Quatro Estudos Essenciais sobre Retirada de Antidepressivos que Todo Prescritor Deve Ler

Uma pesquisadora e usuária da psiquiatria Stevie Lewis conta sua própria experiência com a abstinência de antidepressivos e o que ela gostaria que seus médicos soubessem.

0
232

Em um novo artigo publicado no British Journal of General Practice, a pesquisadora e ativista Stevie Lewis escreve sobre sua experiência com a retirada de antidepressivos. Ela aponta para quatro estudos significativos que gostaria que seus médicos tivessem lido antes de prescrever seus antidepressivos em 1996. Ela prossegue resumindo os resultados desses importantes estudos.

A retirada do antidepressivo, há muito negada e ignorada pela comunidade psiquiátrica, está agora na linha de frente da discussão. Numerosos órgãos médicos oficiais e até mesmo importantes psiquiatras têm apontado para os efeitos adversos e duradouros que podem ocorrer quando se descontinua o uso de antidepressivos.

Isto tem exposto metodologias tendenciosas por trás de grande parte da pesquisa antidepressiva existente, com empresas farmacêuticas freqüentemente suprimindo ativamente as taxas de resposta a placebo. Também levantou sérias dúvidas sobre a hipótese de desequilíbrio químico, tanto que muitos psiquiatras estão agora começando a se divorciar dela. Os movimentos e vozes dos usuários de serviços são responsáveis por chamar a atenção para esta questão e exigir mudanças. Este artigo acrescenta a essas preocupações, empreendendo uma análise acadêmica através de uma narrativa em primeira pessoa.

Lewis escreve que enquanto em 1996 já havia algumas pesquisas sobre os efeitos de abstinência dos antidepressivos, campanhas como Defeat Depression [A Derrota da Depressão] haviam conseguido retratá-la com sucesso como um problema de desequilíbrio químico. Como resultado, os antidepressivos foram considerados seguros, eficazes e sem formação de hábito.

Ela observa então que hoje sua experiência de repetidamente tentar sair dos antidepressivos e ser acometida por sintomas graves de abstinência não é incomum nem desconhecida. Além disso, a hipótese de que os antidepressivos podem causar mudanças estruturais e químicas no cérebro e resultar em dependência de drogas está ganhando aceitação generalizada. Por exemplo, o Royal College of Psychiatry divulgou recentemente uma declaração sobre sua dependência severa e duradoura.

Lewis fornece uma visão geral de quatro estudos importantes que são leitura essencial para os clínicos gerais que querem se atualizar e se informar sobre as descobertas recentes sobre a retirada de antidepressivos. Há muitas razões para a prescrição excessiva de antidepressivos: corrupção na indústria, metodologia tendenciosa, prescrição excessiva por médicos da clínica geral, etc. As sugestões de Lewis aos médicos da clínica geral são, portanto, de particular importância aqui.

O primeiro trabalho é uma revisão sistemática da literatura de 2019 pela Davis and Read, que identificou e analisou 24 estudos. Ele descobriu que:

“Mais da metade (56%) das pessoas que tentam sair dos antidepressivos sofrem efeitos de abstinência, sendo que quase metade (46%) das pessoas sofrem efeitos de abstinência descritos como graves. Para os pacientes, não é raro que os efeitos de abstinência durem várias semanas ou meses”.

Lewis escreve que o NIMH tem subestimado durante décadas o quão comum é a abstinência de antidepressivos, mas recentemente admitiu a sua severidade e natureza duradoura.

A segunda peça importante de literatura é um artigo de Guy, Brown, Lewis e Horowitz de 2020 que detalha a experiência em primeira pessoa do usuário do serviço de atendimento ao consumidor de drogas psicotrópicas que confunde abstinência com recaída. Em outras palavras, o que na verdade é a abstinência de drogas é erroneamente assumido como sendo a recaída do paciente na condição original subjacente (como a depressão) ou o surgimento de uma nova condição.

A experiência de 158 respondentes foi analisada por temas, que foram utilizados para petições encaminhadas aos parlamentos escocês e galês. Os autores encontraram 8 pontos separados onde os médicos confundiram a abstinência de drogas psicotrópicas com outra coisa; eles também não tinham conhecimento sobre técnicas de afunilamento. Além disso, muitas vezes os pacientes recebiam informações inadequadas sobre os riscos da abstinência.

O próximo artigo resumido por Lewis é um artigo de Horowitz e Taylor de 2019 sobre formas de afunilar os antidepressivos. Lewis considera que este é o artigo mais importante, uma vez que se seus prescritores soubessem disso, poderia ter aliviado a sua própria provação.

Usando scans PET, os autores concluem que o afilamento deve ser lento e hiperbólico (redução cada vez menor) para doses que são consideravelmente menores do que o que é considerado dose mínima. Isto é essencial para reduzir os efeitos da retirada. Este artigo ajuda a diferenciar entre abstinência (que ocorre em dias, responde a antidepressivos e pode parecer fisiológica e psicologicamente diferente dos sintomas originais) e recidiva. Apesar destas diferenças, às vezes os sintomas originais e a abstinência podem parecer os mesmos, complicando ainda mais as coisas.

Dada a escassez de serviços sistêmicos que ajudam as pessoas a se retirarem de psicotrópicos ou mesmo fornecer informações relevantes e atualizadas, o movimento de usuários de serviços preencheu o vazio. Os grupos de apoio da mídia social são parte integrante disto. Assim, o último artigo sugerido por Lewis é um estudo de 2021 da Framer no Facebook sobre grupos de apoio para a retirada de antidepressivos.

Framer é uma usuária de serviços e lutou com a retirada de antidepressivos; ela também é a fundadora do survivingantidepresants.org. Este artigo aponta como os usuários de serviços se apoiaram mutuamente e ajudaram a afinar os antidepressivos – especialmente na ausência de ajuda psiquiátrica. Ela escreve:

“Framer nos apresenta a PAWS – Síndrome Aguda de Abstinência – que descreve os vários sintomas físicos e emocionais que se desenvolvem à medida que o corpo se reajusta após as adaptações que teve que fazer enquanto tomava a droga. Ela também toca em ‘neuro-emoções’ – emoções geradas pelos efeitos neurológicos da abstinência”.

Seu trabalho tem reunido inúmeras preocupações em torno da retirada de antidepressivos – como afinar, retirada prolongada, identificação de reações medicamentosas, formas de lidar com as drogas, etc.

O artigo de Lewis é mais um passo para tornar os prescritores mais conscientes dos efeitos adversos dos psicotrópicos comumente prescritos.

….

Lewis, S. (2021). The four research papers I wish my doctor had read before prescribing an antidepressant. British Journal of Medical Practice. DOI: https://doi.org/10.3399/bjgp21X716321 (Link)