A triagem para detectar depressão em adolescentes não previne hospitalizações ou tentativas de suicídio

A triagem de adolescentes para detecção de depressão não leva a melhores resultados e pode expor muitos a tratamentos desnecessários.

0
256

Há diretrizes nos EUA para a triagem da depressão em adolescentes, na esperança de que as lutas pela saúde mental possam ser identificadas precocemente e que isto evitará que elas se tornem mais problemáticas com o tempo. Mas um novo estudo descobriu não haver diferença no resultado entre aqueles que foram rastreados e aqueles que não o foram.

Eles escrevem: “Os resultados deste estudo sugerem que a triagem para a depressão, como é praticada atualmente nos EUA, pode não impedir o uso de serviços de saúde evitáveis entre adolescentes”.

A pesquisa foi liderada por Kira Riehm na Universidade Johns Hopkins e publicada na revista Preventive Medicine. (Divulgação completa: Eu, Peter Simons, fui coautor de um artigo sobre este assunto com Riehm e outros pesquisadores em 2016).

Supondo-se que a triagem tenha sido bem sucedida em conectar aqueles que necessitem dela para um tratamento que melhore a depressão. Nesse caso, aqueles que são examinados deveriam ter menos probabilidade de precisar de cuidados intensivos, tais como terminar no departamento de emergência ou ser hospitalizados, e deveriam ter menos probabilidade de tentar o suicídio.

Entretanto, Riehm e os outros pesquisadores não encontraram diferença entre o grupo que foi examinado e o grupo que não o foi.

Eles escrevem: “Ser examinado para depressão não foi associado consistentemente com o uso do departamento de emergência, internações hospitalares, ou comportamentos suicidas tratados medicamente”.

A única exceção foi o uso do departamento de emergência especificamente por razões de saúde mental – mas a triagem parecia prejudicial, não útil, para este resultado. Ao contrário da expectativa de que a triagem ajudaria a melhorar a depressão (e assim evitar resultados piores), o grupo que foi triado para a depressão tinha um risco 16% maior de ir para a sala de emergência por causa de sua saúde mental.

Os pesquisadores sugerem que uma explicação para esta descoberta é que a triagem tem um efeito iatrogênico, na verdade piorando os problemas de saúde mental porque faz com que as pessoas se concentrem neles. Eles observam que descobertas semelhantes foram encontradas em estudos de triagem da dor, nos quais as pessoas que são triadas relatam um agravamento da dor posteriormente.

O estudo incluiu 14.433 adolescentes americanos que foram examinados para depressão durante um check-up padrão. Eles foram então seguidos por dois anos para avaliar o uso do departamento de emergência, hospitalizações e tentativas de suicídio.

Para comparação estatística, cada adolescente foi comparado com outros três que não haviam sido examinados durante o seu check-up padrão. Este processo de comparação foi projetado para permitir a comparação entre pessoas que são semelhantes de outras formas; isso ajuda a garantir que qualquer efeito seja devido à triagem e não a outros fatores.

“Em conclusão”, escrevem os pesquisadores, “encontramos poucas evidências de que a triagem para a depressão durante uma boa visita influencie a probabilidade de uso subsequente de internações hospitalares e comportamentos suicidas tratados medicamente em uma grande amostra populacional de adolescentes”.

Os defensores da triagem argumentam que isso pode ajudar e que é pouco provável que cause danos. Mas outros pesquisadores têm levantado preocupações de que a triagem pode levar ao sobrediagnóstico e ao tratamento excessivo, desperdiçando recursos de saúde e prejudicando potencialmente os pacientes.

As diretrizes do Reino Unido e do Canadá não recomendam a triagem para a depressão na atenção primária de adultos ou adolescentes, uma vez que não conseguiram encontrar nenhuma evidência de que a triagem tenha beneficiado aos pacientes. Isto é consistente com uma revisão da Cochrane de 2008, com o estudo de 2016 que fui co-autor, e com vários outros estudos com a mesma conclusão.

Mas as diretrizes dos EUA promovem a triagem para depressão (e ansiedade, e outros problemas, incluindo abuso de substâncias e violência do parceiro íntimo), apesar da falta de provas diretas de que estes são benéficos. Isto se deve principalmente ao fato de as diretrizes dos EUA se concentrarem em evidências indiretas – estudos que não compararam os resultados da triagem versus a ausência de triagem – e concluíram que a triagem poderia ajudar, mesmo não havendo evidência direta de que tenha benefícios.

Em abril de 2022, um relatório preliminar da Força Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA admitiu que a triagem de crianças e adolescentes especificamente para o suicídio não trazia nenhum benefício. Entretanto, como evidenciado em um artigo do STAT sobre o relatório, muitos especialistas nos EUA continuam a insistir na triagem, principalmente porque não sabem de que outra forma podem ajudar. O artigo do STAT cita Lisa Horowitz do Instituto Nacional de Saúde Mental, que disse: “Enquanto isso, o que você vai fazer com esta crise de saúde mental? Você não pode fazer vista grossa”.

****

Riehm, K. E., Brignone, E., Gallo, J. J., Stuart, E. A., & Mojtabai, R. (2022). Emergency health services use and medically-treated suicidal behaviors following depression screening among adolescents: A longitudinal cohort study. Preventive Medicine, 161, 107148. (Link)

[trad. e edição Fernando Freitas]