Pacientes em Antipsicóticos com Alto Risco para Problemas Cardiovasculares, achados de uma recente pesquisa

Os antipsicóticos apresentam um risco conhecido de efeitos colaterais importantes. Um novo estudo sugere que certos antipsicóticos podem apresentar maior risco de doença cardiovascular do que outros.

0
125

bernalyn ruizPesquisadores de Buenos Aires, Argentina, exploram o risco de doenças cardiovasculares em pessoas com drogas antipsicóticas prescritas. O estudo revela que os pacientes que começaram com antipsicóticos intermediários e de alto risco apresentaram risco significativamente maior de sofrer um evento cardiovascular do que aqueles que começaram com uma medicação de menor risco.

Os indivíduos diagnosticados com esquizofrenia geralmente experimentam numerosas condições de comorbidade, incluindo (entre outras) obesidade e diabetes mellitus tipo 2 que podem aumentar a taxa de doença cardiovascular (DCV) e mortalidade nesta população. Além disso, a doença cardiovascular tem sido implicada no aumento do hiato de mortalidade entre pessoas com esquizofrenia ou diagnóstico bipolar e a população em geral.

Sistema-circulatorio

Dada a alta incidência de DCV nas pessoas prescritas em antipsicóticos, bem como ganho de peso e anormalidades metabólicas, o presente estudo teve como objetivo avaliar o efeito de vários medicamentos antipsicóticos. Os diferentes fármacos foram classificados como baixo, intermediário ou de alto risco de eventos cardiovasculares. Os pesquisadores realizaram um estudo de coorte retrospectivo de 1.008 pacientes que receberam medicamentos antipsicóticos pela primeira vez. Os participantes tiveram seus resultados avaliados aos dois e cinco anos de uso de antipsicóticos.

As características da base dos dados coletados incluíram idade, sexo, ano da data do início com antipsicóticos, diagnósticos psiquiátricos e características basais sobre eventos cardiovasculares anteriores. Fatores de risco e marcadores para DCV também foram examinados juntamente com doença obstrutiva pulmonar crônica, insuficiência cardíaca, insuficiência renal crônica, malignidade, consumo de tabaco e álcool, número de hospitalizações e número de tentativas de suicídio.

O principal resultado de interesse foi o composto de infarto agudo do miocárdio, síndrome coronariana aguda, acidente vascular cerebral isquêmico, doença arterial periférica ou um novo procedimento de revascularização. Os resultados secundários compostos incluíram tempo para o compósito do desfecho primário mais a mortalidade por todas as causas, bem como o aparecimento de diabetes mellitus tipo 2.

Os diferentes fármacos antipsicóticos foram divididos em três categorias: baixo risco, risco intermediário e alto risco. A classe de baixo risco foi composta por haloperidol, Aripiprazol, Ziprasidona, Trifluoperazina e Levomepromazina. A categoria média incluiu Quetiapina e Risperidona. O grupo de alto risco incluiu Tioridazina, Olanzapina e Clozapina. Os pacientes que estavam em dois ou mais antipsicóticos foram colocados no grupo de alto risco.

Dos 1.008 pacientes no estudo, 223 estavam no grupo de baixo risco, 465 estavam no grupo intermediário e 320 estavam no grupo antipsicótico de alto risco. Na linha de base, a maioria das pessoas prescritas com antipsicóticos apresentava diagnóstico de demência, seguido de depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia. A maioria dos pacientes foi tratada com baixas doses de medicamentos antipsicóticos.

Aqueles em antipsicóticos de baixo risco apresentaram maior comorbidade CDCV na linha de base. Significativamente mais no grupo de alto risco em comparação com o grupo de baixo risco que desenvolveu obesidade com tratamento com antipsicóticos. 15,9% e 6,7% dos grupos de alto risco e risco intermediário desenvolveram diabetes tipo 2. Não foram encontradas diferenças significativas quanto ao número de hospitalizações ou tentativas de suicídio entre grupos de medicação alta, intermediária e de baixo risco.

No geral, 19,6% dos participantes tiveram um evento CV. Aqueles no grupo de baixo risco tiveram menos eventos durante o período de acompanhamento. O grupo intermediário estava em 2,57 vezes mais em risco do que o grupo de baixo risco. No grupo de alto risco, os resultados compostos primários foram 2,82 vezes em risco maior do que os do grupo de baixo risco. Não foram observadas diferenças aparentes entre os grupos com respeito à por todas as causas. Somente aqueles em medicamentos de alto risco apresentaram significativamente mais incidentes de diabetes tipo 2 quando comparados ao grupo de baixo risco.

Os pesquisadores encontraram um risco aumentado de apresentações de resultados significativos de CV entre os pacientes que iniciaram a mediação antipsicótica classificada como intermediária ou de alto risco.

****

Szmulewicz, A. G., Angriman, F., Pedroso, F. E., Vazquez, C., & Martino, D. J. (2017). Long-Term Antipsychotic Use and Major Cardiovascular Events: A Retrospective Cohort Study. The Journal of clinical psychiatry. (Link)

Deixe uma resposta