão promovendo e financiando pesquisas sobre substâncias psicodélicas, presumivelmente na esperança de que em breve sejam licenciadas para uso médico.

A cetamina, geralmente administrada por via intravenosa, já está em oferta através de numerosas clínicas privadas nos EUA, e várias abriram no Reino Unido, incluindo pelo menos uma fornecida pelo NHS (embora o tratamento tenha que ser pago a título privado). Isto é possível porque a cetamina é licenciada como anestésico e pode, portanto, ser re-propagada como “off-label” para outros usos médicos. A esquetamina, um isômero da cetamina tomado como spray nasal, foi licenciado para o tratamento da depressão resistente ao tratamento nos EUA, Reino Unido e Europa.

A lógica por trás desta tendência é confusa e contraditória. Por um lado, os psicodélicos são promovidos como auxiliares no processo de psicoterapia através de insights que podem ser gerados pela “viagem” ou a experiência induzida por essas drogas – por outro lado, as drogas psicodélicas representariam um tratamento médico direcionado para vários distúrbios, através da correção de deficiências cerebrais subjacentes.

Em uma entrevista publicada na Nature, o psicofarmacologista e pesquisador de psicodélicos, David Nutt, sugere que os psicodélicos “desligam partes do cérebro que se relacionam com a depressão” e “reiniciam os processos de pensamento do cérebro” através de suas ações sobre os receptores corticais 5-HT2A. Outros afirmam que eles aumentam a ‘conectividade’ do cérebro. O website da Universidade John Hopkins alega que eles oferecem a promessa de “tratamentos de medicamentos de precisão feitos sob medida para as necessidades específicas de cada paciente”. Todas essas afirmações são pura especulação.

Alguns promotores se referem aos psicodélicos como “antibióticos da mente”, argumentando que o tratamento psicodélico é “curativo”, exigindo apenas uma ou duas “sessões dosificadas”, em comparação com o tratamento de longo prazo necessário com antidepressivos ou psicoterapia. Este é um importante argumento de vendas para o que é uma terapia cara. Na realidade, os psicodélicos não produzem as curas milagrosas que as pessoas são levadas a esperar, como confirma a experiência com a cetamina. Algumas pessoas podem se sentir um pouco melhor após um tratamento, e então o efeito desaparece e elas vêm para outro e outro, e se estabelecem no tratamento a longo prazo, assim como ocorre com as pessoas em antidepressivos.

A esquetamina, o isômero cetamina fornecido em um spray nasal, foi lançado pela Janssen e é claramente destinado como um tratamento de longo prazo, com testes aleatórios e proclamando seus efeitos de “prevenção de recaída” (para uma crítica a esta e outras pesquisas sobre a esketamina, veja um blog anterior). O conceito de microdosagem com LSD ou outros psicodélicos segue o mesmo princípio, promovendo a idéia de que pequenas doses dos medicamentos, tomadas diariamente, melhoram o humor, a criatividade e a produtividade das pessoas. Esta prática parece ser cada vez mais comum, com uma pesquisa recente constatando que 17% dos entrevistados, com uma média de idade de 33 anos, tinham se engajado nela regularmente em algum momento. Uma vez desencadeada, parece que as drogas tendem a um padrão de uso a longo prazo, com todas as complicações físicas e psicológicas que isso implica.

Então, será que os efeitos dos psicodélicos podem ser benéficos? A experiência ou “viagem” psicodélica tem sido defendida há muito tempo como um meio de expandir a consciência, de ver o mundo de uma maneira diferente que pode levar a novas percepções e inspirações. O MDMA produz sentimentos intensos de calor e conexão e a cetamina leva a um estado de transe. Todas essas drogas podem tornar as pessoas ’em alto astral’ ou eufóricas, mas, apesar disso, nem todos gostam dos sentimentos que elas induzem, e alguns delas, particularmente aquelas com efeitos psicodélicos mais intensos, podem produzir experiências que são assustadoras e angustiantes – a ‘má viagem’.

Algumas pessoas podem aprender coisas importantes sobre si mesmas através da experiência dos efeitos das drogas psicodélicas. O autor e psicoterapeuta Gary Greenberg descreve o consumo de ecstasy em seu livro, Manufacturing Depression, e como a emoção que ele sentiu sob a influência da droga o fez perceber a profundidade de seus sentimentos por sua namorada, dos quais ele não tinha tido conhecimento antes.

O desenvolvimento pessoal através das drogas não precisa, no entanto, ser limitado aos psicodélicos. Um paciente que eu conheci comentou que os efeitos do álcool haviam lhe mostrado como superar a sua timidez ou ansiedade social, de tal forma que ele aprendeu a socializar sem ele (é claro que, às vezes, o álcool usado desta forma pode se tornar um problema por direito próprio). Outra paciente descreveu como sua experiência de tomar drogas estimulantes para a doença de Parkinson (que ela teve que parar posteriormente) a ensinou a se soltar e fazer coisas por si mesma em vez de se concentrar apenas nas necessidades de sua família.

Mas estes benefícios não são efeitos médicos ou de saúde. Eles são semelhantes ao desenvolvimento pessoal que as pessoas alcançam através de outros tipos de atividades e experiências de vida como cantar, dançar, estar na natureza, esportes e muitas outras coisas. E embora o conceito de psicoterapia assistida por drogas reconheça que é a forma como os efeitos psicoativos das drogas são usados para promover um processo de aprendizagem pessoal que é relevante, por que não empregar outros métodos, mais seguros e baratos? Por que não a psicoterapia assistida pela natureza (uma caminhada no parque), por exemplo?

Além disso, como descrito acima, cada vez mais o uso dessas drogas é retratado de outras formas, como se elas funcionassem visando os processos disfuncionais do cérebro. Quando, e se, os psicodélicos obtiverem uma licença médica, é provável que a psicoterapia seja abandonada ou minimizada. Como no caso da cetamina, a tendência de todo tratamento psicodélico será para o fornecimento da droga da maneira mais barata possível, o que significa o mínimo de supervisão e terapia.

Como de costume, as pesquisas oficiais exageram os efeitos benéficos reais das drogas. Em um pequeno estudo randomizado comparando a psicoterapia assistida por psilocibina com um antidepressivo e psicoterapia regulares, não houve diferença no resultado primário. O ensaio ainda foi publicado no prestigioso New England Journal of Medicine. Os resultados secundários que encontraram pequenas diferenças foram destacados sem considerar os efeitos ‘placebo’ de ter uma experiência reconhecidamente induzida por drogas, e os participantes recrutados não eram típicos daqueles com depressão, consistindo principalmente de homens bem instruídos, quase um terço dos quais tinham experimentado psicodélicos antes (o que significa que eles certamente sabiam se receberam a psilocibina ativa ou o placebo, e provavelmente ficaram desapontados se receberam o placebo).

A maioria das pesquisas psicodélicas não presta atenção à forma como os efeitos psicoativos imediatos das drogas inevitavelmente afetam os sentimentos e o comportamento das pessoas, de uma forma que influenciará a classificação dos sintomas do humor e poderá produzir a impressão de melhora. Em seu relatório sobre o tratamento com cetamina, a Associação Psiquiátrica Americana (APA) afirma que há “provas convincentes” de que “os efeitos antidepressivos da infusão de cetamina são rápidos e robustos”. Apesar de admitir que eles também são “transitórios”, a APA não explica como esses chamados “efeitos antidepressivos” podem ser distinguidos da euforia e outras alterações mentais associadas à intoxicação aguda por cetamina. Se os efeitos da cetamina são ‘antidepressivos’, também o são os efeitos de todas as outras drogas que produzem euforia a curto prazo, incluindo álcool, cocaína, heroína, anfetaminas, etc.

Junto com as alterações induzidas pela farmacologia, qualquer droga poderosa que altera a mente provavelmente terá efeitos ‘placebo’; em outras palavras, a experiência induzida pela droga levará as pessoas a esperar que elas melhorem, e esta expectativa pode, por sua vez, levá-las a melhorar, ou pelo menos a pensar que melhoraram. Para determinar se os efeitos psicodélicos estão especificamente associados a percepções que ajudam as pessoas a se recuperar da depressão ou de outras condições isso requer uma comparação entre os psicodélicos e outras drogas psicoativas como anfetaminas, benzodiazepinas ou opiáceos, por exemplo. Efeitos similares também podem ser obtidos por outros métodos para induzir estados de transe, tais como meditação ou exercícios extenuantes.

A pesquisa sobre substâncias psicodélicas também negligencia o profundo efeito placebo que provavelmente será produzido pelas horas de supervisão médica e atenção profissional associadas ao tratamento psicodélico, quer isto constitua ou não psicoterapia formal. Alguns dos ensaios com esketamina, por exemplo, descobriram que as pessoas que tomaram o spray de placebo tiveram uma enorme redução em sua pontuação na escala de classificação de depressão. Nesses ensaios, os participantes, que tinham “depressão resistente ao tratamento”, tiveram duas vezes por semana a administração do medicamento ou placebo spray seguido de até 4 horas de observação médica em cada ocasião – são 8 horas de atenção profissional a cada semana! Sabemos que o contato clínico melhora os resultados das pessoas em depressão, e parece que este alto nível de contato nos ensaios de esketamina exerceu um efeito poderoso mesmo em pessoas com sintomas graves e persistentes.

A loucura atual por substâncias psicodélicas também significa que os efeitos adversos estão sendo minimizados ou negligenciados. A “má viagem” é um fenômeno bem conhecido, e pode não ser tão incomum assim. O psiquiatra Rick Strassman, autor de DMT: o Spirit Molecule, descreveu como metade dos 60 voluntários que ele injetou com o poderoso alucinógeno, DMT (N,N-dimetil-triptamina), experimentou alucinações e ansiedade aterrorizantes, e ele suspendeu sua pesquisa, em parte por causa destes efeitos. O jornalista científico John Horgan descreve meses de depressão e flashbacks após uma “má viagem”, e também nos lembra que Albert Hofmann, que sintetizou o LSD pela primeira vez, também teve dúvidas a respeito, chamando seu livro de memórias de 1981 de LSD: Meu filho problemático.

Os defensores ressaltam que o contexto ajuda a determinar a natureza da experiência induzida pela droga, portanto, fornecer pessoal para apoiar as pessoas enquanto elas estão sob a influência da droga, e para processar seus pensamentos e sentimentos depois, deve evitar viagens ruins. Por outro lado, uma situação clínica pode ser uma experiência altamente alienante e pode até induzir a uma má viagem para algumas pessoas. Em todo caso, as experiências psicodélicas são, por sua natureza, imprevisíveis.

Há algo fascinante nas drogas psicodélicas – o fato de que certas substâncias químicas podem distorcer a percepção sensorial e produzir alucinações vívidas coloca em questão nossa experiência normal do mundo cotidiano. Algumas pessoas acham seus efeitos esclarecedores, outras não. Isto depende tanto de como a experiência induzida pelas drogas é interpretada. “Como imaginamos estas substâncias como “medicamentos vegetais”, “drogas”, ou como “uma porta para o divino” é tão importante quanto seus efeitos neuroquímicos”, como aponta Shariq Khan.

No entanto, elas podem ser assustadoras ou perturbadoras às vezes, e faltam evidências de que elas produzem benefícios consistentes para o bem-estar ou a saúde mental das pessoas. Embora seja improvável que uma ou duas doses da maioria das drogas causem muitos danos, a tendência é para o uso a longo prazo, e o uso repetido de substâncias psicodélicas como de outras drogas é improvável que seja completamente inofensivo.

Como acontece com tantos outros tratamentos médicos, eles se tornaram populares através da potente mistura de interesses financeiros e desespero. Se o benefício ocasional dos psicadélicos é promover o desenvolvimento pessoal através de uma experiência incomum, então existem muitos caminhos mais seguros para este objetivo.

***

Mad in Brasil recebe blogs de um grupo diversificado de escritores. Estes posts são projetados para servir como um fórum público para uma discussão em termos gerais sobre a psiquiatria e seus tratamentos. As opiniões expressas são as próprias dos escritores.