Como os Ouvidores de Vozes Espirituais se comparam aos Ouvidores de Vozes enquanto Psicose?

Os pesquisadores compararam as experiências das pessoas que entendem que sua audição de voz é espiritual e aquelas que experimentam psicose.

0
253

Pesquisadores interessados em entender as diferentes experiências entre as pessoas que ouvem vozes recentemente publicaram suas descobertas no Schizophrenia Bulletin. A equipe de pesquisa, liderada por Peter Moseley da Universidade Northumbria no Reino Unido, identificou diferenças significativas nas experiências dos ouvintes espirituais e das pessoas que atribuem suas vozes à psicose. Os autores escrevem:

“Além de apoiar conclusões anteriores relativas a baixos níveis de angústia e maior controle e multimodalidade em grupos não-clínicos, também fornecemos evidências novas de outras diferenças mais sutis, incluindo uma menor probabilidade de experimentar vozes vindas de fronteiras perceptuais e maior integração de modalidades em uma entidade”.

Nos últimos anos, tem havido um interesse crescente em estudar as diferentes experiências dos ouvintes de voz como parte de um movimento em direção à despatologização dessas experiências e ao entendimento das distintas e diversas maneiras como as pessoas vivem essas experiências. Por exemplo, Tanya Luhrmann da Universidade de Stanford identificou diferentes apresentações de audição de voz e diferenças culturais nas experiências dos ouvidores de vozes.

Pesquisas também descobriram que o contexto, a linguagem, a opressão, o estigma social e a forma como as pessoas dão sentido à audição de voz influenciam suas experiências com as vozes. Estes fatores, entre outros, podem alterar se as vozes são vivenciadas como hostis ou de apoio ou se a experiência traz angústia ou bem-estar.

Os ouvidores de vozes e as pessoas que experimentam psicose que questionaram as teorias biomédicas da psiquiatria desenvolveram recursos liderados por pares. Por exemplo, os Grupos de Ouvidores de Vozes operam internacionalmente para apoiar outras pessoas com essas experiências. Pesquisas descobriram que esses grupos de apoio de pares melhoram o bem-estar de seus membros e promovem mudanças positivas. A eficácia desses grupos está ligada a seus valores: autodeterminação, relutância em desafiar as explicações das pessoas para sua audição de voz, respeito por múltiplas formas de compreensão, fomento da curiosidade não-julgadora, uma forma igualitária de colaboração e fomento de relações autênticas dentro e fora do grupo.

Para explorar as diferenças entre as pessoas que experimentam angústia quando ouvem a voz e as que não a ouvem, os pesquisadores entrevistaram 26 ouvintes espirituais não-medicalizados e 40 pacientes com psicose. Aos participantes foram feitas oito perguntas amplas e abertas desenvolvidas por uma equipe multidisciplinar que consultou especialistas por experiência.

As entrevistas foram iniciadas por dois pesquisadores treinados em entrevista clínica e fenomenológica. Eles também administraram uma avaliação padronizada para identificar a freqüência, duração, localização, sonoridade e outras características das vozes ouvidas pelos participantes. Os pesquisadores analisaram a entrevista, codificando ou identificando seu conteúdo e temas emergentes.

Foram identificados os seguintes temas:

Modalidade e Espacialidade

Os ouvidores de vozes espirituais relataram mais frequentemente ter outras experiências sensoriais, como experiências gustativas e táteis, do que os entrevistados que vivenciaram psicose. Todas os ouvidores de vozes espirituais também relataram ter imagens ou visualizações na mente. Enquanto tanto os espirituais quanto as pessoas que vivenciam psicose relataram experiências com vozes internas e externas (vindas de dentro de sua mente ou de fora), este último grupo também experienciou vozes de limites (ou vozes que provêm de espaços de limites, como portas ou paredes).

Os ouvidores de vozes espirituais foram mais propensos a relatar vozes de pensamento ou vozes que podem ser confundidas como um pensamento, mas a maioria experimentou vozes auditivas ou vozes que são experimentadas como uma voz externa.

Controle e mudança ao longo do tempo

Os  espirituais eram mais propensos do que aqueles que vivenciam psicose a relatar experiências volitivas e a capacidade de influenciar suas vozes. A influência sobre as vozes relatadas pelas vozes espirituais foi descrita como mudando com o tempo e foi experimentada como maior controle das vozes e outras experiências sensoriais. Poucos participantes em ambos os grupos relataram mudanças nas características das vozes, e o grupo espiritual teve menos probabilidade de relatar mudanças no número de vozes que vivenciaram, enquanto era mais comum em pessoas que vivenciam psicose.

Afeto, Agência e Conteúdo

As vozes espirituais eram mais parecidas com as vozes que transmitiam mensagens positivas ou evocavam emoções positivas, proporcionavam ao ouvinte conhecimento e sabedoria, tinham um discurso mais simples e freqüentemente eram as vozes “de pessoas da vida real do ouvinte”. Por outro lado, as pessoas que experimentavam psicose eram mais parecidas com as vozes que eram abusivas, violentas, que comandavam ou comentavam e que evocavam emoções negativas. Ambos os grupos relataram vozes personificadas ou vozes que tinham suas próprias características únicas.

Contexto Social e Interpretação

As pessoas que sofrem de psicose muitas vezes explicam seus sintomas como sendo devido ao estresse, enquanto as espirituais tinham mais probabilidade de fazer sentido de suas vozes como sobrenaturais. Ambos os grupos muitas vezes descreveram suas experiências como correndo na família. As pessoas que vivenciaram psicoses estavam mais propensas a relatar que a audição da voz tinha um impacto negativo em suas relações interpessoais, sono e ideação suicida. Estas experiências foram relatadas com menos freqüência pelos espirituais, que mencionaram que suas vozes faziam parte de sua identidade e vida cultural. Os autores estavam conscientes das influências sociais que poderiam explicar estas diferenças grupais. Os médicos poderiam influenciar como os pacientes com psicose entendem suas vozes como resultado do estresse, enquanto a compreensão das vozes espirituais são moldadas por seus grupos socioculturais.

Este artigo identificou descobertas semelhantes a estudos anteriores e acrescentou novos conhecimentos sobre as diferenças na experiência de audição de voz. Por exemplo, eles identificaram diferenças-chave entre psicose e experiência espiritual, tais como vozes de limite, imagens visuais e alucinações. Estas descobertas servem como evidência adicional de apoio para estas semelhanças e diferenças entre os tipos de ouvidores de voz. Aprender sobre o desenvolvimento do controle sobre as vozes pode ajudar a desenvolver estratégias para diminuir parte do sofrimento experimentado por alguns tipos de ouvidores de vozes.

****

Moseley, P., Powell, A., Woods, A., Fernyhough, C. and Alderson-Day, B. (2022). Voice- Hearing Across the Continuum: A Phenomenology of Spiritual Voices. Schizophrenia Bulletin, https://doi.org/10.1093/schbul/sbac054 (Link)