Corrupção Institucional na Colaboração Cochrane

0
748

A Colaboração Cochrane é uma das instituições sem fins lucrativos mais importantes do mundo que visa ajudar as pessoas a tomar decisões informadas sobre intervenções de saúde. Uma boa decisão pode significar a diferença entre a vida e a morte, ou, na psiquiatria, a diferença entre ser permanentemente incapacitado pelas drogas e viver uma vida normal. Portanto, é de suma importância que as avaliações dos métodos de diagnóstico e de tratamento sejam tão imparciais quanto possível, tanto quanto analisar como a pesquisa original foi feita e é resumida em revisões sistemáticas – como são as revisões feitas da Cochrane.

A ciência prospera quando as pessoas têm tanta liberdade quanto possível. Ao longo de meus 25 anos na Cochrane, lutei para manter nossa liberdade e ideais, e para manter a estrutura da Cochrane como uma organização de base de luta por ideais, livre de conflitos comerciais de interesse.

No entanto, o idealismo tende a murchar com o tempo. Um colega escreveu-me que, com base em observações pessoais de mais de 35 anos, todas as ONGs, ao atingir um determinado tamanho, começam a operar de maneira diametralmente oposta à sua carta original de princípios.

O declínio moral na Cochrane começou em 2011 e foi acelerado quando um novo CEO, Mark Wilson, foi contratado em 2012, quem parece não entender o que é ciência, mas se concentra em ‘marca’ e ‘negócios’, ao em vez de tomar como foco uma ciência correta e a promoção do livre debate científico. Ele é favorável à censura científica e, infelizmente, foi apoiado por uma maioria do Conselho Diretor da Cochrane quando fui expulso pela Diretoria em setembro de 2017 e, posteriormente, demitido de meu trabalho como chefe do Centro Nórdico Cochrane em Copenhague. Nosso acesso a documentos na Dinamarca por meio da Lei de Liberdade de Informação revelou que o CEO exigira minha demissão, embora ele não tivesse mandato para fazer tal exigência.

Em meio a toda a turbulência após a minha expulsão, Bob Whitaker publicou um artigo em que esboçou que a principal razão para minha expulsão ter sido as minhas críticas à psiquiatria e às drogas psiquiátricas. Ele falou de um caso em que eu queria saber mais sobre as mortes em um estudo de longo prazo sobre pacientes psicóticos, e “o CEO da colaboração, ao em vez de achar que a busca valeria a pena de ser feita, encontrou razões para julgar que isso poderia ser motivo para a minha expulsão”.

Como membro do conselho eleito democraticamente, com o maior número de votos dos 11 candidatos, embora eu fosse o único que criticava a liderança da Cochrane, era meu dever apontar para o restante do conselho a má administração do CEO e do co-presidente da colaboração que eu havia notado e documentado.

No entanto, isso definiu entrarem em movimento ‘processos’ ímpares. Uma série de pequenas queixas levantadas contra mim pelo CEO da Cochrane, Mark Wilson, acabaram se transformando em um ataque em grande escala contra mim. Cochrane contratou um escritório de advocacia que realizou a chamada investigação independente, mas a revisão do advogado não foi de forma alguma independente. Ele sabia que o CEO – e, portanto, também o conselho, que é controlado pelo CEO, embora não devesse ser assim – tinha a intenção de me expulsar. Ele, portanto, com muita dificuldade conseguiu uma folha de parreira para esconder o que se passava, e assim se distanciou completamente do que planejava fazer. Está claro que ele não queria participar de nenhuma ação disciplinar.

O advogado me exonerou totalmente das acusações contra mim. Isso não significou nada, no entanto. Os copresidentes do conselho foram inescrupulosos e invocaram uma desculpa espúria para me expulsar. O melhor que conseguiram foi me acusar de “mau comportamento”, que eles não definiram, nem mesmo quando perguntados. Sem justificativa, meu destino foi selado e eu fui expulso de Cochrane. Outros 4 dos 13 membros do conselho de administração renunciaram em protesto.

Cochrane entrou em controle de danos. Passou as semanas seguintes justificando suas ações, emitindo declarações mentirosas e difamatórias contra mim durante eventos públicos cuidadosamente encenados. Isso desencadeou uma reação em cadeia de protestos de cientistas e membros do público. Mais de 10.000 pessoas assinaram uma petição lançada por um dos membros demitido do conselho ao Ministro da Saúde de que eu não deveria ser demitido; mas sem sucesso.

Cochrane reagiu da maneira como qualquer business como uma liderança desonesta reagiria. Escondeu-se atrás de cláusulas de confidencialidade e continuou a difamar-me, enganando milhões de pessoas, incluindo os seus próprios membros, sobre o que realmente aconteceu naquele dia em Edimburgo.

Eu escrevi um livro Death of a whistleblower and Cochrane’s moral collapse, que documenta a verdade, apoiado por gravações de salas de diretoria que foram vazadas, bem  como e-mails privados e depoimentos de cidadãos preocupados.

Sou amplamente conhecido por meu trabalho e integridade, talvez até mesmo a pessoa mais conhecida na Colaboração Cochrane, e ninguém jamais foi expulso desde que ela começou, em 1993. Minha história é, portanto, muito maior do que eu. Não se trata apenas dos custos pessoais de falar a verdade ao poder, defender a liberdade científica, que está constantemente sob ataque em um sistema de saúde dominado pela indústria farmacêutica e outros interesses econômicos, e cheia de falsas crenças, não menos importante na psiquiatria.

Esta é uma história sobre corrupção institucional e uma das piores investigações demonstradas na academia que vocês possam imaginar. Um líder errado pode destruir rapidamente o que milhares (na ciência) ou milhões (na política) de pessoas construíram pacientemente ao longo de muitos anos. Por conseguinte, essa história deve ser contada.

Eu deixei tudo para trás e vou lançar um Instituto para a Liberdade Científica , hoje, no dia 9 de março em Copenhague, que tem essas seguintes visões:

  • Toda ciência deve se esforçar para estar livre de conflitos financeiros de interesse.
  • Toda a ciência deve ser publicada o quanto antes e tornar-se livremente acessível.
  • Todos os dados científicos, incluindo protocolos de estudo, devem ser livremente acessíveis, permitindo que outros façam suas próprias análises.

Há um enorme interesse nesta iniciativa, o que é um bom sinal. O Instituto contribuirá para o desenvolvimento de melhores cuidados de saúde, onde mais pessoas serão beneficiadas e menos serão prejudicadas pelas intervenções que receberem. Nosso objetivo é dar uma contribuição substancial à evidência médica confiável de tal modo a que a nossa sociedade valorize e atenda às suas necessidades, e defendemos o debate científico aberto e pluralista, o acesso aberto aos dados e à publicação aberta.