Mensagem do New York Times para Bonnie Burstow: Que Você Não Descanse Em Paz

0
362

Quando soube que o New York Times publicara um obituário de Bonnie Burstow, fiquei – antes de ler – bastante surpreso. Não é fácil para quem não é celebridade receber um obituário no New York Times, e mais ainda sendo um acadêmico canadense que, como dizia a legenda da versão on-line, “havia sido uma voz proeminente no movimento da anti-psiquiatria.

Esse era o subtítulo a dizer aos leitores que sua vida – e bolsa de estudos – eram de importância significativa. Isso emprestava legitimidade aos estudos em “anti-psiquiatria” criados por ela.

Ou pelo menos era isso o que parecia.

Os primeiros parágrafos do obituário foram todos muito bons e respeitosos. Parecia que o óbito seguiria um modelo como o qual estamos familiarizados, detalhando a natureza de seus escritos antes de mergulhar em sua história pessoal. Mas então veio este momento: “você deve estar brincando comigo”. No momento em que artigo descrevia a bolsa de estudos em “antipsiquiatria” que Burstow havia financiado na Universidade de Toronto, aparece de repente o comentário de seu colega Edward Shorter, que, segundo o jornal, era “um crítico da antipsiquiatria de longa data”.

Shorter não decepcionou.

“Eles estão tentando alegar que não existe doença psiquiátrica, e acho que ela causou muitos danos com a publicidade que recebeu sobre isso. . . (A universidade) cometeu um grande erro ao criar um fundo especial de bolsas de estudos em seu nome; é um fundo anti-psiquiatria que legitima o movimento “.

E Shorter não termina aí. O jornalista do Times voltou a ele uma segunda vez, mais adiante no obituário:

É claro que ela não teve um impacto positivo na saúde pública ou no tratamento de doenças. . . e é meio desanimador pensar no número de pessoas que poderiam ter sido tocadas pelo canto de sereia – pensando: ‘Oh, não existe doença psiquiátrica e tudo é apenas rotulagem e marginalização’ – e depois cometer suicídio, porque isso não é incomum. São doenças com riscos, com certeza.

Aparentemente, Shorter nunca recebeu de sua mãe a mensagem para não falar mal dos mortos. E o New York Times falhou com seus leitores, permitindo que ele o fizesse.

Difamando os mortos

Edward Shorter é talvez mais conhecido por seu livro de 1997, A History of Psychiatry. É uma história informativa, e eu pessoalmente fiz uso dele quando estava pesquisando para o meu primeiro livro, Mad in America. No entanto, o livro segue uma narrativa convencional, principalmente quando se trata dos méritos dos medicamentos antipsicóticos. A clorpromazina iniciou uma revolução na psiquiatria, comparável à introdução da penicilina na medicina geral”, escreveu ele. Graças a esse novo medicamento, os pacientes com esquizofrenia “podem levar uma vida relativamente normal e não ficar confinados às instituições”.

Agora, essa afirmação não é, como se costuma dizer, “baseada em evidências”. Pesquise na literatura científica e se descobrirá que as taxas de alta hospitalar para pacientes psicóticos em primeiro episódio não melhoraram quando a clorpromazina chegou como tratamento nos asilos psiquiátricos. Também se acha que o funcionamento social dos pacientes que receberam alta declinou depois que esse medicamento se tornou um dos pilares do tratamento.

Mas, para os propósitos deste blog, não cabe aqui entrar em detalhes, mas chamar a atenção que Shorter investe em uma narrativa amplamente aceita em nossa sociedade que Bonnie Burstow desafiou.

O movimento da “antipsiquiatria” na década de 1960 foi liderado por psiquiatras dissidentes (R.D. Laing, David Cooper e Thomas Szasz, para citar alguns) e acadêmicos (principalmente Michel Foucault e Erving Goffman). Bonnie Burstow seguiu essa tradição e, como observou o New York Times, ela desafiou a validade dos diagnósticos psiquiátricos e os méritos das drogas psiquiátricas. Ela escreveu criticamente sobre a natureza patriarcal da psiquiatria no diagnóstico das mulheres ao longo da história.

Bonnie Burstow

Como tal, seus escritos contrastavam com os de Shorter. Assim, quando o New York Times o chamou, ele poderia ter agido de forma elegante e contado como discordava de seus escritos sobre psiquiatria e como o estabelecimento de uma bolsa de estudos em “antipsiquiatria” na Universidade de Toronto havia se mostrado controverso.

Isso estaria ok. Os leitores teriam entendido que Burstow era uma intelectual que desafiava a narrativa convencional e também os “poderosos” dentro da psiquiatria. Mas Shorter fez algo bem diferente. Seus comentários de que os escritos de Burstow levaram as pessoas a cometer suicídio – e que isso não era “incomum” – foram uma acusação, que, na minha opinião, foi ao mesmo tempo vil e difamatória.

Como um amigo meu escreveu no dia em que o obituário do New York Times apareceu, “você viu os comentários de Shorter? Ele basicamente a descreveu como um monstro”.

Essa foi a parte vil. O aspecto calunioso é que Shorter, é claro, não tem evidências de que os escritos de Burstow levaram as pessoas a cometer suicídio. Essa é a acusação usual de “sangue nas mãos” que os defensores da narrativa convencional geralmente jogam contra os críticos da psiquiatria, mesmo que a ciência tenha uma história diferente para contar.

David Healy, em sua investigação sobre suicídio entre pessoas tratadas por esquizofrenia, descobriu que a taxa é 20 vezes maior hoje do que era antes da era dos antipsicóticos. Pesquisas também descobriram que as taxas de suicídio parecem aumentar quando uma população obtém maior acesso a cuidados psiquiátricos.

E esse é o ponto: se Burstow estivesse viva, ela poderia responder a um comentário como o de Shorter apontando para essa pesquisa. Ela poderia se defender de tal acusação. Mas como esse era um obituário, ela não teve essa oportunidade. Shorter difamando uma morta, e o New York Times fornecendo a ele uma plataforma para fazer isso.

O pecado jornalístico

Ao escolher escrever um obituário de Bonnie Burstow, o New York Times a identificou como uma estudiosa notável. O obituário observou com razão que ela desafiava as crenças convencionais e criticava os poderes patriarcais da psiquiatria. Mas quando chegou a hora de solicitar um comentário sobre o trabalho dela, não deveria ter chegado a um oponente conhecido do trabalho dela e publicado seus comentários ultrajantes.

Em vez disso, poderia ter solicitado um comentário de um historiador da psiquiatria que apreciasse essa batalha de narrativas e que, portanto, poderia fornecer informações sobre como o trabalho de Bonnie Burstow se encaixa nessa batalha. Essa é a paisagem social mais ampla que forneceu motivos para o Times escrever um óbito sobre ela. O que havia de novo em seus escritos? Que novo terreno ela iluminou? Apresentou ela os seus argumentos de maneira clara?

Por exemplo, o historiador Andrew Scull teria sido uma boa escolha. Não sei o que ele achou dos escritos de Burstow, mas ele certamente poderia ter falado com insights sobre as narrativas concorrentes. Se o Times tivesse pedido sua opinião, ele poderia ter ajudado os leitores a entender por que o trabalho de sua vida merecia um obituário. Ela era uma intelectual participando de uma discussão social mais ampla sobre os méritos dos cuidados psiquiátricos, passados e presentes.

Do mesmo modo, o Times poderia ter procurado um comentário de alguém da comunidade de “sobreviventes psiquiátricos”. Por que tantos ex-pacientes admiram seus escritos e seu trabalho de advocacia? Estou certo de que os leitores gostariam de ouvir a perspectiva deles.

O ponto jornalístico aqui é o seguinte: isto era um obituário. Muito do que o Times escreveu foi bom, respeitoso e informativo. Mas frustrou os leitores quando solicitou um comentário de um inimigo declarado de seu trabalho e publicou sua acusação infundada de que seus escritos causavam danos à “saúde pública” e provocavam muitos suicídios. O jornal tomou o partido da difamação de Shorter.

Há um velho ditado no jornalismo de que seu trabalho é afligir os que se sentem confortáveis e confortar os aflitos. Bonnie Burstow, em seus escritos, frequentemente dava conforto aos “aflitos”. O New York Times, ao publicar os comentários de Shorter, estava confortando os que estão em posições confortáveis.

E assim, de nós da comunidade do Mad, eu gostaria de enviar uma mensagem para Bonnie Burstow além do túmulo: Você fez o bem Bonnie. Você foi uma heroína para muitos. E não deixe esse obituário derrubá-la.