Nova Ferramenta de Avaliação de Antidepressivos e Antipsicóticos em Dosagens afuniladas

Os pesquisadores desenvolveram uma escala de classificação para avaliar melhor as experiências dos usuários de serviços com o uso de antidepressivos e/ou medicamentos antipsicóticos.

0
82

Em uma tentativa de resolver a falta de orientação sobre a descontinuação de medicamentos psiquiátricos, como antipsicóticos e antidepressivos, os pesquisadores investigaram os fatores que contribuem para o sucesso dos usuários dos serviços no processo de afunilamento de seus medicamentos. Para isso, eles desenvolveram uma escala de classificação que mede o bem-estar e os efeitos positivos e negativos da descontinuação de medicamentos.

Os pesquisadores, liderados por Tania M. Lincoln, membro do corpo docente de Psicologia e Ciência do Movimento Humano da Universität Hamburg, escrevem:

“Considerando os bem documentados efeitos negativos a longo prazo tanto para os antidepressivos quanto para os antipsicóticos, parece necessário desenvolver uma forma específica de fornecer medicação profilática para aqueles que precisam dela pelo tempo que precisarem, ao em vez de ‘jogar pelo que é seguro’, o que deixa cada paciente sob medicação a longo prazo”.

A pesquisa atualmente disponível sobre descontinuação de medicamentos se concentra principalmente nas perspectivas dos clínicos e na recaída e rehospitalização. Entretanto, os usuários de serviços têm fornecido uma série de razões além de apenas evitar recaídas por querer parar seus medicamentos, tais como não querer depender de drogas, querer reduzir os riscos potenciais associados aos efeitos adversos a longo prazo das drogas, ou reduzir os efeitos colaterais negativos, tais como emoções entorpecidas, percepções e criatividade.

Além disso, algumas pessoas diagnosticadas com transtornos psicóticos têm uma apreciação por seus sintomas e não querem que eles sejam eliminados – tais como aqueles envolvidos com o Movimento de Ouvidores de Vozes, que advogam por entendimentos alternativos das experiências de pessoas que têm sido tradicionalmente entendidas como “psicóticos”.

Para incluir a perspectiva dos usuários de serviços, Lincoln e colegas trabalharam em conjunto com indivíduos que tinham vivido a experiência de parar a sua medicação para criar um questionário, a Escala de Sucesso de Descontinuação (DSS), que capta tanto os benefícios físicos e mentais quanto os riscos associados à descontinuação da medicação.

Os pesquisadores obtiveram participantes através de uma pesquisa on-line e, no total, tiveram 396 participantes que tentaram parar de tomar antidepressivos ou antipsicóticos nos últimos cinco anos. Os participantes consistiam principalmente de mulheres (71,2%) com uma idade média de 38,8 anos.

A maioria dos participantes tinha alguma forma de educação universitária, e a metade trabalhava por conta de outrem ou por conta própria. Além disso, a maioria dos participantes (52,5%) havia interrompido com sucesso a medicação, um terço (33,3%) havia interrompido parcialmente a medicação e 13,4% dos participantes não haviam conseguido parar de tomar a medicação.

Os participantes responderam perguntas sobre suas tentativas de interromper a medicação, completaram o DSS de 35 itens, onde foi pedido aos participantes que classificassem suas respostas a afirmações como “Desde que tentei interromper, sinto-me mais vivo” ou “Desde que tentei interromper, muitas vezes tenho dificuldades para me concentrar” e completaram uma medida (WHO-5) que avaliou seu bem-estar subjetivo através da resposta a afirmações como “Senti-me alegre e de bom humor”.

Através de uma análise estatística de seus dados, Lincoln e colegas foram capazes de refinar o DSS em uma medida de 24 itens que consiste em três assinaturas que avaliam o sucesso da descontinuação (Subjective Success subscale) e os efeitos positivos (Positive Effects subscale) e negativos (Negative Effects subscale) da interrupção do medicamento.

Eles descobriram que os participantes que haviam parado de tomar seu medicamento com sucesso tendiam a ter uma pontuação mais alta nas subescalas examinando o sucesso da descontinuação e os efeitos positivos da descontinuação, e menor na subescala avaliando os efeitos adversos da descontinuação.

Entretanto, os efeitos negativos da descontinuação para os participantes que haviam tentado parar de tomar antipsicóticos foram relatados independentemente de um participante ter tido sucesso na descontinuação de seu medicamento, o que sugere que os efeitos da descontinuação, como as dificuldades de lidar com o problema, são inevitáveis quando se trata de parar os antipsicóticos – embora os efeitos possam ser atribuídos também aos estressores externos.

Através dos participantes, os pesquisadores descobriram que sua medida distinguia efetivamente entre o sucesso da descontinuação e o bem-estar geral em suas subescalas Constatou-se que as subescalas positivas e negativas discriminavam claramente entre os participantes com alto e com baixo bem-estar.

Algumas limitações do estudo incluem sua confiança no auto-relato dos participantes, falta de dados em tempo real e um tamanho de amostra que era tendencioso para indivíduos mais instruídos devido ao uso de fóruns on-line para recrutar participantes. Além disso, à medida que os indivíduos progrediram ao longo da medida, eles começaram a pular itens que podem ter influenciado o preconceito na escala do bem-estar.

Os principais pontos fortes deste estudo foram o grande tamanho da sua amostra e a sua análise de como interromper tanto os antidepressivos quanto os antipsicóticos. Entretanto, embora o estudo tenha tido resultados promissores, os pesquisadores pedem uma investigação mais aprofundada.

Os pesquisadores concluem:

“Para resumir, as preocupações relacionadas ao uso de antidepressivos e antipsicóticos a longo prazo, juntamente com a preferência geral dos pacientes pela interrupção da medicação, exigem esforços maiores para compreender os preditores de uma interrupção bem sucedida. O DSS fornece uma ferramenta confiável, válida e ecológica que pode ser usada em futuras pesquisas transversais e longitudinais sobre preditores de descontinuação bem sucedida de antidepressivos e antipsicóticos”.

****

Lincoln, T. M., Sommer, D., Könemund, M., Schlier, B. (2021). A rating scale to inform successful discontinuation of antipsychotics and antidepressants. Psychiatry Research, 298, 1-8. https://doi.org/10.1016/j.psychres.2021.113768 (Link)