Os métodos de pesquisa descolonizantes podem melhorar os tratamentos psicológicos

O psicólogo de Harvard Joseph Gone demonstra como a pesquisa descolonizante em psicologia poderia ajudar a retomar as tradições terapêuticas dos povos originários.

0
177

Em um novo artigo, o psicólogo indígena Joseph Gone da Universidade de Harvard argumenta que a descolonização dos métodos de pesquisa não só é necessária para o avanço da justiça social, mas que também melhorará o estado da ciência psicológica. Os apelos para a psicologia descolonizante decorrem do reconhecimento de que o campo tem mantido formas rígidas de pensar e pesquisar a saúde mental que estão enraizadas em concepções historicamente ocidentais – levando à exclusão e até mesmo à exterminação de formas multiculturais de abordar estas questões.

Neste último artigo, publicado no Journal of Counseling Psychology, Gone usa exemplos de tradições de cura indígenas para ilustrar como a descolonização enquanto metodologia pode proporcionar novos caminhos para a pesquisa em psicologia.

“Quer a marginalidade experimentada por outros grupos seja colonial ou não, muitas das sugestões concretas na seção ‘Rumo à Descolonização’ do artigo ainda podem ser úteis em termos de legitimar o conhecimento local, recuperar sistemas de significado comunitário e motivar a ação coletiva”, disse Gone.

Joseph Gone. Image: Stephanie Mitchell/Harvard Staff Photographer

A colonização é reconhecida como um fenômeno multifacetado que se manifesta de várias maneiras, dependendo do contexto político e econômico. Seja qual for sua forma, a colonização envolve a desumanização dos colonizados, que se institucionaliza dentro dos sistemas e instituições sociais, incluindo o sistema de saúde mental.

O famoso argumento do psiquiatra martinicano Frantz Fanon nos anos 60 é que muitas das “patologias pós-coloniais” encontradas nos povos originais poderiam muito bem ser o resultado de traumas históricos da colonização europeia-americana.

Com a institucionalização dos sistemas de saúde de estilo ocidental, muitos índios americanos (IA) tendem a buscar esses serviços de saúde mental mais convencionais. Dada a ruptura das práticas de cura cultural causada pela colonização, o processo de recuperação das tradições terapêuticas indígenas se tornou um importante caminho para a descolonização. Entretanto, para que isso ocorra, a psicoterapia e a psicologia em geral nos serviços de saúde devem lidar com a tensão entre as abordagens atuais da psiquiatria e os entendimentos indígenas de saúde e cura.

Gone propõe uma estrutura para compreender a descolonização como uma abordagem a ser pesquisada, em vez de um tipo específico de projeto de pesquisa. Trata-se menos do uso de métodos particulares e mais da utilização de uma abordagem que forneça um conjunto de objetivos para a pesquisa. Considerando que não há muita pesquisa sobre descolonização dentro das áreas de aconselhamento e psicoterapia, este artigo oferece estratégias para os psicólogos participarem da descolonização na pesquisa, prática e treinamento em psicologia nos serviços de saúde.

Ao analisar a narrativa de vida de um curandeiro índio americano Gone demonstra esta abordagem da descolonização enquanto uma metodologia. Este exemplo demonstra como métodos qualitativos podem ser usados para recuperar uma tradição terapêutica colonizada.

A tradição, em particular, é a do curandeiro dos Aaniiih-Gros Ventre, Bull Lodge. Ao traçar as características essenciais da tradição terapêutica dos Aaniiih, Gone considera como o método, o poder e o processo estão relacionados com a recuperação das tradições terapêuticas indígenas. A história de vida de Bull Lodge, um conhecido curandeiro do século XIX dos Gros Ventres, ilumina o mundo dos Aaniiih dentro do contexto de uma tradição de cura indígena pré-reserva.

O próprio Gone é membro dos índios Aaniiih-Gros Ventre de Montana e das Grandes Planícies do norte. Gone conta dos primeiros casos documentados de Bull Lodge que estão associados à sua ascensão como um curandeiro proeminente, destacando os locais específicos na paisagem Aaniiih onde ele ganhou seu “conhecimento ritual e poder de cura” juntamente com a construção de relacionamentos com seus Pais espirituais.

“De especial relevância para a descolonização, tais tradições frequentemente assumem que grande parte do mundo ‘natural’ é animado e sensível e que muito do poder para manter o bem-estar humano depende das relações com os seres que habitam lugares específicos do mundo”.

Destacados na narrativa de Bull Lodge estão os “sete buttes”, onde Bull Lodge trabalhou para ganhar notoriedade e favorecimento dos que estão acima (Seres do Alto). Através de uma série de provas testando seu caráter através de jejuns e oferendas, ele acabou sendo presenteado pelos Seres do meio-ambiente que sentiram respeito e piedade para com Bull Lodge.

Para prepará-lo para sua vida como um nobre curandeiro, tais presentes incluíam conhecimento de onde adquirir medicamentos fitoterápicos, proteção em batalha com um escudo e manto feitos de pele de búfalo e um apito com o qual convocar o Ser Butte para restaurar a saúde. Esses eventos foram o início de uma vida de conexão entre Bull Lodge e os Seres do Alto.

Aplicando isso à psicologia descolonizante, Gone delineia as convergências e divergências entre a psicoterapia ocidental e a tradição de cura Aaniiih. Isso inclui a distinção da doença em seus aspectos físicos, mentais, espirituais e sociais, bem como a cura sendo entendida como sagrada versus secular por natureza. O papel do curador Aaniiih é o de mediador entre os Seres do Alto e os humanos por meio do ritual, e o curador deve promover esses relacionamentos para toda a vida.

“Essas dinâmicas relacionais revelam uma hierarquia de pessoas que são classificadas por facilidade e acesso ao poder para trazer o mundo em alinhamento com seus desejos ou vontades, incluindo a cura.”

A análise de Gone da narrativa de vida de Bull Lodge inclui os domínios do método, poder e processo na recuperação descolonial das tradições terapêuticas indígenas com aconselhamento e psicoterapia.

Em termos de método, os métodos de cura de Bull Lodge eram interpessoais no sentido de que seus relacionamentos com os seres de Butte eram centrais. Gone contrasta essa abordagem com as intervenções comportamentais mais mecanicistas comuns na psicologia ocidental.

Do ponto de vista da pesquisa, existem muitos tipos diferentes de métodos que podem ser usados para estudar narrativas de vida e práticas de cura para obter uma compreensão mais rica dessas tradições dentro do contexto de sua cultura específica. Métodos de pesquisa, como pesquisa de arquivo e outras formas de investigação qualitativa, oferecem oportunidades para comparar essas tradições entre comunidades de IA e ao longo do tempo.

Gone invoca a obra do filósofo Michel Foucault para explorar como o poder está vinculado ao conhecimento e expresso por meio de instituições sociais que controlam o que é considerado normal e desviante. A psicoterapia muitas vezes visa assimilar os usuários do serviço em um senso psicocêntrico de self, com o domínio cultural geralmente sendo minimizado nas tentativas de “competência cultural“.

Descolonização em aconselhamento e psicoterapia significa prestar mais atenção a como o poder pode se manifestar dentro da psicoterapia entre indivíduos de culturas diferentes. O poder da Bull Lodge é exercido pela intenção de focalizar a vontade de trazer a própria vontade à realidade em comunhão com outros.

Para psicólogos dos serviços de saúde, reconhecer que as comunidades indígenas americanas podem ter entendimentos divergentes sobre cura e bem-estar requer sua integração com os serviços psicológicos que servem a essas comunidades. Como uma disciplina acadêmica e profissional, uma agenda descolonial em psicologia de serviços de saúde implicaria tanto conhecimento, prática, quanto treinamento.

Gone enfatiza que a descolonização como um processo que acontece dentro de um contexto colonizador-colonial para os povos indígenas americanos requer a repatriação das terras indígenas, considerando a importância do meio-ambiente para o bem-estar dos índios. A serviço da resistência indígena à colonização, os psicólogos do serviço de saúde devem ajudar as comunidades colonizadas a recuperar seus conhecimentos e a legitimá-los.

O ‘acompanhamento‘ das comunidades colonizadas exige que os psicólogos façam pesquisas a partir de uma orientação de ação mais participativa em vez de que os psicólogos assumam o papel de ‘especialista’. Os psicólogos também devem desnaturalizar a violência epistêmica decretada para colonizar ainda mais o outro. Uma posição descolonial na prática da psicologia dos serviços de saúde identificaria e trabalharia com curandeiros locais, legitimaria suas práticas e daria espaço para eles dentro dos serviços de saúde da comunidade. Isto também poderia incluir a colaboração com outros membros da comunidade para a prestação de serviços de psicologia da assistência em saúde.

A descolonização dentro do treinamento em psicologia de serviços de saúde incluiria o apoio a mais estudantes de comunidades colonizadas para o aprendizado da profissão de psicólogo. Programas e locais de treinamento trabalhariam na construção de relacionamentos com curandeiros locais para que eles pudessem compartilhar sua experiência com os estudantes. O currículo do treinamento poderia incluir exposição a tradições de cura não dominantes, aprendizagem de análise cultural e trabalho colaborativo com as comunidades.

Através da história de vida da carreira de cura de Bull Lodge, este trabalho fornece à psicologia dos serviços de saúde um exemplo de descolonização como uma estrutura para se envolver em atividades que promovam a libertação dos povos colonizados. Ao utilizar tal estrutura, a psicologia dos serviços de saúde pode alavancar seu conhecimento, prática e treinamento de disciplinas para avançar significativamente a justiça social de diversas maneiras com diferentes povos colonizados.

****

Gone, J. P. (in press). Decolonization as methodological innovation in counseling psychology: Method, power, and process in reclaiming American Indian therapeutic traditions. Journal of Counseling Psychology.

Artigo anteriorCOVID-19 e o boom da telepsicologia
Próximo artigoO Que as Famílias Pensam sobre as Internações Psiquiátricas?
Javier Rizo
Javier Rizo é um estagiário formado no programa de doutorado em Psicologia Clínica da UMass Boston. Sua área atual de pesquisa é a pesquisa em psicoterapia qualitativa, com um interesse primordial em promover uma estrutura baseada nos direitos humanos na psiquiatria através da educação e treinamento de clínicos e pesquisadores em saúde mental. Javier está empenhado em construir uma psiquiatria de justiça social, trabalhando para incorporar perspectivas humanistas, interdisciplinares e críticas sobre saúde mental, com particular interesse no papel dos curandeiros e modelos de fatores comuns da psicoterapia.