OMS e ONU se juntam às chamadas para se transcender o modelo biomédico da psiquiatria

Em 10 de junho, a OMS solicitou uma mudança fundamental nos serviços de saúde mental.

0
814

Acabou de ser publicado em Psychology Today, de autoria de John Read:

Os milhares ao redor do mundo que criticam uma abordagem excessivamente biológica para compreender e ajudar uns aos outros, quando estamos com alguma forma de sofrimento psíquico, são frequentemente descartados como “radicais” ou “extremistas” ou “ideólogos”. Os críticos da abordagem do “modelo médico” dominante, promovido pela psiquiatria biológica e pelas empresas farmacêuticas, são frequentemente rotulados e denegridos como sendo “antipsiquiatria”, quando nos vemos sendo contra uma má ciência e contra tratamentos ineficazes e inseguros.

No entanto, até mesmo alguns psiquiatras proeminentes se pronunciaram contra o papel corruptor das empresas farmacêuticas e o modelo simplista que eles promoveram para vender seus produtos. Em 2005, o Dr. Steven Sharfstein, então Presidente da Associação Psiquiátrica Americana, escreveu: “Se formos vistos como meros empurradores de comprimidos e funcionários da indústria farmacêutica, nossa credibilidade como profissão estará comprometida. Ao abordarmos estas questões das Grandes Farmacêuticas [‘Big Pharma’] devemos examinar o fato de que, como profissão, permitimos que o modelo bio-psico-social se tornasse o modelo bio-bio-bio”.

No mesmo ano, seu colega britânico, o professor Mike Shooter, presidente do Royal College of Psychiatrists, repreendeu seus colegas em termos inequívocos:

“Não posso ser a única pessoa a ficar doente com a exibição de grupos de psiquiatras na recepção do aeroporto com tantos presentes com eles, sendo que eles poderiam muito bem ter o nome da empresa farmacêutica tatuado na testa”.

Mais recentemente a mensagem foi retomada por não menos do que as Nações Unidas, na pessoa de seu “Relator Especial sobre o direito de todos ao gozo do mais alto padrão de saúde atingível” (2014-2000), Dainius Pūras. Em 2019, o Dr. Pūras, um psiquiatra lituano, escreveu:

“As políticas atuais de saúde mental foram afetadas em grande parte pela assimetria de poder e pelos preconceitos devido ao domínio do modelo biomédico e das intervenções biomédicas. Este modelo levou não apenas ao uso excessivo de coerção no caso de deficiências psicossociais, intelectuais e cognitivas, mas também à medicalização de reações normais às muitas pressões da vida, incluindo formas moderadas de ansiedade social, tristeza, timidez, absentismo e comportamento antissocial.

“…Esta mensagem pode promover o uso excessivo de categorias de diagnóstico e expandir o modelo médico para diagnosticar patologias e fornecer modalidades de tratamento individuais que levam a uma medicalização excessiva. A mensagem desvia as políticas e práticas de abraçar duas abordagens modernas poderosas: uma abordagem de saúde pública e uma abordagem baseada nos direitos humanos … A medicalização excessiva é especialmente prejudicial às crianças, e as tendências globais para medicalizar questões psicossociais e de saúde pública complexas na infância devem ser abordadas mais fortemente com uma vontade política”.

Em 10 de junho, a Organização Mundial da Saúde se associou, com um documento de 300 páginas intitulado “Orientação sobre Serviços de Saúde Mental Comunitária: Promovendo Abordagens Centradas na Pessoa e Baseadas em Direitos”. O documento surgiu de um grupo da ONU liderado pela Dra. Michelle Funk, uma psicóloga que é Diretora da Unidade de Políticas, Lei e Direitos Humanos do Departamento de Saúde Mental e Abuso de Substâncias da OMS. [Nota do editor: confira a entrevista da Dra. Michelle Funk, publicada no MIB, para você saber de mais detalhes.] O Documento argumenta:

“O foco predominante dos cuidados em muitos contextos continua a ser o diagnóstico, a medicação e a redução dos sintomas. Determinantes sociais críticos que afetam a saúde mental das pessoas, tais como violência, discriminação, pobreza, exclusão, isolamento, insegurança no emprego ou desemprego, falta de acesso à moradia, redes de segurança social e serviços de saúde, são frequentemente negligenciados ou excluídos dos conceitos e práticas de saúde mental. Isto leva a um diagnóstico exagerado do sofrimento humano e a uma dependência excessiva de drogas psicotrópicas, em detrimento de intervenções psicossociais.

“É necessária uma mudança fundamental dentro do campo da saúde mental, a fim de pôr fim a esta situação atual. Isto significa repensar políticas, leis, sistemas, serviços e práticas nos diferentes setores que afetam negativamente as pessoas com condições de saúde mental e deficiências psicossociais, assegurando que os direitos humanos sustentem todas as ações no campo da saúde mental. No contexto específico dos serviços de saúde mental, isto significa um movimento em direção a práticas mais equilibradas, centradas na pessoa, holísticas e orientadas à recuperação, que considerem as pessoas no contexto de suas vidas como um todo, respeitando a sua vontade e preferências no tratamento, implementando alternativas à coerção, e promovendo o direito das pessoas à participação e inclusão comunitária”.

O documento oferece 22 exemplos internacionais interessantes do caminho a seguir, incluindo Diálogo Aberto, Soteria Berne, Tupu Ake na Nova Zelândia, e Grupos de Apoio dos Ouvidores de Vozes.

O estimado jornalista e militante Robert Whitaker comentou:

“O relatório da OMS é um acontecimento marcante”. Uma reformulação global da saúde mental está claramente em andamento, e os programas-modelo destacados nesta publicação da OMS, a maioria dos quais de origem bastante recente, falam de iniciativas do mundo real que estão surgindo em todos os lugares”.

Bolsões anteriormente isolados de ativistas – pacientes, familiares, pessoal de saúde mental e pesquisadores – estão se unindo cada vez mais em organizações globais, como o Instituto Internacional para Retirada de Drogas Psiquiátricas e a Sociedade Internacional para Abordagens Psicológicas e Sociais da Psicose, para citar apenas duas.

Será mais difícil para os defensores do modelo médico, ou para a ONU e a OMS, rejeitar tais organizações como radicais extremistas e antipsiquiatria. O tempo para uma mudança de paradigma fundamental na saúde mental pode, finalmente, estar se aproximando.

Artigo escrito por John Read

Leia a matéria na íntegra clicando aqui →

3D Rendering – Mind Field series. Abstract background made of head of wire mesh human model and fractal patters for use with projects on artificial intelligence, science and technology