Método Estatístico Comum Confunde Abstinência com Recaída

Investigadores argumentam que os métodos de estudo comuns para medicamentos psiquiátricos podem inadvertidamente minimizar os efeitos de abstinência e inflacionar a eficácia dos medicamentos.

1
188

A análise de sobrevivência [também conhecida como análise de sobrevida] é uma técnica estatística frequentemente utilizada para testar se os medicamentos psiquiátricos evitam recaídas. Mas, em um novo artigo no BMJ Evidence-Based Medicine, os pesquisadores escrevem que é inapropriado usá-la para esse fim.

Os pesquisadores foram Joanna Moncrieff na University College London, Janus Christian Jakobsen na University of Southern Denmark e Max Bachmann na University of East Anglia.

Eles observam que, embora este método possa ser apropriado para algumas situações quando se trata de estudos de drogas psiquiátricas, ele é suscetível de confundir retirada com recaída e pode levar a conclusões enganosas. Assim, eles sugerem que deve ser evitado para estes estudos. Os pesquisadores escrevem:

“Sugerimos que a análise de sobrevivência não deve ser rotineiramente empregada em ensaios de intervenções destinadas à prevenção de recaídas em condições psiquiátricas de longo prazo”.

Na análise de sobrevivência, os pesquisadores geralmente comparam uma, ou ambas: se há mais recaídas fora da droga e se essas recaídas acontecem mais cedo.

A primeira pergunta é vital: as pessoas que tomam a droga psiquiátrica em estudo sofrem menos recaídas? Mas o problema é que a descontinuação da droga leva a efeitos de abstinência, que muitas vezes são contados como recaídas, especialmente em testes de drogas. Assim, por causa da abstinência, as pessoas que interrompem o uso do medicamento parecem ter mais recaídas – mesmo que na verdade seja a abstinência do medicamento.

A segunda pergunta é mais preocupante: e se houver o mesmo número de recaídas ao longo do tempo, mas as recaídas acontecem mais cedo para aqueles que descontinuam a droga? E mais uma vez, muitas dessas “recaídas” no grupo de descontinuação podem na verdade ser efeitos da retirada da droga.

Moncrieff, Jakobsen e Bachmann sugerem que nesta situação, embora a droga tenha melhor aparência estatística, não vale necessariamente a pena os efeitos adversos da droga. Isto é, se o mesmo número de pessoas tiver uma recaída, quer estejam ou não tomando a droga, então a droga pode não valer a pena – mesmo que pareça melhor estatisticamente.

Os pesquisadores observam que não houve pesquisa sobre se uma recaída ligeiramente retardada é um resultado clinicamente relevante. Portanto, eles perguntam se os pacientes optariam por continuar o medicamento indefinidamente se soubessem que suas chances de recaída seriam as mesmas se a parassem.

“A relevância clínica de um atraso temporário na recaída em uma condição psiquiátrica de longo prazo que pode durar décadas não foi estabelecida, e resultados estatisticamente significativos são uma base questionável para implementar uma intervenção que pode ser de importância limitada para os pacientes”, escrevem eles.

Para esclarecer isto, os pesquisadores usam dois exemplos. O primeiro é um estudo sobre se os medicamentos antipsicóticos preveniram a recidiva após o primeiro episódio de psicose. No acompanhamento de 18 meses, parecia que o risco de recidiva era maior para aqueles que haviam descontinuado a droga. Mas, no seguimento de 7 anos, o risco de recaída tinha sido invertido – agora era maior para aqueles que permaneceram com a droga.

O segundo exemplo envolve o uso de esketamina para a prevenção de recaída em depressão resistente ao tratamento. Nas primeiras oito semanas, as pessoas que não tomaram o medicamento tiveram taxas mais altas de recidivas. Mas por volta da marca de 9 meses, não havia diferença entre os grupos em termos de risco de recidiva. Os pesquisadores escrevem:

“A evidência de um efeito de abstinência tem influência na análise de custo-benefício do início do tratamento, e é particularmente importante tendo em vista que os ensaios agudos de esketamina não demonstraram um efeito clinicamente relevante”.

Em última análise, eles argumentam que a análise de sobrevivência é enganosa e deve ser evitada em ensaios de prevenção de recaídas psiquiátricas. Além disso, eles apontam para a importância do acompanhamento a longo prazo, uma vez que os efeitos da abstinência distorcem os resultados a curto prazo.

***

Moncrieff, J., Jakobsen, J. C., & Bachmann, M. (2021). Later is not necessarily better: limitations of survival analysis in studies of long-term drug treatment of psychiatric conditions. BMJ Evidence-Based Medicine. (Link)

1 COMENTÁRIO