Freud: O Primeiro Anti-Psiquiatra

0
399

Freud não era psiquiatra; ele era um neurologista que deixou a prática da medicina para estudar o funcionamento interno da mente, a maneira como as sociedades operam e a interação entre os dois. Ele era antes  de tudo um psicólogo/sociólogo/filósofo. Ele viveu em tempos vitorianos quando, ao contrário de hoje, o sexo era reprimido e as mulheres eram desvalorizadas; isto explica em grande parte porque algumas de suas ideias parecem estranhas ou ofensivas para muitos agora. Mas se olharmos além destas falhas, há alguns conceitos que valem a pena.

Freud considerava a psicanálise mais dentro da psicologia do que da medicina, e insistia que ela não fosse medicalizada. Ele acreditava que qualquer pessoa com a devida aptidão poderia ser treinada para fazer análise, mas que o treinamento médico limitaria a capacidade de uma pessoa de ter uma visão livre. Ele mostrou desdém pelos psiquiatras: “Na faculdade de medicina um médico recebe treinamento que é mais ou menos o oposto do que ele precisaria como preparação para a psicanálise. . . . Isso lhes dá uma atitude falsa e prejudicial”.(1)  Assim Freud percebeu a falsidade e a nocividade da medicina, e foi o primeiro antipsiquiatra.

Somente nos Estados Unidos os psiquiatras avidamente monopolizaram a análise contra a vontade de Freud e criaram termos obscuros como “superego” ou “id” que só eles usam. Os psiquiatras que patologizaram publicamente o candidato presidencial Goldwater em 1964 eram pessoas famintas de poder e de mentalidade política. Os verdadeiros freudianos não o teriam feito, pois acreditam que todos nós temos conflitos; Freud fundamentou isto ao explicar logicamente os sonhos,(2) piadas,(3) e erros (4) que agora são conhecidos como “lapsos freudianos”.

Diz-se com frequência que as suas teorias foram desmascaradas. Isto se deve à alegação de que os problemas emocionais/comportamentais provaram ser doenças genéticas ou biológicas do cérebro (como a psiquiatria moderna profetiza ilogicamente), em vez de reações a questões e eventos inconscientes/conscientes que podem ter origem na infância, como ele racionalmente deduziu. Nunca  as suas ideias foram realmente refutadas.

Vamos comparar as duas abordagens: Os terapeutas freudianos não aplicam rótulos ostracizantes ou estigmatizantes, já que todos nós temos lutas. Eles deixam que os clientes estabeleçam as suas próprias metas e façam o trabalho ativo na terapia, uma vez que as ideias só serão significativas e produtivas se os próprios clientes as desenvolverem. Eles escutam, compreendem e se conectam profunda, paciente e respeitosamente. Seus clientes pensam por que agem como agem, exploram e expressam as questões que surgem da vida em sociedade, e aprendem a tratá-las de maneiras à sua escolha. Eles usam os seus cérebros para aumentar a autossuficiência e o controle sobre as suas vidas.

Mas os psiquiatras modernos apressam-se a rotular os clientes de forma impessoal/jurídica/autoritária como doentes e anormais. Eles incitam os clientes a empurrar os problemas para baixo da superfície, em vez de descobri-los e tratá-los, a negar o seu livre arbítrio já que é ‘genético’ e a seguir passivamente as ordens. Suas drogas de tamanho único calam os clientes, desativam os seus cérebros e criam zumbis eternamente dependentes e indefesos para as suas linhas de montagem. Portanto, eles são exatamente opostos em todos os sentidos: O ‘Anti-Freud’ é o ‘modelo pró-médico’. Os psiquiatras freudianos nos anos 50-60 lutaram contra a psiquiatria biológica, por isso foram os mais próximos à antipsiquiatria. O primeiro DSM (1952, quando Freud reinava) não tratava de categorizar os sintomas em doenças que soavam como sendo científicas, mas de explorar possíveis questões sociais/psicológicas causais.

Em anos posteriores, o objetivo de Freud foi menos de  ‘tratar doenças mentais’ e mais melhorar a sociedade, aumentando a autoconsciência e diminuindo a repressão social (o que ele fez), devido a pensar que esta era a principal causa de descontentamento.(5) Se ele estivesse vivo agora, provavelmente diria que o problema é mais a repressão emocional do que a repressão sexual, e culparia a “medicalização da vida cotidiana” da psiquiatria, como disse Szasz.(6) Ele culparia a nossa crise de incapacidade, suicídio, violência, uso de drogas e overdose com o envenenamento da nossa cultura pelo modelo médico e repreenderia: “Eu avisei isso!

Eis como ele analisaria a nossa sociedade doente:

O modelo médico faz com que as pessoas reprimam os sentimentos normais/ desagradáveis/ inaceitáveis, como tristeza pela perda, preocupação com o futuro ou raiva dos outros, para evitar serem chamadas de “doentes mentais” se elas mostrarem esses sentimentos ( é o “ter” depressão, ansiedade ou bipolaridade; ou personalidade limítrofe se elas expressarem os três).

Muitos que são autoconscientes são levados a pensar que algo está errado com eles (uma doença cerebral), e atraídos para a tentativa infrutífera de medicar os seus problemas/sentimentos. Alguns vão aos psiquiatras para suprimi-los através de drogas; outros tentam a medicalização alternativa, culpando toxinas, efeitos de drogas, dieta etc. Portanto, “normal” agora é a repressão emocional e a autoconsciência; isto abafa o domínio dos desafios da vida. Devido à medicalização, a porcentagem de pensamentos/sentimentos das pessoas que estão inconscientes (ou sedadas) é maior do que nunca. Isto tem tido resultados desastrosos.

É claro que algumas das muitas ideias de Freud são inválidas ou não se aplicam mais, porém que até Szasz aceitou as suas principais ideias sobre o inconsciente e como questões e sentimentos reprimidos podem levar a ações ou problemas sem o nosso conhecimento.(7) Portanto, um antídoto para a infestação do modelo médico de nossa cultura seria reintroduzir algumas das teorias de Freud (não por terapia, mas por educação) para o público. Afinal, o oposto do modelo médico não seria o melhor meio de contra-atacá-lo? Combinar esta educação com a contínua desvalorização das mentiras da psiquiatria será a melhor maneira de acabar com seu reinado. Não será difícil, já que as ideias de Freud já estão dentro de nós; só precisamos trazê-las de volta à superfície.

Freud ainda é valorizado em muitas nações europeias. Talvez seja por isso que seu povo seja menos vulnerável a traficantes de drogas legais/ilegais e, portanto, porque não estão morrendo de overdoses. Então, pessoas da comunidade MAD: Por que não deixar Freud se juntar à nossa equipe? Ele está do nosso lado, ele tem boas ideias e começou a nossa causa!

Notas:

  1. 1. Freud, S. The Question of Lay Analysis. Brentano (NY) 1926, pp. 62,63.
  2. 2. Freud, S. The Interpretation of Dreams. Brill (London, NY) 1900.
  3. Freud, S. Jokes and Their Relation to the Unconscious. Norton (New York) 1905.
  4. Freud, S. The Psychopathology of Everyday Life. Norton (New York) 1901.
  5. Freud, S. Civilization and Its Discontents. 1930.
  6. Szasz, T. The Medicalization of Everyday Life. Syracuse University Press, 2007.
  7. Wyatt, R. Thomas Szasz Interview, Psychotherapy.net Dec 2000.