Como a Indústria Farmacêutica empurra medicamentos novos e menos eficazes no mercado

Os pesquisadores expõem as táticas que as empresas farmacêuticas utilizam para empurrar "produtos sem qualidade" através dos reguladores e para o mercado.

0
157

Em um novo artigo publicado em Social Science & Medicine, Donald Light e Joel Lexchin argumentam que a indústria farmacêutica é um peculiar “mercado para limões” * onde as empresas são encorajadas a produzir continuamente novos medicamentos, tipicamente menos eficazes.

Ao realizar seus próprios testes de drogas, obscurecendo evidências e comercializando furtivamente seus produtos para prescrição fora do mercado, essas empresas contornam e abusam das regulamentações da Food and Drug Administration (FDA). O resultado é uma proliferação de novas drogas frequentemente menos eficazes e mais perigosas, com pouca informação disponível sobre os seus efeitos adversos. Os autores escrevem:

“Muitos pacientes recebem medicamentos desnecessários ou inadequados, o que muitos observadores concluem ser subprodutos de uma forte promoção comercial. As empresas têm desenvolvido elaboradas redes de marketing com os melhores clínicos a fim de promover usos não autorizados ou não rotulados. A maioria dos medicamentos prescritos fora do rótulo não têm nenhuma evidência válida de benefício, mas colocam em risco milhões de outros pacientes. Por estas razões, os riscos ocultos do ‘consumo de limão’ com medicamentos prescritos são provavelmente muito maiores do que comumente se pensa”.

A pesquisa atual indica que a Food and Drug Administration (FDA) recebe 65% de seu orçamento operacional das taxas de uso da indústria, o que significa que a FDA é financeiramente dependente da indústria à qual está incumbida de regulamentar. As preocupações éticas em torno da FDA não se limitam ao seu financiamento. No passado, a agência foi criticada por aprovar medicamentos havendo alternativas mais eficazes já disponíveis.

Mais recentemente, em 2021, a FDA aprovou um medicamento contra Alzheimer que não demonstrou ser eficaz. Um comitê consultivo da FDA diz que a FDA colaborou com o fabricante do medicamento (Biogen) para re-interpretar os dados, fazendo com que o medicamento parecesse mais eficaz do que realmente é. Três membros do painel de especialistas se demitiram posteriormente por causa da aprovação do medicamento. Outras pesquisas também contestaram as diretrizes de aprovação acelerada usadas para levar o medicamento Biogen’s Alzheimer ao mercado. As pesquisas mostram que a FDA está aprovando os medicamentos mais rapidamente e com provas mais fracas do que nunca.

Os autores apontam a corrupção da pesquisa da indústria farmacêutica como chave para inundar o mercado com medicamentos menos eficazes e mais caros. Muitos pesquisadores têm observado práticas similares dentro da indústria em geral.

Outra questão enfrentada pela pesquisa baseada em evidências é a ‘escrita fantasma’ [ghost writing], a prática de um pesquisador ser pago para emprestar o seu nome a pesquisas escritas por fabricantes farmacêuticos. Alguns pesquisadores chegaram ao ponto de dizer que, ao corromper a medicina baseada em evidências, a indústria está claramente “matando para ter lucro“.

A pesquisa em tela começa descrevendo o princípio econômico de um “mercado para limões”. De acordo com este princípio, um mercado para limões existe quando há participantes suficientes em um mercado disposto a fornecer um produto de má qualidade. Eles são capazes, por um curto período de tempo, de alavancar seu maior acesso à informação (que o produto que estão vendendo tem problemas ocultos) a fim de enganar os clientes e obter um lucro.

Estes mercados deveriam ser intrinsecamente insustentáveis, pois os produtos de baixa qualidade tornam os clientes mais desconfiados e menos propensos a pagar um preço justo por produtos de alta qualidade, eventualmente alienando os fornecedores de produtos de qualidade, bem como quaisquer clientes ainda no mercado. Entretanto, os autores alegam que a indústria farmacêutica é um caso especial de “mercado para limões” no qual um órgão regulador falho (ou possivelmente comprado) e algumas práticas enganosas por parte das empresas farmacêuticas mantêm o mercado, apesar da má qualidade e dos altos preços dos produtos oferecidos.

Os autores apontam três técnicas que as empresas farmacêuticas utilizam para obter medicamentos novos, mais caros e menos eficazes, aprovados pela FDA. A primeira é ocultar evidências de danos. Algumas das táticas utilizadas por estas empresas incluem: terminar os ensaios clínicos antes que os efeitos adversos apareçam, usar grandes doses em ensaios clínicos curtos para maximizar os benefícios iniciais enquanto obscurecem os efeitos adversos, projetar pesquisas para limitar a detecção de reações adversas, suprimir a evidência de efeitos adversos, assim como as pessoas que os relatam, etc. Estas empresas também rotineiramente negam e ignoram provas claras de efeitos adversos de seus produtos.

A segunda tática que os autores apontam é a ignorância estratégica em ensaios clínicos. Há vários caminhos intencionais para a ignorância que estas empresas tendem a trilhar. As empresas que produzem os medicamentos são as mesmas que pagam para testar sua eficácia. Isto resulta em ensaios de controle “randomizados”, nos quais os pacientes que podem experimentar efeitos adversos são excluídos da amostra inicial. Por exemplo, uma empresa (Merck) que produz um medicamento conhecido por enfatizar o sistema cardiovascular (Vioxx) exclui da amostra inicial qualquer pessoa com histórico familiar de problemas cardiovasculares, fazendo assim com que o medicamento pareça mais seguro do que realmente é. Quando os sujeitos desistem antes de completar um ensaio devido a efeitos adversos, eles muitas vezes não são incluídos no relatório final porque não estavam presentes para todo o ensaio. As empresas também podem comparar seu medicamento a doses mais altas dos medicamentos mais perigosos disponíveis no mercado, fazendo com que seu medicamento em estudo pareça seguro por comparação.

A última tática que os autores descrevem é a de enviesar a literatura científica. Os ensaios que revelam efeitos adversos (ou pouca ou nenhuma eficácia) com frequência não são publicados, onde a pesquisa que encontra benefícios positivos é quase sempre publicada. Por exemplo, a pesquisa descobriu que 97% dos ensaios considerados positivos pela FDA acabam em publicação. Por outro lado, apenas cerca de 33% dos ensaios com resultados negativos são publicados. Além disso, de acordo com a FDA, 21% dos estudos com resultados negativos foram publicados enganosamente para parecerem positivos.

Os autores também apontam para o papel dos médicos na manutenção deste “mercado para limões”. Os médicos recrutam sujeitos para ensaios tendenciosos, defendem o uso fora da marca com pouca ou nenhuma eficácia (o que é ilegal se feito pelo fabricante do medicamento), e atuam como líderes de opinião para defender o uso de drogas perigosas para seus colegas e pares. Os autores resumem suas pesquisas da seguinte forma:

“Esta análise dos produtos farmacêuticos como um mercado para limões tem formas detalhadas nas quais as empresas minimizam o conhecimento para médicos, reguladores, pacientes e até mesmo para eles mesmos sobre os perigos ocultos em novas drogas. O corpo resultante da ciência médica comercializada é então utilizado para moldar tanto o diagnóstico quanto as decisões de prescrição em um mercado controlado por clínicos que têm o controle monopolista sobre a decisão do que prescrever e o que eles dizem aos pacientes. As diretrizes clínicas são baseadas nelas, desenvolvidas por comitês de especialistas que geralmente têm vários membros em contrato com os fabricantes dos medicamentos relevantes… Os médicos desempenham vários papéis-chave como recrutadores bem remunerados de sujeitos em ensaios, como educadores de colegas, como campeões de prescrição de novos medicamentos, e como veículos para a promoção deles para usos não aprovados, a promoção que seria ilegal se feita diretamente pelas próprias empresas. ”

****

Light, D. W., & Lexchin, J. R. (2021). Pharmaceuticals as a market for “lemons”: Theory and practice. Social Science & Medicine268, 113368. https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2020.113368 (Link)

****

NOTA DO EDITOR:

O Mercado de Limões: Incerteza de Qualidade e o Mecanismo de Mercado . Em um artigo amplamente citado [1] do economista George Akerlof, que examina como a qualidade dos bens comercializados em um mercado pode degradar na presença de assimetria de informação entre compradores e vendedores , deixando apenas “limões” para trás. Na gíria americana, limão é um carro que apresenta defeito depois de ser comprado.(Wikipedia).