Os médicos de família devem mudar as práticas de prescrição de antidepressivos

Um novo artigo destaca as mudanças necessárias nos cuidados primários para reduzir o uso excessivo de antidepressivos.

0
292

Um novo artigo, publicado no Australian Journal of General Practice, examina as práticas de prescrição de antidepressivos por médicos de cuidados primários. Os autores destacam os efeitos adversos e a ineficácia dos antidepressivos e pedem mudanças na forma como esses medicamentos são prescritos na prática geral australiana.

Os autores, liderados por Katharine Wallis, Clínica Geral e Professora Associada da Universidade de Queensland, escrevem:

“Há um consenso geral de que os antidepressivos não são mais eficazes do que placebo em transtornos depressivos menos graves, e ainda há dúvidas se os antidepressivos têm algum efeito útil contra depressões mais graves, além do efeito placebo. Nunca foi comprovado que os antidepressivos revertem uma deficiência química subjacente (serotonina) ou outra anormalidade cerebral, mas modificam o cérebro de maneiras que não são totalmente compreendidas, com conseqüências potencialmente prejudiciais”.

Os antidepressivos continuam a dominar o tratamento da depressão, apesar das pesquisas demonstrarem que os antidepressivos não são eficazes para aqueles que lutam contra a depressão leve ou moderada, o que levanta questões sobre se são eficazes para pessoas que sofrem de depressão severa. Além disso, pesquisas em outros lugares demonstraram que os antidepressivos não só são largamente ineficazes, como também pioram os resultados a longo prazo.

Na Austrália, os antidepressivos são mais freqüentemente prescritos por médicos de clínica geral. Infelizmente, no entanto, as formas como os antidepressivos são prescritos muitas vezes não são apoiadas por orientações clínicas.

“Diretrizes clínicas recomendam terapias psicológicas para depressão leve e ansiedade, e 6-12 meses de terapia antidepressiva para um único episódio de depressão moderada a grave”, escrevem Wallis e colegas. “Contudo, na Austrália, a duração média da terapia é agora de aproximadamente quatro anos, e metade dos usuários são usuários de longo prazo”.

Além disso, os autores chamam a atenção para as diferenças em quem é prescrito o antidepressivo. Por exemplo, indivíduos de áreas de menor renda são receitados os medicamentos a taxas mais altas do que aqueles de áreas mais ricas, e adultos idosos são receitados antidepressivos a taxas quase o dobro das de pessoas mais jovens.

Além disso, a prescrição de antidepressivos não trata de possíveis questões sociais subjacentes, tais como luto, solidão ou pobreza. Eles também podem causar efeitos colaterais adversos, como entorpecimento emocional, letargia, disfunção sexual, ganho de peso e estão associados a taxas mais altas de COVID-19 severas. Além disso, o uso de antidepressivos a longo prazo pode levar os indivíduos a se sentirem dependentes deles e pode aumentar a dependência dos serviços de saúde mental, o que pode inibir a resiliência dos indivíduos.

Sintomas de abstinência como ansiedade, irritabilidade, tontura, dor de cabeça, baixo humor, entre outros, podem impedir os indivíduos de interromper o uso de antidepressivos a longo prazo, pois os sintomas são muitas vezes mal compreendidos como uma recaída depressiva, o que, por sua vez, causa medo e faz com que o médico continue a prescrever o medicamento.

As pesquisas disponíveis sugerem que cerca da metade das pessoas que tentam parar o uso de antidepressivos pode apresentar sintomas de abstinência. Esses sintomas de abstinência podem durar semanas ou até meses, com a gravidade e o período de tempo dos sintomas provavelmente correlacionados com o tempo que a pessoa esteve tomando antidepressivos.

Apesar dos sintomas de abstinência de antidepressivos afetarem metade daqueles que os tomam, a ocorrência, gravidade e duração dos sintomas de abstinência só recentemente receberam mais atenção, o que levou a mudanças nas diretrizes clínicas para recomendar aos indivíduos que reduzissem a dosagem dos antidepressivos lentamente para minimizar os sintomas de abstinência. Além disso, a psicoterapia é crucial para prevenir recaídas depressivas ao parar os antidepressivos.

Os autores oferecem várias recomendações para reduzir o uso desnecessário e a longo prazo de antidepressivos. Eles sugerem que os clínicos gerais sejam apoiados a prescrever antidepressivos com menos freqüência e interromper o uso de antidepressivos com mais freqüência. O apoio com a interrupção de medicamentos também deve ser estendido aos pacientes, dada a complexidade do processo de retirada e a recomendação clínica para o afilamento lento. Além disso, proporcionar acesso a apoio social, financeiro e psicológico é fundamental para ajudar os indivíduos a parar e ficar longe de sua medicação.

****

Wallis, K. A., Donald, M., Moncrieff, J. (2021). Antidepressant prescribing in general practice: A call to action. Australian Journal of General Practice50(12), 954-956. (Link)