Psiquiatras Críticos Argumentam pela Descolonização dos Currículos Médicos em Psiquiatria

Especialistas argumentam que o pensamento crítico é necessário para descolonizar o currículo médico e desmantelar o racismo na psiquiatria.

0
342

“O pensamento colonial está profundamente enraizado na psiquiatria” é a premissa de um novo artigo de acesso aberto que acaba de ser lançado em Anthropology and Medicine. Um grupo de psiquiatras da Rede de Psiquiatria Crítica (CPN) argumenta que a descolonização do campo requer um confronto genuíno e a erradicação das suposições racistas em sua essência.

A equipe, liderada pelo psiquiatra Pat Bracken, propõe estratégias de pensamento crítico para a descolonização dos currículos psiquiátricos e das estruturas de conhecimento/poder em saúde mental. Eles acolhem com satisfação as recentes declarações da Associação Psiquiátrica Americana e do Colégio Real de Psiquiatras, admitindo as terríveis práticas históricas da psiquiatria. Bracken e colegas observam que o início do processo de descolonização envolve um ” completo questionamento da história da psiquiatria e de suas suposições e práticas embutidas”:

“Se quisermos enfrentar os desafios atuais que enfrentamos como psiquiatras, devemos reconhecer a forma como a psiquiatria desempenhou um papel na supressão dos sistemas de cura indígenas em todo o mundo, como foi cúmplice na justificação da escravidão e da colonização e como uma mentalidade particularmente ‘ocidental’ ressalta as suas mais profundas suposições e teorias”.

Bracken e colegas argumentam que, além desses reconhecimentos, é necessária uma resposta robusta a fim de enfrentar questões de injustiça profundamente enraizadas:

“Tais argumentos não são novos, mas se quisermos realmente honrar todas as inúmeras pessoas cujas vidas foram distorcidas e prejudicadas por má psiquiatria, elas não podem mais ser ignoradas”.

Desafiar os paradigmas eurocêntricos tem sido um empreendimento recente nas ciências humanas e sociais. A psiquiatria, entretanto, não tem sido mantida no mesmo nível de escrutínio e pressão para mudar, porque as ciências naturais tendem a ser vistas como neutras e objetivas. Bracken e colegas, entretanto, demonstram que, ao invés de ser culturalmente neutra, esta reivindicação de racionalidade objetiva traz consigo suposições e consequências culturais específicas:

“O desrespeito prejudicial que a psiquiatria tem demonstrado para com os mundos locais e as práticas indígenas decorre da forma como a história da psiquiatria está profundamente enredada com o surgimento do Iluminismo europeu e sua valorização de uma determinada forma de razão, juntamente com um foco particular no eu individual”.

Eles acrescentam que a “busca da psiquiatria para explicar, conter e controlar os estados de loucura, angústia e deslocamento foi um produto desses desenvolvimentos”.

Dada a recente abertura para reconhecer e desafiar a relação entre discriminação racial e resultados na área médica, Bracken e equipe afirmam que é um momento oportuno para se refletir genuinamente sobre os desafios únicos enfrentados pela psiquiatria.

A descolonização é um processo que atinge o cerne da identidade do campo, eles argumentam. A psiquiatria reciclou as atitudes coloniais ao caracterizar as culturas não-ocidentais e as práticas de cura como inferiores. Ao fazer isso, uma abordagem ocidental “cega de cultura” para entender e responder a diversas formas de sofrimento é mantida como melhor prática e exportada sem crítica globalmente.

O engajamento com as variáveis geopolíticas que influenciam a saúde e o sofrimento dos indivíduos é minado e negligenciado, escrevem os psicólogos críticos:

“Esta ‘limpeza cultural’ das narrativas dos pacientes elimina as próprias questões que uma psiquiatria genuinamente sensível à cultura procuraria investigar”.

Além disso, a equipe demonstra explicitamente como a afirmação da superioridade das práticas, conceitos e currículos psiquiátricos ocidentais é comparável a uma lógica colonial. Nos séculos 18 e 19, a racionalidade ocidental foi vista como a melhor posicionada para capturar verdades sobre o mundo natural e as experiências humanas. Esta lógica justificava a imposição de formas de ver e compreender o mundo por parte dos colonizadores, bem como a erradicação de qualquer contradição.

Bracken e equipe conectam esta história colonial com o campo da psiquiatria:

“Uma arrogância semelhante moldou o pensamento e a prática da psiquiatria…., abraçou uma linguagem de patologia, esteve preocupada em criar uma tipologia de experiência humana utilizando sistemas de classificação semelhantes aos utilizados nas ciências naturais, adotou formas reducionistas de explicação, e deu prioridade à supressão de sintomas e à prevenção de riscos”.

Eles continuam:

“Acreditamos que esta agenda decorre de uma forma de encontrar ‘alteridade’ que tem uma ressonância profunda com o projeto colonial”.

Repensar os valores do Iluminismo não é rejeitar a razão, argumentam Bracken e colegas. Pelo contrário, o pensamento crítico implica em reconhecer que “a razão não é um fenômeno singular”. Há diferentes maneiras de enquadrar e responder à dor. Eles destacam como a erudição pós-colonial e feminista tem exemplificado os modos como o raciocínio ocidental está repleto de limitações e contradições que minam a saúde e a justiça.

Embora a equipe de psicólogos críticos elogie os compromissos no campo para enfrentar a desigualdade, eles descrevem preocupações de que um repensar fundamental da psiquiatria pode não ser plenamente realizado:

“Nosso receio, baseado na história de tentativas anteriores de nossas instituições para lidar com este assunto, é que tais esforços não se envolvam verdadeiramente com todas as questões aqui apresentadas”.

Bracken e colegas descrevem o que seria apresentado em um processo de descolonização de currículos psiquiátricos. Eles incluem:

  • “Uma aceitação do pensamento crítico como essencial para qualquer forma de prática da saúde mental”. Esta aceitação inclui uma compreensão crítica do próprio sistema de conhecimento, bem como a capacidade de considerar diferentes abordagens e respostas. “
  • “Um passo que vai além do treinamento em ‘competência cultural’, para uma compreensão das fontes estruturais de desvantagem, desigualdade na saúde e sofrimento”.
  • “Uma abordagem não defensiva para ensinar a história de nossa disciplina, incluindo uma apreciação do número de pessoas que sofreram em suas mãos”. Bracken e equipe articulam numerosos exemplos de como a teoria psiquiátrica foi fundada sobre suposições coloniais, racistas e eugênicas (por exemplo, a hipótese de degeneração da esquizofrenia). Eles encorajam os currículos que apresentam formas não ocidentais de assistência à saúde mental (por exemplo, māristāns do mundo islâmico medieval).
  • “Uma exploração positiva de como, apesar de séculos de silenciamento e opressão, os povos indígenas em todo o mundo desenvolveram formas poderosas de responder a estados de sofrimento que não envolvem a epistemologia da psiquiatria ocidental”. As formas indígenas de saber oferecem, assim, caminhos alternativos de cura que honram os aspectos coletivos, ecológicos e espirituais da experiência, explica a equipe.
  • “Envolvimento com pesquisa e desenvolvimento de serviços que envolvem indivíduos com experiência vivida, redes de sobreviventes e organizações de base [Asiáticas Negras e Etnicamente Minoritárias]”: Um currículo descolonizado lançará luz sobre a hierarquia dominante de pesquisa em saúde mental que continua a desvalorizar as vozes daqueles com experiência vivida de doença mental e o sistema de saúde mental”.
Bracken e colegas resumem:

“A descolonização do currículo psiquiátrico não será fácil e não acontecerá até que superemos as suposições epistemológicas, nosológicas e normativas que estão no cerne da própria psiquiatria”. No entanto, acreditamos que é possível fazer progressos”.

Além da filosofia pós-colonial e feminista, eles apontam para os estudos de loucura, teoria queer, pedagogia e psicologia críticas, psicologias de libertação, práticas não-ocidentais e o trabalho de Frantz Fanon como oferecendo orientação e insight sobre este empreendimento.

“Abraçar o pensamento crítico como uma ferramenta positiva neste esforço será crucial”.

….

Nota do Editor: Não deixe de compartilhar esta matéria em suas redes sociais. Em tempos dos algoritmos, quanto mais compartihamentos maiores serão as chances de outras pessoas poderem ter acesso ao conteúdo do MiB.