Os impactos negativos das crenças dos médicos não-psiquiátricos sobre o tratamento da esquizofrenia

Crenças diferenciais sobre as causas biogenética e psicossocial da esquizofrenia influenciam as opiniões dos médicos sobre o tratamento e o prognóstico, segundo o estudo.

0
193

Um estudo em Psychology and Psychotherapy: Theory, Research, and Practice investiga as crenças causais de médicos não psiquiátricos sobre as origens de um diagnóstico de esquizofrenia. Os autores, uma equipe de pesquisa liderada por Lorenza Magliano, do Departamento de Psicologia da Universidade Campania, na Itália, revelam como essas crenças influenciam o tratamento e o prognóstico entre médicos que apoiam causas biogenéticas versus causas psicossociais.

Dos 264 participantes que expressaram a sua opinião sobre as causas mais importantes de “esquizofrenia”, 54% indicaram acreditar em uma causa biogenética. Os pesquisadores fornecem aos profissionais pontos-chave de consideração para entender como os seus sistemas de crenças afetam os pacientes que recebem o diagnóstico de esquizofrenia. Magliano e coautores explicam:

“Apresentar a esquizofrenia como uma ‘doença como qualquer outra’, ou seja, equiparar a experiência da psicose com a de ter uma doença física, teve a pretensão de melhorar a aceitação social dos  ‘esquizofrênicos’, a reduzir a culpa por essa condição. Porém, na verdade, explicar a esquizofrenia como causada por fatores genéticos, desequilíbrios químicos e anomalias cerebrais causa um prognóstico pessimista, percepções de periculosidade e imprevisibilidade e desejo de distância social dessas pessoas.”

A esquizofrenia é um diagnóstico contestado que captura uma gama diversificada de experiências, geralmente caracterizadas por sintomas psicóticos, como paranoia, delírios ou alucinações. Apesar da falta de evidências conclusivas, a psiquiatria promoveu a ideia de que a esquizofrenia é uma doença do cérebro. Essa abordagem biológica para entender a ‘esquizofrenia’ tem sido o ponto de vista dominante entre os profissionais médicos há décadas, apesar do público (incluindo aqueles com experiência vivida e suas famílias) que têm mais probabilidade de apoiar causas psicossociais do que as biogenéticas.

Embora tenha havido um grande número de estudos documentando a influência das crenças causais nas atitudes públicas em relação às pessoas diagnosticadas com esquizofrenia, poucos estudos investigaram as explicações etiológicas dos médicos não-psiquiátricos e como isso afeta a sua prática clínica. Devido à alta prevalência de problemas de saúde física em que as pessoas diagnosticadas com esquizofrenia costumam sofrer e os cuidados médicos abaixo do ideal que costumam receber, são necessárias pesquisas entre profissionais médicos não psiquiátricos.

Crenças sobre as causas da psicose e da esquizofrenia podem influenciar significativamente as escolhas terapêuticas e as abordagens clínicas dos profissionais médicos, incluindo a empatia dos médicos por seus pacientes. Notavelmente, um estudo descobriu que os psiquiatras que explicaram os sintomas em termos de fatores biológicos, em vez de psicossociais, mostraram menos empatia com os seus pacientes e menos ênfase na psicoterapia. Houve achados semelhantes entre a equipe de saúde mental, mostrando também que o sistema de crenças do modelo biogenético atribui maior utilidade aos medicamentos. Por outro lado, aqueles que apoiam os sistemas de crenças psicossociais tendem a classificar as psicoterapias como mais eficazes.

Os pesquisadores investigaram o impacto das explicações causais da esquizofrenia no tratamento de uma amostra de 192 médicos generalistas e 114 médicos especialistas em psiquiatria que trabalhavam em centros comunitários ambulatoriais. O participante completou o “Questionário de Opiniões sobre Transtornos Mentais” (QO) revisado.

As questões de QO foram dicotomizadas como causas biogenéticas (hereditariedade, desequilíbrio químico, doença durante a gravidez, uso de álcool e drogas de rua) e causas psicossociais (estresse, dificuldades no trabalho, conflitos familiares, experiências adversas na infância, incluindo abuso sexual, físico e psicológico ou violência). As respostas que incluíram explicações biogenéticas e psicossociais foram consideradas biopsicossociais. Uma análise mais aprofundada foi feita sobre as crenças dos entrevistados sobre a utilidade dos medicamentos e das terapias psicológicas, a necessidade de tratamentos com medicamentos a longo prazo e o prognóstico da recuperação.

Os resultados constataram que 16% dos profissionais médicos apoiavam apenas causas biogenéticas, 75% apoiavam tanto biológicas quanto psicossociais e 9% apoiavam apenas causas psicossociais. Enquanto a maioria dos participantes endossou causas biológicas e psicossociais, a maioria enfatizou mais os fatores biológicos e a genética (65%).

Embora tenha sido positivo constatar que a maioria dos médicos não psiquiátricos tem uma interpretação biopsicossocial equilibrada do diagnóstico de esquizofrenia, ainda há evidências alarmantes da crença de que a causa mais importante é a biológica e principalmente hereditária. Esse resultado sugere que muitos entrevistados podem considerar as causas psicossociais como meros fatores desencadeantes, e não como verdadeiros fatores causais.

Além disso, esses achados indicam a difusão de uma percepção hereditária do diagnóstico controverso, apesar de inúmeras revisões e críticas que demonstram que os estudos sobre o papel da genética no desenvolvimento da psicose não foram apenas muito exagerados, mas são dificultados por métodos metodológicos.

“Os resultados deste estudo confirmam achados anteriores de que ver a esquizofrenia principalmente devido a uma causa biológica está associado à maior confiança nos medicamentos, maior convicção da necessidade de tratamentos farmacológicos ao longo da vida e ao pessimismo no prognóstico. Além disso, a adesão a um modelo de esquizofrenia biologicamente orientado pode levar a uma subestimação do valor dos psicólogos. ”

Notavelmente, apesar da crescente preocupação com a eficácia e segurança a longo prazo da medicação antipsicótica, esses resultados destacam a crença continuada em tratamentos farmacológicos entre profissionais médicos. Setenta e cinco da amostra acreditavam que as pessoas com o diagnóstico de esquizofrenia devem tomar medicamentos psicotrópicos por toda a vida e 64% pensaram que esses indivíduos se tornariam perigosos se parassem de usar medicamentos psiquiátricos.

Essa crença contradiz um crescente corpo de evidências sobre os fatores de risco para violência em pessoas diagnosticadas com esquizofrenia e distúrbios relacionados. Enquanto 56% dos médicos consideram as intervenções psicológicas úteis, apenas 29% do total de participantes acredita que as pessoas “com o transtorno” podem se recuperar.

Os resultados deste estudo sugerem a importância de esforços para fornecer aos médicos não psiquiátricos treinamento sobre as diversas causas de interação dos sintomas que provocam o diagnóstico de “esquizofrenia”, incluindo a educação sobre fatores psicossociais, eficácia e segurança de uma ampla variedade de evidências com base em tratamentos, informações sobre taxas reais de recuperação e os riscos reais de comportamentos perigosos entre aqueles diagnosticados com esquizofrenia.

Os autores concluem com os seguintes pontos-chave a serem considerados pelos profissionais:

  1. Ver a esquizofrenia como tendo principalmente uma causa biológica está associado a uma maior confiança na utilidade dos medicamentos, uma crença mais firme na necessidade vitalícia de medicamentos e um maior pessimismo de prognóstico.
  2. Um modelo de crença biologicamente orientado pode levar os médicos a subestimar o valor dos psicólogos.
  3. O pessimismo prognóstico entre os médicos pode influenciar negativamente as decisões clínicas, as informações fornecidas pelos médicos e as crenças dos clientes sobre as suas chances de recuperação.
  4. A crença na necessidade de tratamentos farmacológicos ao longo da vida pode levar os médicos a resistir à retirada do medicamento em caso de efeitos colaterais graves.

****

Magliano, L., Citarelli, G., & Read, J. (2019). The beliefs of non‐psychiatric doctors about the causes, treatments, and prognosis of schizophrenia. Psychology and Psychotherapy: Theory, Research, and Practice. https://doi.org/10.1111/papt.12252 (Link)