Antipsiquiatria: Saúde e Doença Mental

0
124

O LUGAR DO SUJEITO NAS INSTITUIÇÕES

Por

Luis Gerardo Arroyo Lynn

Saúde mental

A ideia de saúde mental sustenta-se a partir de uma posição objetiva, cancelando em certa medida as particularidades de cada indivíduo, interrompendo a subjetividade do sujeito .

A saúde mental está no campo do universal , ela se coloca como uma questão geral, que se dirige a um sujeito, mas o sujeito está do lado do particular. Particular e universal são discursos mutuamente exclusivos, enquanto o universal levanta um todo, o particular aponta para um não-todo .

As abordagens em saúde mental dirigem-se a um objeto teórico, a um pressuposto, a partir de uma universalidade, mas deixando de fora o objeto real, o sujeito em seu sofrimento e em sua situação específica. Esse objeto teórico é o objeto criado pelo discurso da saúde mental e é aqui que encontramos seus porta-vozes, os que se autodenominam especialistas, os dispositivos psi , todos esses ramos que se posicionam como detentores de saberes sobre saúde e doença mental e, portanto. que são considerados capazes de determinar normal e anormal .

Uma cadeira vazia, iluminada por uma luz que incide de cima, as paredes e o chão da sala são acolchoados, com exceção da cadeira a sala não é iluminada, transmite uma sensação de sujeira, abandono e isolamento.

O discurso da saúde mental; a saúde mental se apresenta como um Mestre significativo, comanda a fala e a ação do que se alienou sob seu comando. Sob a ideia de “saúde mental” é como são pensadas nossas ações, nossa maneira de nos relacionarmos, e quem se desvia ainda um pouco daquele caminho traçado pela “normalidade” é marcado como “anormal”, ou seja, em palavras que na minha opinião é algo mais sério … um “paciente mental”.

Um dos problemas mais complexos ao abordar esta questão é pensar sobre qual tratamento é fornecido por esses dispositivos psi.  Encontramos este problema especificado, em que o objetivo de todo tratamento apontaria para um maior “bem-estar” para o sujeito, que isso seria o ideal de trabalho terapêutico ou de tratamento, e essa ideia de bem-estar é determinada pelos profissionais, pela padronização e pela ideia de “normalidade”, porém o bem-estar é relativo em cada caso, então o trabalho deve ser construído segundo o paciente, buscando a invenção de uma “solução” a partir de cada sintoma, de cada sujeito.

Cada tratamento deve considerar o sintoma como o mais particular do sujeito, implica uma forma de comunicar-se com o outro, de envolver a si mesmo e ao outro, é uma forma de desenvolver um discurso, uma mensagem através de uma manifestação sintomática, por isso que um sintoma não pode ser reduzido a uma lista de critérios estabelecidos por um manual de diagnóstico (como  DSM-V ou o ICD-11 mais recente).

É a partir disso que eu gostaria de olhar para uma postura teórica e ética que se tornou relevante na década de 1960, especialmente graças aos trabalhos de David Cooper, Robert Laing, Thomas Szasz e Erving Goffman, sendo isso a antipsiquiatria. Em uma abordagem muito geral, a antipsiquiatria se apresenta como uma corrente radical que descarta os desenvolvimentos psiquiátricos, indo para qualquer ramo encarregado de pensar e agir nas questões relacionadas à saúde mental e à psicopatologia. Na luta contra a estigmatização, parece ir contra todo o trabalho feito por dispositivos psi.

No entanto, podemos pegar algumas ideias levantadas por essa corrente e repensá-las em termos de se pensar as intervenções no campo clínico.

Decidi adotar a abordagem antipsiquiátrica, não por suas críticas aos dispositivos psi como instituição de poder, mas por tomar o sujeito como eixo principal de sua intervenção, voltando ao sujeito em sua particularidade, em seu contexto social, fazendo com seja o protagonista do seu “sofrimento” (se sofre de algo).

Doença mental:

O que significa pensar sobre doença mental? Tem havido muitos debates sobre o que é uma doença mental, se é que pode até ser considerada uma doença, de um nível completamente orgânico. A ideia de uma doença mental é rejeitada pelo fato de que muitas vezes não é possível encontra alterações no sistema nervoso, então apoiado nesta perspectiva em muitos casos é impossível falar em doença mental e mesmo assim encontramos aqueles casos que se desviaram de um comportamento “normal” que apresentam certas ideias ou se expressam de uma forma isto é perturbador do meio em que se encontram pode ser efectuada uma avaliação destes sujeitos sujeitando-os a diversos exames e testes e não encontrando organicamente qualquer anomalia e é apesar disso que são considerados “doentes mentais”.

Com base na abordagem de Thomas Szasz, “nos referimos ao fato de que a pessoa que tem essa condição“ anormal ”procura ou deseja ajuda médica para seu sofrimento e doença. Em outras palavras, o sofredor deseja e deseja ser paciente ” [1]. A doença seria então um papel, um papel que pode ser assumido por si ou designado por outros, dessa forma passamos a abrir o campo para o campo do social e do individual.

Quando se pensa na doença mental como um papel ou lugar que se assume ou se atribui, fica implícito que há outros que fixam um parâmetro ou norma que lhes permite definir o lugar que cada um ocupa entre o saudável e o doentio, saúde mental não seria apenas a norma, mas o ideal e o objetivo que deve ser alcançado e no qual devemos nos manter, esse objetivo é alçado de acordo com as diferentes instituições, com base em um suposto saber, que lhes dá um lugar de poder em relação aos demais, essas instituições designam o local onde estaremos e qual será o procedimento e tratamento que cada um de nós deverá receber.

Este lugar de Poder / Conhecimento é um lugar absoluto, na maioria das vezes indiscutível.

O social para pensar sobre a doença mental

A doença mental se manifesta por meio de atos ou pensamentos dos indivíduos, parte de um ato ou de uma situação completamente singular, porém esta é uma forma muito particular do sujeito lidar com as situações do meio externo, do social.

Através dos sintomas o sujeito procura fazer o seu lugar, elaborar o seu próprio discurso, através dos seus sintomas o sujeito procurará relacionar-se com os outros, com o seu meio e poder conciliar o que não foi possível processar.

Sendo então, a partir desta abordagem, que a psicopatologia (doença mental) pode adquirir um novo estatuto, não mais como deficiência ou impedimento, mas como forma de adaptação.

Existem diferentes abordagens dentro da corrente antipsiquiátrica, cada uma das quais mantém uma posição particular em relação à ideia de doença mental e sobre a qual tratamento ou ação devem ser tomados em relação a esta situação, mas se há um ponto em que convergem as diferentes abordagens de antipsiquiatria é pensar que a condição predominante do adoecimento mental é o meio social, a sociedade como opressora, desenvolvendo diferentes instituições que detêm o poder e subjugam o sujeito, uma sociedade opressora que empurra o indivíduo a buscar novas formas de responder às suas demandas, de alienar a ideais e abordagens normativas.

Alguns autores pensam então na doença mental como uma tentativa de libertação do sujeito, o doente mental passa a ser um “ser livre”, como se lê em Laing, esta abordagem parece ao mesmo tempo romântica e extremista, pois através desta tentativa de libertação o sujeito pode ser “prisioneiro” dos próprios sofrimentos e em certos casos pode ser prisioneiro das instituições, tomando-o como um assunto disruptivo que deve ser “corrigido”.

Berlinguer [2] afirma que o sujeito possui 4 formas de responder às demandas (opressão) do meio social:

  • Integração: sendo essa forma de resposta a de maior funcionalidade, o sujeito consegue conciliar seus desejos individuais com as demandas sociais, o sujeito se “normaliza” permanece dentro dos padrões do cotidiano, o que lhe permite manter relações “adequadas” com as demais, se desenvolvem de forma “satisfatória” em um ambiente social, o que implica em reduzir as frustrações e buscar satisfações socialmente aceitáveis.
  • Fuga: Berlinguer tomou 3 pontos como referência de fuga, o primeiro deles, o suicídio, uma forma de fuga definitiva, onde o sujeito, diante de uma situação intolerável, decide acabar com sua vida, o próximo refere-se a uma forma de fuga que o uso mais frequente de substâncias que modificam a maneira de o sujeito se comportar e se relacionar com o meio (como o uso de drogas), sendo essa fuga uma solução momentânea, que busca apenas apaziguar, mas sem poder dar uma solução definitiva e assim por diante. Ou a despersonalização ou dissociação, onde o sujeito “foge” de sua realidade, dela se afasta, evitando encontrar o intolerável.
  • Transformação artificial da realidade: o sujeito, por meio de diferentes elementos, busca gerar uma mudança em sua situação, Berlinguer retoma aqui o uso de substâncias como álcool ou drogas como elementos que o sujeito pode utilizar para construir uma nova “realidade”, este tipo de transformação é geralmente momentânea, seus efeitos não alcançam uma transformação permanente, então o sujeito deve permanecer em uma tentativa constante de transformar a situação em que se encontra, neste registro eu localizaria as diferentes manifestações psicopatológicas (não apenas episódios dissociativos ), visto que através dos sintomas o sujeito procura enfrentar situações irreconciliáveis, ao invés de uma fuga é uma forma de contornar o que não pode resolver diretamente.
  • Rebelião: uma situação de mudança, que exige organização social, onde o desacordo é maior e o nível de opressão ou demanda não pode ser tolerado, é uma mudança muito mais violenta, que visa a mudança total e permanente da situação.

Berlinguer considera, então, que existe uma relação entre as doenças psíquicas e as situações pré-revolucionárias, uma vez que a doença mental seria então o reflexo da discordância social e da impossibilidade de o sujeito enfrentar as demandas sociais.

De minha parte, não considero a doença mental uma manifestação revolucionária, mas defendo que a doença mental não nos fala apenas sobre o sujeito que a sofre, mas que quando considerada dentro de uma sociedade, a doença nos fala de novas formas de interagir com os outros nos permite pensar nas dificuldades que existem para se adaptar às novas demandas e necessidades, a doença mental é então uma doença social, de uma época, novas formas de sofrimento se atualizam e evoluem.

A saúde mental seria então um problema político e social.

Diagnóstico e classificação

O diagnóstico tem gozado de um lugar privilegiado no discurso psiquiátrico, pois é a partir desta categoria que se pensará o tratamento, o prognóstico de cada paciente, o diagnóstico desloca o sujeito em sua totalidade e deixa o sujeito de lado. Diga-me quando posso resumir todo o seu sofrimento em alguns critérios?

Um diagnóstico ajusta-se perfeitamente ao modo de querer que nos foi imposto a nível cultural, queremos tudo rápido, queremos saber, mas não queremos pensar, que alguém me diga que eu sofro e como faço para livrar-me dele …? De modo que quando um Manual pode me indicar. A psicanálise tem resistido a esses modos, tem se mantido e tem lutado para manter o lugar do sujeito, para permitir que ele faça (a si mesmo) um discurso que possa enunciar o seu próprio sofrimento ( se ele sofre), o que o médico pensa de mim? Pouco importa, quem sabe de si mesmo, do próprio sofrimento, é o assunto … embora as poucos na hora que ele saiba, que ele saiba.

O que acontece quando intervimos pensando no diagnóstico, quando abordamos um critério e não um assunto? O diagnóstico pode chegar a se tornar um preconceito, um rótulo para o sujeito, encerrá-lo em uma classificação, então deixamos de lado o que caracteriza cada sujeito, o que o torna único.

Instituições

O trabalho das instituições psiquiátricas ou encarregadas de lidar com “doenças mentais” sempre esteve envolvido em todo tipo de polêmica, com práticas violentas, desde o confinamento às terapias de eletrochoque (terapia eletroconvulsiva), porém essas instituições sempre foram objeto de fantasias no imaginário social, sempre com a pergunta “O que se passa por trás daquelas portas?”, e neste ponto vale abrir um parêntese para lembrar que este ano marca o 50º aniversário do encerramento da Castañeda, falava-se que a instituição iria fechar e junto com ela os horrores cometidos atrás de suas portas, mas o que talvez não se pensasse naquela época era que certas instituições se tornariam suas herdeiras, como o hospital Samuel Ramírez Moreno,onde até hoje podemos encontrar alguns dos residentes do chamado “palácio da loucura”.

As instituições psiquiátricas, na minha opinião, hoje poderiam ser consideradas instituições de inclusão e exclusão: incluem o sujeito dentro de suas instalações, abrem espaços que o sujeito pode fazer uso, que ele tem e pode ir, o sujeito então é “incluído “no grupo dos loucos, dos doentes mentais, ao mesmo tempo em que no plano social adquire um lugar, mesmo que seja como o“ indesejado ”, enquanto isso acontece o sujeito é excluído do meio externo, ele é separado do social, sua possibilidade de relacionamento se reduz ao que a instituição lhe permite dentro das instalações.

Basaglia afirma que tanto a prisão como a instituição psiquiátrica (asilo) procuram confinar os sujeitos que se desviaram da norma, cujo comportamento se desviou do convencional e representam um “risco” para outrem, esta salvaguarda do outro passa a encobrir-se sob a ideia de proteger o sujeito de suas próprias ações. Atualmente, as instituições psiquiátricas são geridas de uma forma que não permite um reclusão superior a 3 meses (com algumas exceções), mas ainda aponta para uma “normalização”, para a reforma do assunto. Ambos são, então, instituições normativas .

No caso do paciente psiquiátrico os seus sintomas são a sua forma de adaptação, é a forma que encontraram para enfrentar a sua situação, retirá-los dos seus sintomas é desajustá-los, desalinhá-los, então a forma de abordar o trabalho é ir à busca da construção de uma nova solução, uma nova solução que deve se sustentar na singularidade daquele sujeito.

Sujeito

Para onde direcionar os tratamentos então? Ele não faz um objeto de estudo, ele não faz um diagnóstico, mas ele faz o sujeito; faz um sujeito coadjuvante , que é aquele que está inserido em uma estrutura pré-existente, como o social, a cultura, a linguagem; sendo este aquele que se inseriu no lugar que lhe foi atribuído e que é ao mesmo tempo efeito e causa daquelas estruturas, querer intervir apenas sobre um sintoma é esforçar-se em vão, é deixar de fora qualquer consideração às condições em que essa pessoa se desenvolve.

O sujeito é causa de múltiplos discursos, reduzindo-o a um único discurso, o da saúde mental, seria apenas focar nele através de uma parcialidade, focar no sintoma, mas não na causa.

O trabalho que deve ser realizado nas instituições de saúde mental deve trabalhar direcionado a um sujeito, não a um organismo, o organismo refere-se à parte anatômica, enquanto o sujeito é fruto de diferentes discursos sociais, culturais e até familiares, o sujeito se constrói daquilo que antecede o indivíduo, se constrói a partir da estrutura que o precede e o acolhe, então trabalhar com o sujeito é trabalhar com a cultura.

Portanto, a proposta de trabalho em saúde mental não pode se reduzir a hospitais e consultórios especializados, o trabalho a ser feito fora, considerando as condições do ambiente em que nos desenvolvemos, por isso considero relevante retornar à antipsiquiatria como forma de trabalho, uma vez que isto permite-nos perceber que é inútil focar num sintoma ou critério diagnóstico se não prestamos atenção à pessoa, se deixamos de olhar o que está à sua volta, só assim podemos começar a dar o passo seguinte, inclusão.


[1] Franco Basaglia, et. Al (2013) Razão, loucura e sociedade. Ed. Siglo XXI, México.

[2] Berlinguer, Giovanni. Psiquiatria e poder. Granica

* Não compartilho o uso do termo “doença mental” por considerá-lo patologizante, estigmatizante e prejudicial, porém, o conceito foi preservado, visto que os autores aqui discutidos se referem a ele, a intenção é colocar o conceito “em cima da mesa, “para poder debatê-lo e questioná-lo.

——-

Publicado originalmente no Mad in Mexico.  Clique → para o texto original.