Uso a longo prazo de antidepressivos está associado ao aumento da morbidade e mortalidade

Um estudo conclui que os antidepressivos comumente prescritos estão associados ao desenvolvimento de diabetes, hipertensão e outras doenças.

0
277

Um artigo recentemente publicado no BJ Psych Open investiga os efeitos adversos dos ISRS e outros antidepressivos quando tomados por mais de cinco anos.

Narinder Bansal, Mohammad Hudda, Rupert A. Payne, Daniel J. Smith, David Kessler e Nicola Wiles utilizaram mais de 200.000 registros médicos individuais coletados pelo Biobank do Reino Unido entre 2006 e 2010.

“Os antidepressivos são um dos medicamentos mais prescritos. Setenta milhões de prescrições foram distribuídas em 2018, o que representa quase o dobro das prescrições em uma década. Este aumento impressionante na prescrição é atribuído ao tratamento a longo prazo, em vez de uma incidência maior de depressão, e estas tendências não se limitam ao Reino Unido”, escrevem os autores. “Entretanto, pouco se sabe sobre as conseqüências do tratamento antidepressivo de longo prazo para a saúde”.

Em julho, Joanna Moncreiff e Mark Horowitz conduziram e publicaram uma revisão das evidências da “teoria do desequilíbrio químico” da depressão, desmascarando efetivamente a idéia. Entretanto, os medicamentos psicotrópicos ainda são utilizados como tratamento de primeira linha para a depressão, apesar das perguntas sobre sua eficácia. Além disso, o uso de antidepressivos a longo prazo pode ter efeitos colaterais preocupantes, mas a educação pública e médica relativa à descontinuação e ao afunilamento da dose permanecem escassas.

Bansal e colegas procuraram documentar os efeitos adversos do uso de antidepressivos de longo prazo. O Biobank do Reino Unido coletou registros médicos de mais de 500.000 indivíduos durante quatro anos (2006-2010). Após excluir os participantes por vários motivos (por exemplo, o participante não estava mais registrado em seu clínico geral ou estava tomando vários antidepressivos no início do estudo), mais de 200.000 participantes entre 40 e 69 anos de idade permaneceram, 96% dos quais eram brancos.

Os autores então avaliaram a associação entre o uso de antidepressivos e quatro morbidades diferentes: diabetes, hipertensão, doença coronariana (CC) e doença cerebrovascular (CV), e dois resultados diferentes de mortalidade, incluindo doença cardiovascular (DCV) e mortalidade por todas as causas. Cada morbidade foi então avaliada utilizando o modelo de risco proporcional de Cox (um modelo de regressão comumente usado para entender a associação entre o tempo de sobrevivência dos pacientes e uma ou mais variáveis preditoras).

Os autores destacam que a experiência dos sintomas comumente entendidos como “depressão” está fortemente associada a “comportamentos de risco à saúde” ou “cocriadores”, tais como obesidade, tabagismo e falta de atividade física, que também são fatores de risco tanto para DCV quanto para diabetes. Através de múltiplas análises estatísticas, Bansal e seus colegas deram o melhor de si para contabilizar esses fatores de risco.

Os autores discutem suas conclusões:

“Nosso estudo descobriu que o uso de antidepressivos a longo prazo estava associado a um aumento do risco de DCV, DCV e mortalidade por todas as causas. Estas questões parecem ser mais problemáticas para os antidepressivos diferentes dos ISRS (mirtazapina, venlafaxina, duloxetina, trazodona), com o uso de tais medicamentos associados a um risco duas vezes maior de CHD, CVD, e mortalidade por todas as causas aos dez anos. Entretanto, havia também evidências de que os antidepressivos, particularmente os SSRIs, estavam associados a um risco reduzido de desenvolver hipertensão e diabetes. As descobertas foram particularmente evidentes após dez anos de acompanhamento, onde tivemos um número maior de eventos”.

Os autores explicam por que suas descobertas podem diferir de outros estudos devido à forma como acomodaram os diversos cofundadores. Depois que os autores se ajustaram aos comportamentos de risco que comumente co-ocorreram com sintomas de depressão, o aumento do risco de diabetes parece ser indistinguível do risco do uso de antidepressivos versus o fumo/obesidade.

Entretanto, os autores observam que: “…não foi possível distinguir entre os efeitos dos antidepressivos e a própria depressão”. E que “…o uso de antidepressivos a longo prazo estava associado a um aumento do risco de CHD, CVD e mortalidade por todas as causas”.

****

Bansal, N., Hudda, M., Payne, R., Smith, D., Kessler, D., & Wiles, N. (2022). Antidepressant use and risk of adverse outcomes: Population-based cohort study. BJPsych Open, 8(5),    E164. doi:10.1192/bjo.2022.563 (Link)