O uso excessivo de drogas psiquiátricas está piorando a saúde mental pública

Um novo artigo de pesquisa afirma que o uso excessivo de drogas psiquiátricas pode criar mudanças neurobiológicas que dificultam a recuperação da saúde mental a longo prazo.

1
387

Em um novo artigo publicado no Journal of Addictive Disorders and Mental Health, José Luis Turabian, professor de medicina da Universidade Complutense na Espanha, explora as mudanças biológicas que acompanham o uso de drogas psicotrópicas. Segundo Turabian, a concentração da abordagem biomédica nas intervenções em saúde mental tem levado ao uso de drogas psicotrópicas muito cedo, com muita frequência e por muito tempo.

Ele aponta que essas drogas alteram nossa neurobiologia, causando, às vezes, mudanças permanentes e irreversíveis. Ele argumenta que essas mudanças podem transformar o que pode ter sido sintomas transitórios em doenças mentais crônicas e, em alguns casos, para toda a vida. Ao usar psicotrópicos para tratar sintomas e aliviar o sofrimento agudo a curto prazo, os profissionais podem estar, paradoxalmente, aumentando a duração do sofrimento.

“A tendência biologista da medicina, e da psiquiatria, traz consigo o uso de drogas psicotrópicas cada vez mais precoce, de forma mais intensa e a longo prazo, em condições clínicas leves e em situações de saúde mental reativa a contextos da vida diária (problemas pessoais, de casal, família, trabalho, socioeconômico, etc.)”, escreve Turabian.

“Entretanto, a experiência prática em medicina geral indica que as drogas psicotrópicas causam mudanças biológicas permanentes que podem estruturar e cronificar doenças mentais que teriam evoluído para a melhoria sem as próprias drogas psicotrópicas”.

Novas pesquisas têm questionado a eficácia dos antidepressivos e investigado os danos potenciais do uso a longo prazo. Pesquisadores observaram que em um seguimento de nove anos comparando pacientes depressivos que tomavam antidepressivos com aqueles que não tomavam, os antidepressivos pareciam piorar os resultados a longo prazo. Isto é verdadeiro mesmo quando os pesquisadores controlaram a gravidade da depressão. Além da falta de eficácia e dos potenciais danos, os antidepressivos são superprescritos.

Recentemente, está sendo dada mais atenção às dificuldades de se retirar dos medicamentos antidepressivos após o uso a longo prazo. Em alguns casos, a recuperação desses medicamentos pode durar décadas, com sintomas de abstinência comumente mal diagnosticados como um retorno da doença mental inicial. Mesmo quando esses medicamentos funcionam como pretendido, os efeitos adversos podem ser graves.

Da mesma forma, os antipsicóticos têm uma ampla gama de efeitos negativos bem documentados a longo prazo. Pesquisas recentes mostraram que o uso de antipsicóticos danifica várias áreas do cérebro, aumenta o risco de demência e está associado à morte precoce. Pesquisadores também descobriram que quando pessoas diagnosticadas com esquizofrenia interrompem o uso de antipsicóticos, seu funcionamento cognitivo melhora.

Turabian começa problematizando a supermedicalização da angústia pelos médicos. Tanto o sobrediagnóstico quanto o diagnóstico errado estão aumentando, assim como o uso de drogas psicotrópicas, levando à polifarmácia – fazendo mais mal do que bem. Mais importante ainda, há uma grave escassez de pesquisas sobre os efeitos a longo prazo dos psicofármacos.

O autor conduziu uma revisão e refletiu sobre a experiência pessoal para escrever sobre as consequências do uso liberal de psicofármacos a longo prazo, especialmente para questões de ansiedade e depressão. Ele especifica que o artigo deve ser considerado sua visão pessoal sobre o assunto.

O autor escreve que a psiquiatria segue erroneamente a lógica por trás dos antibióticos ao chamar seus tratamentos de antidepressivos e antipsicóticos. Estes nomes são metáforas que assumem que as questões psiquiátricas são ameaças que vêm de fora e prejudicam o hospedeiro e que, portanto, precisam ser removidas. Esta metáfora permitiu que a disciplina ultrapassasse os numerosos efeitos adversos de seus tratamentos. A suposição perigosa que continua prejudicando os pacientes é que o que os faz sentir-se melhor é também o que os mantém bem.

Turabian lista várias razões pelas quais devemos estar atentos aos antidepressivos – os tamanhos dos efeitos de sua eficácia em ensaios clínicos são pequenos, os efeitos a longo prazo não são examinados, as psicoterapias e os tratamentos psicossociais frequentemente apresentam resultados semelhantes ou melhores sem os efeitos adversos dos medicamentos, e “apenas um em cada nove pacientes se beneficia dos antidepressivos”.

Os transtornos do humor são frequentemente estados transitórios causados por circunstâncias angustiantes da vida e teriam sido resolvidos com “espera vigilante” em vez de uma prescrição prematura de antidepressivos. Muitos desses medicamentos produzem mudanças duradouras no corpo dos pacientes. Por exemplo, as benzodiazepinas podem levar a mudanças neurocognitivas e a exposição precoce aos antidepressivos pode ser vista em três gerações de descendentes. O autor enfatiza que um dos principais efeitos dos psicotrópicos é a supressão:

“Os neurolépticos suprimem a motivação e a imaginação e interferem na regulação da forma e movimento do corpo; as benzodiazepinas suprimem o controle comportamental e a discriminação; os inibidores seletivos de recaptação de serotonina suprimem o núcleo erótico. A supressão é essencial para seu efeito, não um efeito colateral de seu ataque a um processo específico de doença”.

Muitas vezes, no caso dos antidepressivos, os efeitos a longo prazo são o oposto dos iniciais, levando à comorbidade iatrogênica. Em outras palavras, os antidepressivos podem levar à depressão crônica e aumentar a suscetibilidade a episódios depressivos. Descobertas similares foram relatadas para psicose onde a supersensibilidade à dopamina pode ser causada pelo uso de antipsicóticos a longo prazo, levando, por sua vez, a mais psicose florida.

Entendimentos biomédicos de ansiedade e depressão também podem prejudicar os pacientes ao bloquear a recuperação. Em vez de se verem como mudando e sensíveis ao meio ambiente, estes entendimentos neuroquímicos forçam as pessoas a verem (e experimentarem) sua angústia como interna e permanente. Isso as leva a ignorar as condições sociais que podem estar causando isso. O modelo da doença se concentra na remoção dos sintomas (como acontece com a maioria dos medicamentos), e assim o estado interno do paciente é frequentemente considerado insignificante. A experiência da ansiedade ou depressão torna-se sem sentido, e eles são vistos apenas como estados a serem erradicados.

Por outro lado, os modelos não biológicos muitas vezes consideram os sintomas e a angústia como significativos, sensíveis ao contexto e até úteis, pois podem fazer uma pessoa reavaliar seu eu, seus relacionamentos e seu mundo. Isto aponta para uma diferença essencial na forma como estes dois modelos veem a causalidade:

“O modelo psicológico assume que a interação entre experiência passada, relações interpessoais e eventos atuais, com os pensamentos, sentimentos e comportamentos do paciente, leva a mudanças de humor e sintomas. O modelo médico vê a doença como a causa primária dos sintomas e leva a mudanças nos pensamentos, sentimentos e comportamentos, que interagem com as relações interpessoais do paciente, com os eventos atuais e com as experiências passadas”.

Assim, ao se concentrar na remoção dos sintomas e não no sentido, as drogas frequentemente tornam o paciente passivo – entorpecendo os sentimentos, frustrando a resolução de problemas, dificultando os processos de memória e concentração, e criando dependência. Consequentemente, eles dificultam os processos de psicoterapia que poderiam ter ajudado o paciente.

Turabian conclui observando que essas drogas têm inúmeros efeitos em múltiplos níveis além da simples comunicação do neurotransmissor. O impacto nas pessoas, tais como mudanças de pensamentos, humores, sentimentos, comportamento etc., são frequentemente uma causa de efeitos colaterais como a perda de matéria cinzenta cortical. Ele conclui:

“As drogas psicotrópicas mudam pensamentos, sentimentos e comportamentos que com o tempo se tornam estruturais e permanentes. Desta forma, o clínico geral em seu cuidado contínuo ao longo do tempo vê pacientes passivos, incapazes de compreender e enfrentar as causas e consequências de sua situação; Estes pacientes com muitos anos de tratamento psicofarmacológico continuam a sofrer níveis semelhantes de ansiedade, mas também sua situação contextual se deteriorou seriamente de forma crônica; são pacientes irrecuperáveis. As práticas atuais de prescrição precisam ser reformuladas à luz da consideração das vulnerabilidades e efeitos adversos do tratamento”.

****

Turabian, J (2021). Psychotropic Drugs Originate Permanent Biological Changes that go Against Resolution of Mental Health Problems. A View from the General Medicine. Journal of Addictive Disorders and Mental Health. (Link)

1 COMENTÁRIO