Uma psicanalista pioneira, desprezada pelos ‘Grandes Homens da Psicanálise’, depois assassinada pelos nazistas

Um resgate da memória da violência contra a sexualidade feminina

0
69

Da revista Tablet: o novo livro de Angela Sells, Sabina Spielrein: The Woman and the Myth, descreve o trabalho e a vida de uma psicanalista pioneira que desafiou as ideias convencionais de seus contemporâneos sobre as mulheres e a sexualidade feminina. Como uma mulher judia e ex-paciente mental, Spielrein enfrentou a marginalização no mundo psicanalítico e na sociedade em geral; seu trabalho foi roubado e apagado pelos chamados Grandes Homens da Psicanálise, e ela finalmente foi assassinada pelos nazistas.

Entre as suas contribuições: o questionamento da ‘inveja do pênis’, em voga na psicanálise; assim como a formulação do conceito psicanalítico de ‘pulsão de morte’, que permitiu avanços no pensamento da psicanálise.

“É insuportável que o trabalho de Spielrein tenha sido tomado e usado sem credenciá-la; que seu personagem tenha sido difamado pelos ‘Grandes Homens’ que usaram suas ideias sem dar crédito a ela; e que ela não tenha conseguido ganhar a vida na Áustria e na Suíça porque era uma mulher; incapaz de continuar seu trabalho pioneiro em Moscou porque era judia; e que foi, em 1942, assassinado pelos nazistas. Em um ato heroico de resistência contra o ‘memoricídio’, Sells começou a promover a ressurreição de Spielrein há algum tempo. O livro de Angela Sells é uma contribuição feminista importante, talvez definitiva, para a literatura. Alguém deve fazer um filme sobre a verdadeira Sabina Spielrein “.

Artigo →

Screen-Shot-2017-11-13-at-4.19.59-PM-e1510618824894

Deixe uma resposta